Católicos escrevem carta aberta aos bispos, “envergonhados” pela colagem a manifesto sobre Cidadania

| 21 Set 20

Patriarca de Lisboa. Manuel Clemente. Sé. Igreja

O patriarca na Sé de Lisboa, antes da celebração da Vigília Pascal deste ano, em Abril. Foto © Miguel Valle de Figueiredo/FFMS.

 

Um grupo de 22 católicos de diferentes proveniências e gerações escreveu uma “carta aberta” ao patriarca de Lisboa e ao bispo de Aveiro, manifestando-se envergonhados pelo facto de ambos terem dado o seu nome ao manifesto “em defesa das liberdades de educação”, divulgado no início do mês e assinado por uma centena de personalidades, já noticiado pelo 7MARGENS.

“Queremos dizer, com a franqueza de cristãos que é devida aos nossos bispos, que o vosso apoio subscrevendo e associando-se ao manifesto ‘Em defesa das Liberdades de Educação’ contra a obrigatoriedade das aulas de “Educação para a Cidadania e Desenvolvimento” no ensino básico nos decepcionou e desgostou muitíssimo. Melhor dizendo, envergonhou-nos! – enquanto cidadãos, cristãos e católicos”, lê-se na carta, enviada ao 7MARGENS neste domingo à noite.

Entre os signatários, estão José Leitão, do Centro de Reflexão Cristã e advogado, os jornalistas Jorge Wemans e Leonor Xavier, e o professor universitário e economista Manuel Brandão Alves e Maria João Sandes Lemos, do movimento Nós Somos Igreja.

“Estas posições entristeceram-nos e nós não nos revemos de todo naquela colagem a posições ideologicamente conservadoras”, explica Nuno Caiado, técnico superior da Administração Pública, sobre as motivações do grupo, em declarações ao 7MARGENS. “Preferíamos uma leitura mais ética e moral consentânea com o século em que vivemos”, acrescenta.

A carta, diz o mesmo signatário, foi enviada sexta-feira à tarde aos dois destinatários. O patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, já respondeu, mas o grupo considera que não lhe compete divulgar a resposta. Que, acrescenta Nuno Caiado, no essencial “mantém a argumentação do manifesto”, mas não parecendo “contrariar nenhum argumento da nossa carta”.

Os sentimentos de decepção, acrescenta o texto, têm-se repetido com “outras” posições públicas dos bispos. Por isso, os signatários entendem ser seu “dever” escrever a manifestar a sua opinião: “a assinatura do referido manifesto é uma desastrada forma de intervenção cívica, sendo objectivamente sentida como uma agressão aos católicos que não se revêem nesse documento”.

O texto foi ainda remetido à nunciatura apostólica (embaixada) do Vaticano em Lisboa, ao presidente da Conferência Episcopal, o bispo de Setúbal, José Ornelas, e à Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé, que é presidida actualmente pelo bispo de Aveiro.

 

Intervenção “desnecessária e pastoralmente irresponsável”

No documento, os signatários recusam entrar numa “polémica argumentativa”, mas apresentam cinco razões que consideram justificar a disciplina em causa, dizendo que o que está em causa são questões relativas à igualdade de género e não à ideologia de género. E recusam “o absurdo de tornar o eixo educacional da cidadania referendável à opinião dos encarregados de educação”.

Por isso, acrescentam que a associação dos dois bispos ao manifesto “foi desnecessária e política e pastoralmente irresponsável” e representa uma “nova manifestação de um conservadorismo decepcionante e indesejável” e um sinal do “preocupante movimento de aproximação (por vezes, alinhamento) entre a Igreja e forças políticas bem identificadas com a direita e mesmo com a extrema-direita – como já se verificou com a subsequente apresentação de uma proposta legislativa do Chega sobre a matéria”, escrevem.

O documento – que se pode ler na íntegra nesta ligação digital – recusa “uma Igreja instrumentalizada ou de qualquer modo cúmplice – como em momentos passados – com as nuvens escuras que se adensam em muitos países de todos os continentes devido à emergência de radicalismos políticos essencialmente estimulados pelas referidas forças políticas” e cujos resultados são conhecidos: “Caos, ditaduras, guerras, pobreza, desigualdade, dor e sofrimento.”

A carta termina com um desafio aos bispos e a toda a Igreja: “Ponderar melhor sobre os caminhos que trilhamos, perguntando-nos onde está Jesus Cristo nas opções que tomamos, seja no nosso dia a dia, seja no governo da Igreja: é Ele uma força de fé́ para o bem, motivadora de transformação e de solidariedade, ou é um instrumento ou pretexto deturpado de legitimação política?”

O manifesto que deu origem a esta polémica já tinha estado em debate na reunião do conselho permanente da Conferência Episcopal. No final da reunião, os bispos que integram este organismo – e que inclui o patriarca de Lisboa – manifestaram uma posição mais cautelosa do que a do manifesto, não referindo a questão da objecção de consciência, que está no centro do caso que lhe deu origem.

Na altura, conforme o 7MARGENS noticiou, os bispos reafirmaram a sua “disponibilidade para colaborar na busca de parâmetros comuns para a clarificação do importante papel desta disciplina na nossa sociedade”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco