Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

| 17 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

O bantu, que desconhece o Deus de Jesus Cristo, deseja apenas uma felicidade natural; a sua esperança termina numa comunhão vital comunitária, agora e depois da morte. Como sabe que pode adquirir esta felicidade com ajuda destes seres, a eles se dirige, neles confia e a eles teme. Não espera uma ordem nova de coisas […]. (Altuna, 2006: 422)

 

No meu último texto, deixei dois assuntos para conversas futuras e alguns dos que me leram pediram que os retomasse numa próxima oportunidade. O primeiro tinha a ver com a abordagem de Jesus Cristo na perspetiva bantu. O segundo, com a questão da fertilidade, aliada à atribuição de responsabilidade na CRB (Cultura e Religião Bantu).

A afirmação sobre Jesus Cristo surgiu na sequência de que esse povo aceitava a ideia da existência de um só Deus, em três pessoas: Pai, Filho e Espirito Santo. Entretanto, no referido texto mencionei o acesso a Deus, por via deste e por via do Espirito Santo, apontando similaridades entre a CRB e a TCA (Tradição Católica Apostólica), na forma como os recebem. Faltou menção ao Filho, daí a necessidade de retomar o assunto.

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso? A questão que se coloca é que, antes da evangelização portuguesa, já havia práticas religiosas entre os bantus e essa entidade não era “tida nem achada” no âmbito dos cultos e das orações dirigidas a Deus. Essa figura, sendo anteriormente desconhecida, é aceite, na medida em que o filho do pai de um bantu é irmão desse bantu. É uma questão filosófico-existencial.

Explico melhor. Na filosofia bantu, os filhos das madrastas são sempre irmãos e não se utiliza o conceito de meio-irmão, uma vez que filhos de fora do casamento não são considerados bastardos; até porque na maior parte das comunidades se pratica a poligamia. Também não existe a figura de primo. Os filhos de um tio, irmão do pai de alguém, são também irmãos, pois são filhos do um segundo pai. Uma vez pai, é pai para todos os filhos e sobrinhos. Existe a distinção de que há um pai biológico de uma pessoa, cujos irmãos desse pai funcionam como pais (embora não o sendo biologicamente e sendo, na conceção europeia, tio, irmão do pai). Virá daí a facilidade em aceitar Jesus Cristo, o filho de Deus, como irmão e isso não constitui problema algum. Ele é também um irmão. Mas a Ele não se presta culto, nem se pede intercessão junto a Deus, uma vez que esse papel cabe a pessoas escolhidas pela família, entre vivos e mortos.

A segunda questão tinha a ver com o facto de, entre os bantus, a fertilidade ser um assunto vital, de tal forma que só se dá responsabilidade de zelar por uma família ou outros deveres públicos sociais ou políticos a quem já tenha filhos.

Os bantus são pessoas que estruturam a sua vida comunitária em função da família: a família nuclear, os clãs, as tribos e os reinos. E essa estruturação deve ter impacto na vida social, política e espiritual. Estas dimensões não se dissociam. A família nuclear não é composta de acordo com os mesmos critérios que a dos europeus. Ficou acima mencionada a ideia de que não existem filhos bastardos, nem primos; pelo que  a família nuclear vai para além da existência de uma mãe, um pai e os respetivos filhos. Há muito mais do que isso.

Em termos práticos, existe até a ideia de que, se um homem não for fértil, o assunto fica entre a família e a sua esposa pode ser fecundada por um outro homem da mesma família direta do seu marido ou não, desde que as crianças nascidas dessa mulher e no seu seio ou na comunidade na qual vive o referido homem, que não fecunda, faça parte. Existe até um dito para explicar o facto: “se nasceu no meu quintal, filho da casa é ou meu filhoé” e isso é um segredo guardado entre as famílias. Não se discute.

Com isto quero reiterar, primeiro, a relatividade em aceitar-se um filho ou irmão não consanguíneo, como irmão pleno e a importância de se ser pai ou mãe. A grande realização de um bantu é a de se casar e de ter filhos. Isso confere-lhe riqueza e poder. Nessa condição, a pessoa é muito bem aceite socialmente, dando-lhe o direito de participar na vida social, política e espiritual. Essa ideia da preservação da família vai ao ponto de que, em algumas sociedades, morrendo um dos esposos, deverá ser escolhido o irmão ou  irmã destes para, inicialmente em cerimónia própria, o sororatoou o liverato, desencadear-se um processo que terá como fim o facto de os intervenientes passarem a relacionar-se como um casal, podendo ter outros filhos que daí derivem e tendo a obrigação de cuidar dos filhos de ambos que já existam. Em primeira instância, o ritual serve para purificar a viúva ou o viúvo, mas tem também o propósito de manter o viúvo ou a viúva na mesma família e dar-se continuidade às responsabilidades que já existiam.

Realço um facto que desperta interesse, relacionado com a ideia da importância em se ser casado, para procriar e manter a família. É um exemplo muito antigo que aconteceu numa família que abordei quando estudava este assunto. Um dia um homem, já em idade de se casar, saiu da sua terra no interior do país e foi à capital, à grande cidade na qual ia trabalhar para juntar dinheiro para regressar à sua terra e casar. Sucede que, antes de partir,  já se tinha apresentado a uma família como alguém que pretendia desposar uma determinada menina daquela casa. Saiu, portanto, da terra, deixando uma noiva atrás. O curioso é que, quando regressou, o homem encontrou a noiva casada com um outro homem. Tendo questionado a família da sua noiva, recebeu a resposta e a autorização de se casar com a sua irmã mais nova e o facto consumou-se. Os laços familiares daquele homem continuaram unidos aos laços familiares da família da sua ex-noiva. O mais importante é que ele tivesse a quem desposar naquela família. Viveram juntos até a morte.

No que concerne a questões espirituais, por exemplo, a responsabilidade de encabeçar rituais religiosos cabe a um chefe de família, na maior parte das vezes um primogénito, mas nem sempre. Na sua ausência, em algumas comunidades, toma-lhe o lugar o indivíduo ao qual se tiver dado o nome do falecido, o xará, o seu homónimo – se assim o quisermos designar – após consultado o conselho de família. Em outras comunidades, o papel passa a ser exercido por um ancião escolhido. Mas não basta que seja apenas ancião, tem que ter tido filhos, família e um comportamento socialmente aceite.

A responsabilidade a ser desencadeada do ponto de vista espiritual tem a ver com a ligação entre a família e os antepassados, a invocação dos espíritos e o zelo pelo equilíbrio social, familiar e espiritual, ditando a moral e os costumes a serem seguidos. Nada acontece sem que seja consultado e é por isso que tem que ter demonstrado à sociedade que é pai, procriou. Se pode gerir a sua família nuclear, assume-se que tenha competências para gerir uma comunidade, um clã, uma tribo ou um reino, até mesmo um império.

 É em suma o que, neste momento se me afigura suficiente para explicar. Jesus Cristo, sendo estrangeiro para os povos bantus, é aceite como irmão, filho de Deus Pai, mas na CRB não Lhe é prestado culto. Por outro lado, as responsabilidades sociais, políticas e espirituais no seio deste povo, são atribuídas a pessoas que tenham tido filhos, por se assumir serem capazes de gerir uma família nuclear e por consequência, um clã, uma tribo, um reino ou um império.

 

Sara Jona Laísse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo, Moçambique) e membro do Graal (Movimento Internacional de Mulheres Cristãs) – Moçambique; saralaisse@yahoo.com.br

 

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco