No início da próxima semana?

Cardeal Tolentino “dentro de dias” o novo prefeito do Dicastério para a Cultura e a Educação

| 23 Set 2022

Cardeal José Tolentino Mendonça. Foto © António Marujo.

 

O cardeal português José Tolentino Mendonça, actual arquivista e bibliotecário da Santa Sé, será nomeado “dentro de dias” como novo responsável do novo Dicastério para a Cultura e a Educação, do Vaticano – soube o 7MARGENS junto de fontes eclesiásticas.

De acordo com alguns indicadores, a nomeação pode ocorrer já no início da próxima semana. Ela será uma das consequências da entrada em vigor da nova constituição Praedicate Evangelium (“Anunciai o Evangelho”), que regula e renova o funcionamento da Cúria Romana.

No novo cargo de prefeito do Dicastério para a Cultura e a Educação (DCE), que já se previa que poderia vir a ser ocupado pelo cardeal português, Tolentino Mendonça passará a reunir as responsabilidades que até agora estavam atribuídas à Congregação da Educação Católica e ao Conselho Pontifício para a Cultura. Ou seja, ficarão sob a sua tutela, conforme o 7MARGENS recordou em Junho, a rede escolar católica do mundo inteiro, com 1360 universidades católicas e 487 universidades e faculdades eclesiásticas com 11 milhões de alunos e outras 217 mil escolas com 62 milhões de crianças. No outro pelouro que passará a estar sob a sua tutela, o cardeal Tolentino coordenará o diálogo da Igreja universal com o mundo da cultura – não só a literatura ou as artes e o património, como também o desporto, a ciência e a Inteligência Artificial, como recordava, também em Junho, o semanário católico inglês The Tablet.

Neste novo cargo, Tolentino Mendonça substituirá, no ex-Conselho Pontifício para a Cultura, o cardeal Gianfranco Ravasi, que completa os 80 anos (idade limite para votar num eventual conclave) já em Outubro; e na ex-Congregação da Educação Católica, sai o cardeal Giuseppe Versaldi, que fez 79 anos no final de Julho.

 

Um passo mais na reforma da Cúria

No novo Dicastério para a Cultura e a Educação, Tolentino Mendonça irá encontrar o bispo Carlos Azevedo, até agora “delegado” do Conselho Pontifício para a Cultura, que era dirigido pelo cardeal Gianfranco Ravasi – que foi quem sugeriu ao Papa o nome de Tolentino para orientar os exercícios espirituais da Quaresma de 2018, que levaram depois à nomeação do actual prefeito da Biblioteca Apostólica do Vaticano para esse cargo, em Julho seguinte. Mas dificilmente poderão ficar dois portugueses em lugares tão destacados, a dirigir um Dicastério com esta importância. Por isso, é de prever que Carlos Azevedo seja nomeado para outro lugar.

Com esta nomeação, Tolentino Mendonça também regressa, de certo modo, à sua primeira “casa” na Cúria Romana: entre 2011 e 2018 o então padre foi consultor do Conselho da Cultura, participando em reuniões periódicas deste organismo. A partir de Fevereiro de 2020, passou a integrar o CPC como membro – ou seja, como um dos responsáveis, que reúnem mais frequentemente e estabelecem prioridades e a acções a desenvolver.

No novo cargo, o cardeal Tolentino, que completa 57 anos no final do ano, passará a reunir também várias das facetas do trabalho que já desempenhou em Portugal: além de ser poeta, teólogo e biblista, foi ele que dinamizou o Secretariado da Pastoral da Cultura, quando a Conferência Episcopal decidiu criar esse organismo; capelão e vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa (UCP), foi também ele que colocou a Igreja a reconhecer o trabalho de várias personalidades que, embora na órbita católica, não eram valorizadas pela instituição: o cineasta Manoel de Oliveira, o actor e encenador Luís Miguel Cintra, a artista Lourdes Castro, o padre e cientista Luís Archer, o arquitecto Nuno Teotónio Pereira, a classicista Maria Helena Rocha Pereira ou o poeta Fernando Echevarría, entre vários outros.

Esta nomeação é mais um passo na rearrumação que o Papa Francisco está a fazer dos cargos da Cúria Romana, tendo em conta a nova constituição Praedicate evangelium, que passou a regular o funcionamento da estrutura central da Igreja Católica. Esse documento entrou em vigor no início de Junho e, entre outras mudanças, prevê a possibilidade de qualquer baptizado (homem ou mulher) – e já não apenas cardeal – dirigir um dicastério, estabelece o limite de cinco anos para a generalidade dos mandatos, ao mesmo tempo que dá prioridade absoluta à evangelização.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This