Em busca de Sodoma – Reportagem/Exclusivo 7 MARGENS

| 8 Abr 19 | Destaques, Igrejas Cristãs, Judaísmo, Newsletter, Últimas

No trabalho de reportagem que fez para o livro No Armário do Vaticano (ed. Sextante Editora, Sodoma, na versão original), o jornalista e investigador francês Frédéric Martel incluiu uma pesquisa sobre a busca da cidade bíblica de Sodoma. Esse trabalho acabou por não ser incluído no livro e deu origem a um capítulo que o autor promete publicar na página da Internet dedicada à obra (www.sodoma.fr). Entretanto, os direitos de publicação desta reportagem, para português, foram cedidos pelo autor ao 7MARGENS, que publica a partir de hoje, e durante os próximos dias, esta grande reportagem.

John Martin, A Destruição de Sodoma e Gomorra (1852), Laing Art Gallery, Newcastle upon Tyne, Reino Unido

 

“VOU TRABALHAR AQUI, talvez até ao fim dos meus dias”. Steven Collins é um arqueólogo a quem o tempo não mete medo. O objectivo da sua investigação – a cidade antiga de Sodoma – dataria da Idade do Bronze, há cerca de 5 000 anos: a paciência faz parte da sua profissão.

De fato de caqui de explorador, barba branca bem cuidada, chapéu de cowboy, Collins é um universitário americano, vindo do Novo México. Está rodeado de uma chusma de operários e de assistentes jordanos, que escavam e recolhem minuciosamente, muitas vezes manualmente para evitar eventuais estragos, sob um sol sufocante, quando o encontro em Tall al-Hammam.

Estamos apenas a alguns quilómetros do Jordão, perto de uma vila chamada Al Kafrein, no extremo ocidental de Amã, a capital da Jordânia. A estação arqueológica é bastante difícil de encontrar, mas graças a um condutor expedito e ao meu investigador e tradutor árabe, Abbas Saad, um libanês xiita, estudante em Beirute, que eu trouxe para vir comigo à Jordânia, acabámos por descobrir o local das escavações arqueológicas. Temos de deixar o carro na beira da estrada, perto de uma pequena mesquita isolada, Al-Kulafaa Al-Rachide (a única indicação que tínhamos) e percorrer trezentos metros num longo caminho de terra e de poeira. Uma pequena tabuleta indica-nos que chegámos ao destino: “Tall al-Hammam, Projecto de Escavação”.

Abbas Saad, investigador libanês que trabalho com F. Martel na pesquisa da antiga cidade de Sodoma (aqui, na Jordânia) Foto © F. Martel.

De resto, estranhas escavações. A antiga cidade de Sodoma ali estaria soterrada, no cume de uma colina cheia de pedregulhos. E que paradoxo!

Estamos a trezentos metros de altitude e, no entanto, situamo-nos a 200 metros abaixo do nível do mar. O mar Morto fica a uma dezena de quilómetros, um dos lugares mais baixos e mais secos do planeta. Tall al-Hammam é ainda fértil e bem irrigada pelo canal Rei Abdallah, na ausência de o ser pelo Jordão quase seco.

A perder de vista: as feéricas paisagens bíblicas. Vejo campos de bananeiras e de laranjeiras, oliveiras, quintas onde se cultivam as tâmaras, os pepinos, o funcho, o tomate de grandes dimensões, as cenouras gigantes e, dizem-me, a marijuana.

– Segundo a Bíblia, Sodoma estaria situada “a oriente” do Jordão. Foi por essa razão que coloquei a hipótese, diz-me Collins, segundo a qual a cidade antiga não ficava a ocidente do rio, em território israelita, perto de Ein Gedi, onde às vezes a localizam, nem mesmo na margem oriental do mar Morto, mais a sul, mas em Tall al-Hammam, aqui, a norte do mar Morto. Começámos lá as escavações e descobrimos uma verdadeira cidade. Veja o que encontrámos.

Steve Collins mostra-me galerias, diferentes tipos de caves ou grutas e, recentemente exumados, vasos antigos e objectos antigos. Demos a volta aos estaleiros, várias escavações afastadas uma centena de metros umas das outras, e o arqueólogo aconselha-me a estar atento ao caminhar num terreno acidentado e pedregoso, aos escorpiões e às serpentes negras, particularmente venenosas – a que ele chama simplesmente “serpentes negras”.

A discussão com Steven Collins é bastante prudente, porque funcionários oficiais de um obscuro departamento dos assuntos arqueológicos do Governo jordano e o próprio intérprete estão muito atentos. O arqueólogo americano está sob apertada vigilância.

Para Steven Collis e os arqueólogos ligados às escavações, não há dúvida nenhuma de que o sítio de Tall al-Hammam  é o candidato ideal onde se pode situar Sodoma. Segundo a Bíblia, no Génesis,Lot seria o sobrinho de Abraão (seu irmão ou cunhado segundo a tradição). As duas famílias ter-se-iam afastado, porque os respectivos rebanhos se teriam tornado demasiado grandes. Ao procurar um vale próspero para apascentar os animais, Lot ter-se-ia estabelecido numa cidade perto do mar Morto: Sodoma.

Íntegro, ele teria sido, diz-nos o Antigo Testamento, o único homem “não corrompido” no meio “das gentes de Sodoma” cujo pecado era enorme (a homossexualidade não é mencionada). “Os habitantes de Sodoma eram grandes celerados e pecadores contra Deus”, refere ainda a Bíblia.

Deus, alertado pelo “grito contra Sodoma” decidiu destruir a cidade para punir o vício dos seus habitantes justamente designados os “sodomitas”.

Foram enviados dois anjos para verificar se o “pecado” era verdadeiro. O comportamento de Lot, cuja hospitalidade com os anjos é exemplar, enquanto os habitantes de Sodoma procuram “conhecer” os enviados de Deus (a palavra é ambígua, pode ter uma conotação sexual, e até significar “violá-los”, mas, em todo o caso, a homossexualidade numa é mencionada no texto sagrado). Deus, por causa da moralidade de Lot e da sua hospitalidade, decide poupá-lo. Ordena-lhe que fuja com a mulher e as duas filhas virgens, e será salvo, sob a condição de nunca se virar para trás. De manhã, Sodoma é destruída “pelo enxofre e o fogo”, bem como todos os seus habitantes; a mesma sorte está reservada à cidade vizinha, Gomorra, mas a Bíblia não nos diz porquê.

Infelizmente, a mulher de Lot, que se virou para trás durante a fuga para ver o castigo de Deus, foi imediatamente transformada numa estátua de sal (uma metáfora, pensa-se, para condenar o regresso a um modo de vida antigo, mas a homossexualidade continua a não ser citada). No dia seguinte, Lot refugia-se na cidade muito próxima de Zoar (actualmente Safi), antes de se instalar com as duas filhas numa gruta nas proximidades.

Segue-se a célebre cena do incesto em que, por falta de homens, e para manter a linhagem, as filhas de Lot embriagam o pai com vinho, e, uma de cada vez, dormem com ele. Grávidas, dão à luz dois filhos, Moab e Amon, antepassados das duas principais tribos da região, os Moabitas e os Amonitas.

Esta história bíblica é comum aos cristãos (que fazem de Lot um patriarca), aos muçulmanos (que fazem de Lot um profeta e deram ao mar Morto o nome de “Bahr-Lût” ou “mar de Lot”) e aos judeus (que, pelo contrário, fazem dele um símbolo do homem pecador). Retomado e muitas vezes adaptado pelos escritores e pelos artistas, esta narrativa figura em várias obras de Rembrandt, Rubens (de quem foi recentemente redescoberto um Lot e Suas Filhas) Dürerou Veronesi, tal como, por exemplo, em Sodoma e Gomorra de Marcel Proust. As palavras “sodomia”, “sodomizar” e “sodomitas” têm origem directa nesta história bíblica, mas só alguns séculos depois da escrita da Bíblia é que esta mesma palavra assume o sentido que tem actualmente.

O sítio de Tall al-Hammam seria, portanto, segundo o arqueólogo Steven Collins e a sua equipa, a antiga Sodoma. Por esta razão, a cidade não teria sido destruída, como o indica o Génesis, “pelo enxofre e pelo fogo” da vingança divina, mas, na opinião de Collins, por “uma violenta depressão atmosférica”. De qualquer modo, a homossexualidade nada teria a ver com esta tão famosa destruição.

O sítio arqueológico de Tall al-Hammam (mapa reproduzido de http://jandyongenesis.blogspot.com/2014/04/a-cautionary-note-about-collins-sodom.html)

(Tradução: Maria Carvalho Torres; Edição: Maria Carla Crespo e António Marujo)

Artigos relacionados

A Ameaça (Crónica no Sri Lanka, um mês depois dos atentados de Páscoa)

A Ameaça (Crónica no Sri Lanka, um mês depois dos atentados de Páscoa)

No Sri Lanka, assistimos no dia de Páscoa a uma série de ataques coordenados como não há memória neste país, e nem noutros depois do 11 de Setembro.
Tendemos a pensar que acontece sempre muito longe de nós. Desvalorizamos, por egoísmo ou até por cobardia. Desta vez foi mesmo aqui à porta. Sítios que frequentamos e que conhecemos. Não conseguimos ficar indiferentes.

Apoie o 7 Margens

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

A União Europeia necessita de psicanálise

Importa olhar para o «subconsciente» da União Europeia e tentar perceber a causa de tão grande tormento. Dir-se-ia que a União Europeia necessita de fazer algumas sessões de psicanálise. Queiramos ou não, estejamos ou não de acordo, a realidade é que a União Europeia marcará o nosso futuro coletivo.

Cultura e artes

Uma audição comentada do Livro dos Salmos

Será uma audição comentada do Livro dos Salmos aquela que Alfredo Teixeira proporá nesta quarta-feira, 22 de Maio, a partir das 18h30, na Capela de Nossa Senhora da Bonança (Capela do Rato), em Lisboa (Calçada Bento da Rocha Cabral, 1-B).

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco