Gulbenkian propõe “O Fascínio das Histórias” e das questões da mortalidade, da humanidade e da opressão

| 24 Out 19 | Cinema, televisão e média, Cultura e artes - homepage, Últimas

Rutger Hauer como Roy Batty em Blade Runner (1982), do realizador Ridley Scott

 

“Um dia dedicado às histórias, às ficções, nas suas mais diversas formas”, é a ideia de “O Fascínio das Histórias”, que a Fundação Calouste Gulbenkian organiza entre as 12h deste sábado, 26 de outubro, e as 0h30 de domingo. No programa, várias obras cinematográficas colocarão a questão da relação da humanidade com as máquinas, da mortalidade ou da liberdade e do lugar do pensamento.

A iniciativa é comissariada por Nuno Artur Silva, argumentista, fundador das Produções Fictícias e nomeado como secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, no Governo que toma posse precisamente no sábado. “Vivemos e sempre vivemos rodeados de histórias” diz Nuno Artur Silva, no texto de apresentação do evento.

Durante o dia, sucedem-se sessões de cinema, e episódios de séries e documentários. Entre eles, os dois filmes do universo Blade Runner, que começou com o clássico de ficção científica realizado em 1982 por Ridley Scott. Inspirado no livro “Do Androids Dream of Electric Sheep?” do escritor Philip K. Dick, o filme situa-se em Los Angeles, em 2019. E aquilo de que fala é de uma realidade diferente (ou nem tanto…) da que temos em 2019.

A Los Angeles de Blade Runner é uma cidade suja, escura, debaixo de chuva constante, com demasiada população, que vive de forma apática. Nesse ambiente, que mistura o futurismo espacial e os filmes noir dos anos 40, Rick Deckard (Harrison Ford) é um “Blade Runner”, com a missão de eliminar cinco replicants (máquinas que se assemelham a pessoas), que fugiram de colónias e tentam escapar ao seu desmantelamento, depois de terem atingido o limite programado de vida.

Entre eles está Roy Batty (Rutger Hauer), um replicant de combate, que apesar de ser uma máquina demonstra ter mais compaixão, humor, tristeza e raiva que muitos humanos, enquanto tenta, de forma frustrada, salvar a vida dos companheiros. Ao mesmo tempo, Deckard conhece Rachel (Sean Young), uma replicant que já suspeita da artificlidade da sua “humanidade”. Ao conhecê-la melhor, Deckard, tal como a audiência, começa a desconstruir o que consideramos real ou não.

 

“Tal como lágrimas… na chuva”

Blade Runner também é conhecido por ter um dos mais icónicos diálogos na história do cinema, o inigualável “Tears in the Rain”, e uma das melhores bandas sonoras, composta pelo compositor grego Vangelis. A história coloca várias questões que cabe ao público ponderar: Deckard é humano ou não? Será que as máquinas são capazes de pensamento racional? Qual é a fronteira entre o real e a ficção? Como devemos enfrentar a nossa mortalidade?

O impacto cultural de Blade Runner tornou-se tão evidente que, em 2017, Scott deu a oportunidade ao realizador canadiano Denis Villeneuve de fazer uma continuação do filme original, que fosse uma sequela tão boa ou melhor que o original. Blade Runner 2049 não desapontou. O filme, que também será exibido neste sábado, continua a história do original e retoma vários dos seus temas, com o agora Blade Runner “Joe” (interpretado por Ryan Gosling) a seguir a investigação do que acontecera 30 anos antes.

 

“Livros são apenas lixo. Não tem interesse.”

Uma outra obra a exibir durante o dia é o clássico distópico Fahrenheit 451, do realizador francês François Truffaut, estreado em 1966 e baseado no livro com o mesmo título, de Ray Bradbury. A história centra-se numa sociedade totalitária e altamente controlada, algures num futuro opressivo, em que o governo envia bombeiros para destruir toda a literatura que possibilite o pensamento e a reflexão livre. Os “livros são apenas lixo, não têm interesse”, ouve-se a dado momento do filme.

Neste futuro, de forma a manter o pensamento e as obras de cada escritor, as “pessoas-livro” memorizam integralmente cada obra na sua cabeça e são mesmo conhecidas pelo título do livro que memorizaram. À semelhança de livros como Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, de George Orwell, e o Admirável Mundo Novo, de Huxley, Fahrenheit 451 aborda o tema dos limites da censura, do pensamento individual e do livre-arbítrio.

O programa da jornada prevê ainda a estreia do documentário “O Fascínio das Histórias” (da autoria do próprio Nuno Artur Silva, realizado por António Botelho) e o primeiro episódio da série Years and Years, que mostra “como uma sucessão de incidentes improváveis vai pouco a pouco transformando a vida de uma vulgar família inglesa, instalando uma nova normalidade, tornando quotidiano o que era abominável, banalizando o mal”. O dia termina com a apresentação do último episódio da temporada 8 da série A Guerra dos Tronos.

Enfim, a iniciativa pretende analisar a realidade que rodeia as nossas vidas, centrando-as no tempo e no espaço das histórias que contamos e das mitologias em que acreditamos, como sugeres Artur Silva. “As histórias fazem parte do que somos. E o que somos é também uma história.”

Para mais informações sobre o programa, pode consultar-se a página da Fundação Gulbenkian.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco