Os estragos do padre Rupnik (1)

Comunidade Loyola: superiora geral “desterrada” em Portugal por autoritarismo e abusos espirituais

| 24 Set 2023

No momento em que se desenham movimentos eclesiásticos que aparentam querer limpar a imagem do padre e artista Marko Rupnik, o 7MARGENS mostra como a instituição religiosa feminina que ele ajudou a criar nasceu torta e, confirmando o ditado popular, nunca mais se endireitou. Aqui revelamos, numa série de artigos, como, dos abusos sexuais e de poder de um padre, se passou para o autoritarismo e os abusos espirituais da superiora geral de mais de três décadas. E revelamos também a prática de um bispo-comissário que parece acreditar que só a verdade salvará a Igreja.

 

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, arte

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, artista e teólogo, acusado de abuso de mulheres. Foto © Centroaletti, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

O padre Marko Rupnik, recentemente expulso da Companhia de Jesus, deixou rastos chocantes de sofrimento em muitas das suas vítimas, como se tornou público a partir de dezembro de 2022. Os abusos podem ter prescrito, mas esse sofrimento não prescreveu, porque a Igreja, por ação e inação, provocou e continua a provocar nelas uma segunda forma de vitimização. Mas Rupnik, cujo estatuto eclesiástico hoje se desconhece, deixou marcas também no Instituto Loyola, que ajudou a fundar, as quais, ainda que indiretamente, chegaram até hoje e aguardam um desfecho que se prenuncia pouco entusiasmante.

Decreto disciplinar de 21 de junho último fez “repreensão formal” à irmã Ivanka Hosta, pelo seu comportamento no seio da Comunidade Loyola.

Decreto disciplinar de 21 de junho último fez “repreensão formal” à irmã Ivanka Hosta, pelo seu comportamento no seio da Comunidade Loyola.

 

Ivanka Hosta que foi, desde os tempos de estudante, “unha com carne” com Rupnik no processo de criação da Comunidade Loyola (ComLoy), desde os anos 80 do século ido até às vésperas da ereção canónica desse instituto, em 1994, exerceu o poder de forma tão abusiva que acaba de ser fortemente penalizada por isso.

O 7MARGENS está em condições de assegurar que um decreto disciplinar de 21 de junho último fez uma “repreensão formal” à irmã Ivanka Hosta, pelo seu comportamento no seio da Comunidade Loyola “ao exercer um estilo de governo prejudicial à dignidade e aos direitos de cada uma das religiosas que a integram”. 

Uma repreensão formal e três penalizações

 

Bispo Daniele Libanori, jesuíta, auxiliar da diocese de Roma

Bispo Daniele Libanori, jesuíta, auxiliar da diocese de Roma. Foto: Direitos reservados

 

O decreto é assinado por Daniele Libanori, jesuíta e bispo auxiliar da Diocese de Roma, o qual, além de ter recolhido e examinado testemunhos e depoimentos sobre Ivanka Hosta, foi também o comissário encarregado, em outubro de 2020, de investigar o percurso e situação da Comunidade Loyola. O relatório foi concluído já em julho de 2022 e, tanto quanto se sabe, entregue no Dicastério para a Vida Religiosa. Inexplicavelmente, não foi até agora objeto de pronunciamento da Cúria. 

Além da repreensão, o decreto impôs três penalizações a Ivanka Hosta:  

1) Proibição de assumir qualquer cargo ou função de governo, bem como de direção espiritual dentro da Comunidade Loyola; 

2) Fixação de residência na comunidade que este instituto tem em Portugal e proibição de contactar, direta ou indiretamente, com as religiosas ou ex-religiosas da Comunidade Loyola por um período de três anos (medida sujeita a relatório semestral de aplicação por parte da superiora em Portugal); e 

3) Como “penitência externa”, peregrinar uma vez por mês, durante um ano, a um santuário mariano de fácil acesso a partir da residência, onde deverá rezar “pelas vítimas do comportamento do P. Marko Ivan Rupnik e por todas as religiosas da Comunidade de Loyola”, das quais é acusada de ter abusado.

Segundo fontes vaticanas, foi já depois de ter feito entrega do relatório sobre a ComLoy, que o bispo foi confrontado com a existência de um certo volume de testemunhos de conteúdo considerado grave relativos à atuação da irmã Ivanka, que foi desde 1994 até agora, com a exceção de um lapso de tempo, a superiora geral (ou Prima Sorella Responsabile – primeira irmã responsável, como é formalmente intitulada): com a entrada em cena do comissário, as suas funções foram suspensas; e com a penalização agora decidida, fica excluída do cargo.

 

Como é que se chegou até aqui?

 

Mark Ivan Rupnik, Adão, arte, mosaico,

Pormenor de um mosaico de Marko Rupnik na Cova de Santo Inácio, em Manresa (Catalunha, Espanha), representando Adão comendo o fruto que Eva lhe dera. Foto © Medol, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

O documento a que tivemos acesso – que não traz qualquer indicação de confidencialidade, mas cujo conteúdo não foi divulgado publicamente – traz elementos importantes para a compreensão do percurso daquela Comunidade ao longo das últimas três décadas.

Livreto das Constituições da Comunidade refere o ano de 1982 como o dos “primeiros passos” e o de 1985 como aquele em que foi redigido um primeiro documento de “linhas fundamentais” da sua vida religiosa.

Livreto das Constituições da Comunidade refere o ano de 1982 como o dos “primeiros passos” e 1985 como das “linhas fundamentais”.

Torna-se necessário, no entanto, fazer uma contextualização. As origens da Comunidade Loyola devem buscar-se na primeira metade dos anos 80, na Eslovénia, quando ainda não se antecipava a queda do Muro de Berlim. Nessa altura, Marko Ivan Rupnik andava pelos 30 anos e envolveu-se num movimento clandestino que esteve nas origens das Comunidades de Vida Cristã, movimento ligado aos Jesuítas, naquele país. A ideia de um instituto religioso feminino inspirado em Inácio de Loyola começava a ganhar contornos. Na segunda metade da década podia-se encontrar Rupnik, por exemplo, em encontros de jovens do Instituto Stella Matutina, na cidade italiana de Gorizia, na fronteira eslovena, e diz-se que, já então, chegou a estar envolvido no desfazer de relações de namoro, para, de uma assentada, aliciar mulheres para a ComLoy em gestação e candidatos para os Jesuítas.

Uma cronologia inserida no livreto das Constituições da Comunidade refere o ano de 1982 como o dos “primeiros passos” e o de 1985 como aquele em que foi redigido um primeiro documento de “linhas fundamentais” da sua vida religiosa, o qual viria a conhecer várias versões, nos anos seguintes.

O primeiro grupo de mulheres “recrutadas” a fazer votos perante o arcebispo de Liubliana, Alojzij Sustar, surge em 1991. Três anos antes, algumas mais implicadas no processo já o tinham feito, também. Um segundo grupo de outras 20 candidatas fez votos em 1993.

 

Maria Campatelli Papa Vatican Media

Maria Campatelli recebida em audiência pelo Papa, em setembro de 2023. Foto © Vatican Media.

 

Todos os depoimentos de ex-membros da ComLoy, vindos a público nos últimos meses,levam a concluir que, nestes anos em que a Comunidade foi ganhando forma, a figura determinante é Marko Rupnik. Sem que tenha nenhum cargo oficial, ele adquire poder pelas palestras, pela direção espiritual e, sobretudo, pelo facto de várias, se não mesmo muitas das jovens mulheres que se entusiasmam por este projeto, virem pela mão e indicação deste então jovem sacerdote jesuíta, uma parte delas de Itália.

Vários dos depoimentos de ex-irmãs que denunciaram ultimamente os abusos de Rupnik referem que era este, de facto, o líder das religiosas. O padre fez consolidar entre elas a ideia de que a irmã Ivanka era quem tinha o carisma, mas que lhe confiava a ele a liderança. Esses relatos coincidem num ponto: os abusos, hoje amplamente conhecidos, começaram nos finais dos anos 80 e estenderam-se até, pelo menos, 1993-1994.

Comunidade Loyola

Em 1993, conflito entre Ivanka e Rupnik alargou-se à Comunidade Loyola e levou à criação de dois grupos.

Em 1993, ocorreu um acontecimento fatal para o futuro da Comunidade Loyola. No decurso de uma viagem de Ivanka e de Rupnik, eclodiu um desentendimento muito fundo entre os dois, por razões que se podem presumir, mas que só os próprios conhecerão. O conflito alargou-se à Comunidade e levou à criação de dois grupos: um, maioritário, que quis seguir em frente, em torno de Ivanka, e outro que seguiu o padre Rupnik, constituído por quatro irmãs. Como o jesuíta tinha, entretanto, decidido criar o Centro Aletti, elas acabaram por se incorporar aí. Ele ficaria como diretor do Centro até 2020, quando surgem as primeiras denúncias de abusos na então Congregação para a Doutrina da Fé, passando nessa altura Maria Campatelli a diretora, pelo menos formal. Campatelli é uma das ex-ComLoy, a mesma que foi há dias recebida numa mediática audiência concedida pelo Papa Francisco.

Dir-se-ia, então, que, fossem quais fossem os reais motivos, a irmã Ivanka Hosta, fundadora e superiora geral se libertou do tutor fático da Comunidade e que esta poderia iniciar, agora, uma vida nova. Até porque, em 9 de setembro de 1994, a Congregação para a Vida Religiosa deu luz verde canónica à existência formal desta instituição religiosa de direito diocesano.

Mas terá sido, de facto, assim? Que orientação terá a “primeira irmã responsável” imprimido ao seu governo, para receber agora as penas atrás referidas? O decreto do bispo Libanori vai elucidar-nos.

A seguir: Comunidade Loyola: em que consistiram os abusos?

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This