Surpresa após polémica sobre Papa Wojtyla

Bispos polacos decidem criar comissão independente para investigar abusos

| 15 Mar 2023

“Os bispos, que, até hoje, apenas em algumas dioceses fizeram levantamentos de situação quanto a abusos, dizem à comissão que deve ‘mostrar o conteúdo [dos arquivos] na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural’.” Foto © Konferencji Episkopatu Polski (Conferência Episcopal Polaca)

Os bispos polacos vão criar uma comissão independente de especialistas para estudar os abusos de crianças na Igreja ao longo das últimas décadas, o que representa uma inversão total da posição até aqui mantida pelo episcopado daquele país.

A medida, adotada por unanimidade, foi anunciada esta terça-feira, 14 de março, pelo arcebispo primaz Wojciech Polak, no final de uma sessão plenária da Conferência Episcopal, em Varsóvia, e segue-se ao grande clamor oficial e na opinião pública gerado pelas notícias de que, enquanto arcebispo de Cracóvia, o cardeal Karol Wojtyla e futuro Papa João Paulo II teria encoberto alguns casos de padres abusadores.

O arcebispo primaz disse que a comissão independente incluirá historiadores, advogados e psicólogos, abarcará todas as dioceses e as ordens religiosas e trabalhará sobre os arquivos da Igreja Católica e os do Estado polaco, não tendo sido esclarecido se, a exemplo de Portugal e de outros países, aceitará escutar depoimentos e denúncias dos afetados.

Manifestou, entretanto, a vontade de que o resultado possa ser “de grande ajuda para as vítimas”, uma vez que estas “precisam da verdade”.

A tarefa da comissão, acrescentou Polak, será “examinar diligentemente os documentos, relativos à resolução de casos de crimes sexuais de alguns clérigos contra menores (…) a fim de mostrar o conteúdo na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural”, segundo citação do site Notes from Poland.

A Comissão e a tarefa de que será incumbida constituem talvez a resposta mais consistente dada pelos bispos ao impacto suscitado por um livro recentemente publicado sobre o caso da Arquidiocese de Cracóvia, o qual deu origem a um documentário que foi exibido recentemente num canal televisivo privado, na Polónia, desencadeando um coro de protestos, tanto da Igreja como do Estado, como o 7MARGENS noticiou.

Por isso, na declaração final de sua plenária desta semana, os bispos voltaram a falar de tentativas “sem precedentes” de “desacreditar a pessoa e a obra de São João Paulo II”, apelando “a todos a que respeitem a memória de um dos nossos mais importantes compatriotas” e agradecendo aos que defenderam o “bom nome” do Papa Wojtyla.

Também o Papa Francisco, numa das entrevistas (a La Nación) que deu a propósito dos dez anos de pontificado, defendeu aquele seu predecessor, entretanto canonizado, considerando que os atos deveriam ser julgados “de acordo com os padrões da época”. E, “naquela época, tudo era encoberto”, observou.

Os bispos, que, até hoje, apenas em algumas dioceses fizeram levantamentos de situação quanto a abusos, dizem à comissão que deve “mostrar o conteúdo [dos arquivos] na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural”.

É de admitir que haja bastante matéria para investigar. Em 2020, o Vaticano sancionou o cardeal Henryk Gulbinowicz, ex-arcebispo de Wroclaw (Breslávia) e, em 2021, na sequência de investigações iniciadas no ano anterior, puniu dois bispos daquele país por não terem assumido com diligência os seus deveres relativamente a vários casos de abusos.

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This