Os estragos de Rupnik (3)

Comunidade Loyola: ninguém na Igreja acolheu e escutou as vítimas

| 26 Set 2023

Bancos vazios numa igreja, Foto DR

Até este momento – cinco anos depois das primeiras denúncias de abusos e nove meses depois do eclodir deste escândalo na opinião pública – pode dizer-se que, pelo menos no caso de Rupnik, nada aconteceu. Foto: Direitos reservados.

 

As vítimas da violência, incluindo sexual, do padre Marko Rupnik e as vítimas do poder e espirituais da irmã Ivanka Hosta, ambos profundamente envolvidos na trajetória de 40 anos da Comunidade Loyola, aguardam aquilo em que a Igreja Católica não pode falhar, mas tem falhado: escuta, acolhimento e reparação.

Até este momento – cinco anos depois das primeiras denúncias de abusos na então Congregação para a Doutrina da Fé e nove meses depois do eclodir deste escândalo na opinião pública – pode dizer-se que, pelo menos no caso de Rupnik, nada aconteceu, e a recente posição do cardeal vigário de Roma prenuncia o cenário mais escandaloso: o ‘branqueamento’ e a reabilitação deste padre.

Serão perto de 20 as religiosas da Comunidade Loyola abusadas e violentadas. Queixaram-se, nos inícios dos anos 90, quer ao bispo diocesano, quer ao superior local dos Jesuítas, quer ao cardeal eslovaco Tomas Spidlik, inspirador teológico de Rupnik. Nenhum olhou para as vítimas e o último, ainda antes de ser cardeal, terá recusado ouvir uma delas em confissão, aconselhando-a a pôr os agravos por escrito.

Além de denúncias de algumas religiosas ao longo das últimas décadas, mais recentemente, foram enviadas cartas aos responsáveis jesuítas e o próprio Papa recebeu várias também. Nada aconteceu.

É verdade que Rupnik, esteve, em teoria, com os movimentos limitados por parte da Companhia de Jesus, quanto àquilo que podia fazer no exercício do ministério sacerdotal, mas, ostensivamente e até com publicidade, não fez caso das proibições e… todos faziam que não viam.

A Congregação para a Doutrina da Fé por duas vezes se viu obrigada a julgar denúncias de abusos graves contra Rupnik e nos dois casos o reconhecimento da culpa do jesuíta ficou sem efeito: no primeiro caso, porque a penalidade de excomunhão por absolvição de cúmplice foi logo de seguida levantada e, no segundo caso, porque as situações de abuso foram dadas como prescritas.

 

Traumas e fantasmas que manietaram a Comunidade

Mulher, solidão, desespero. Foto _Ella_

Foram vários os casos de crises psicológicas profundas, de saídas intempestivas, e, se alguém dava sinais de pensar em sair, era tratada como falhada na sua vocação. Foto © _Ella_.

 

Quanto à irmã Ivanka, o decreto disciplinar do comissário e bispo Libanori exprime a escuta das irmãs e não se furta a enunciar os problemas de abuso e a decidir sobre eles. Mas também é verdade que as vítimas de abuso parece que não contam, nesse importante documento. Como se tudo estivesse resolvido com umas penalizações… e uma exigência feita a Ivanka de que deve rezar por elas pelo menos uma vez por mês.

As pessoas, várias delas já depois de terem sofrido às mãos de Rupnik, viram-se violentadas por um clima institucional de entrada abusiva no âmbito da sua consciência, num “sistema iníquo de vigilância das mentes” (cf. decreto do bispo Libanori).

Submetidas a um regime de “obediência total, despidas de qualquer possibilidade de posição crítica e reflexiva” (depoimento recolhido junto de Fabrizia Raguso), a sua “liberdade pessoal foi quase completamente aniquilada” (depoimento de Ester), a ponto de quase metade das religiosas terem abandonado a Comunidade Loyola.

A Comunidade viveu anos, décadas, em cima de um tabu, carregando o cadáver de Rupnik que continuava vivo. Mas algumas que entraram mais tarde foram mantidas na ignorância do que estava para trás, o que explica que, já no período das audições do comissário, tenham ficado revoltadas, ao tomarem consciência dos fantasmas e traumas que lhes foram escondidos.

Foram vários os casos de crises psicológicas profundas, de saídas intempestivas, e, se alguém dava sinais de pensar em sair, era tratada como falhada na sua vocação.

Devido a este clima sombrio e ameaçador, não é de estranhar que a Comunidade se tenha reduzido a metade: em poucos anos, 19 partiram, e diz-se que uma “até saiu pela janela”.

 

Ivanka e Rupnik: neutralizado o elo mais fraco

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, arte

A Companhia de Jesus, que reagiu apenas sob a pressão dos escândalos que se conheceram em dezembro e janeiro últimos, não tem motivos para achar que já tem o seu problema resolvido, ao demitir Rupnik … “por desobediência”. Foto © Centroaletti, via Wikimedia Commons.

 

E não pode deixar de ser motivo de interrogação a desigualdade que se manifesta no lidar com os dois casos. Afinal, por que foi a Cúria Romana tão rápida a tentar “arrumar” o assunto de Ivanka, isolando-o mesmo do pronunciamento sobre a Comunidade Loyola, cujo relatório tem em seu poder há mais de um ano, e se mostra tão impassível com Rupnik, como que a ver se as tempestades passam de vez?

A Companhia de Jesus, que reagiu apenas sob a pressão dos escândalos que se conheceram em dezembro e janeiro últimos, também não tem motivos para achar que já tem o seu problema resolvido, ao demitir Rupnik … “por desobediência”. Este só poderá responder por aquilo de que é responsável. Não vai certamente carregar as responsabilidades que são da sua ex-congregação: a inação durante tantos anos, o ‘laissez faire‘ a que ela se remeteu, e, sobretudo, o resultado da escuta que promoveu, no princípio de 2023.

Segundo os dados que divulgou, em 21 de fevereiro, surgiram 15 novas denúncias e testemunhos, que foram reconhecidas como credíveis e que cobrem o período que vai dos anos 80 do século passado até 2018. Formalmente, aguardava-se um encontro com Rupnik para decidir que seguimento dar à grave matéria recolhida.

Essa extensa declaração de fevereiro começava por reconhecer “o sofrimento interior de ter de trazer de novo à tona muitos episódios dolorosos”, por parte de quem se expôs, sendo referido que havia pessoas da Comunidade Loyola, do Centro Aletti e também pessoas sem vinculação referenciada. Essas pessoas “são verdadeiros heróis e ‘sobreviventes’, dado o mal que narraram ter sofrido”, acrescentava o documento.

 

“O sangue de Abel grita”

Mas é importante sublinhar que em todo o resto do documento, que trata da natureza dos atos praticados e dos procedimentos a adotar pela Companhia de Jesus, o foco é apenas o padre Rupnik. As suas vítimas – nessa parte em que a Companhia de Jesus assume compromissos – desapareceram. Mas desapareceram no documento, não na realidade. E quem vai, agora, ao encontro delas? Quem as escuta e trata das suas feridas? Quem as irá ressarcir dos prejuízos que sofreram?

Numa (rara) entrevista dada ao jornal La Croix de 26 de fevereiro deste ano, pelo comissário e bispo Daniele Libanori, este pede que as vítimas deste padre e artista esloveno, muitas das quais “nunca puderam contar com uma ajuda profissional para ultrapassar os traumas”, “sejam escutadas pelas autoridades da Igreja”.

“O sangue de Abel grita – observa o comissário – e, para o silenciar, é necessário um julgamento. As vítimas, mesmo mais de 30 anos depois – um tempo que equivale a uma pena de prisão perpétua – têm o direito de ouvir das autoridades uma palavra definitiva que silencie a dúvida sobre a sua culpa e lhes restitua a dignidade, proclamando o que é verdade, que foram vítimas”.

O bispo Libanori está, aparentemente, a pregar no deserto.

 

O primeiro texto desta série pode ser lido nesta ligação e o segundo nesta.
A seguir: Abusos – A Igreja Católica parou no meio do caminho (editorial).

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This