Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

| 17 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

O bantu, que desconhece o Deus de Jesus Cristo, deseja apenas uma felicidade natural; a sua esperança termina numa comunhão vital comunitária, agora e depois da morte. Como sabe que pode adquirir esta felicidade com ajuda destes seres, a eles se dirige, neles confia e a eles teme. Não espera uma ordem nova de coisas […]. (Altuna, 2006: 422)

 

No meu último texto, deixei dois assuntos para conversas futuras e alguns dos que me leram pediram que os retomasse numa próxima oportunidade. O primeiro tinha a ver com a abordagem de Jesus Cristo na perspetiva bantu. O segundo, com a questão da fertilidade, aliada à atribuição de responsabilidade na CRB (Cultura e Religião Bantu).

A afirmação sobre Jesus Cristo surgiu na sequência de que esse povo aceitava a ideia da existência de um só Deus, em três pessoas: Pai, Filho e Espirito Santo. Entretanto, no referido texto mencionei o acesso a Deus, por via deste e por via do Espirito Santo, apontando similaridades entre a CRB e a TCA (Tradição Católica Apostólica), na forma como os recebem. Faltou menção ao Filho, daí a necessidade de retomar o assunto.

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso? A questão que se coloca é que, antes da evangelização portuguesa, já havia práticas religiosas entre os bantus e essa entidade não era “tida nem achada” no âmbito dos cultos e das orações dirigidas a Deus. Essa figura, sendo anteriormente desconhecida, é aceite, na medida em que o filho do pai de um bantu é irmão desse bantu. É uma questão filosófico-existencial.

Explico melhor. Na filosofia bantu, os filhos das madrastas são sempre irmãos e não se utiliza o conceito de meio-irmão, uma vez que filhos de fora do casamento não são considerados bastardos; até porque na maior parte das comunidades se pratica a poligamia. Também não existe a figura de primo. Os filhos de um tio, irmão do pai de alguém, são também irmãos, pois são filhos do um segundo pai. Uma vez pai, é pai para todos os filhos e sobrinhos. Existe a distinção de que há um pai biológico de uma pessoa, cujos irmãos desse pai funcionam como pais (embora não o sendo biologicamente e sendo, na conceção europeia, tio, irmão do pai). Virá daí a facilidade em aceitar Jesus Cristo, o filho de Deus, como irmão e isso não constitui problema algum. Ele é também um irmão. Mas a Ele não se presta culto, nem se pede intercessão junto a Deus, uma vez que esse papel cabe a pessoas escolhidas pela família, entre vivos e mortos.

A segunda questão tinha a ver com o facto de, entre os bantus, a fertilidade ser um assunto vital, de tal forma que só se dá responsabilidade de zelar por uma família ou outros deveres públicos sociais ou políticos a quem já tenha filhos.

Os bantus são pessoas que estruturam a sua vida comunitária em função da família: a família nuclear, os clãs, as tribos e os reinos. E essa estruturação deve ter impacto na vida social, política e espiritual. Estas dimensões não se dissociam. A família nuclear não é composta de acordo com os mesmos critérios que a dos europeus. Ficou acima mencionada a ideia de que não existem filhos bastardos, nem primos; pelo que  a família nuclear vai para além da existência de uma mãe, um pai e os respetivos filhos. Há muito mais do que isso.

Em termos práticos, existe até a ideia de que, se um homem não for fértil, o assunto fica entre a família e a sua esposa pode ser fecundada por um outro homem da mesma família direta do seu marido ou não, desde que as crianças nascidas dessa mulher e no seu seio ou na comunidade na qual vive o referido homem, que não fecunda, faça parte. Existe até um dito para explicar o facto: “se nasceu no meu quintal, filho da casa é ou meu filhoé” e isso é um segredo guardado entre as famílias. Não se discute.

Com isto quero reiterar, primeiro, a relatividade em aceitar-se um filho ou irmão não consanguíneo, como irmão pleno e a importância de se ser pai ou mãe. A grande realização de um bantu é a de se casar e de ter filhos. Isso confere-lhe riqueza e poder. Nessa condição, a pessoa é muito bem aceite socialmente, dando-lhe o direito de participar na vida social, política e espiritual. Essa ideia da preservação da família vai ao ponto de que, em algumas sociedades, morrendo um dos esposos, deverá ser escolhido o irmão ou  irmã destes para, inicialmente em cerimónia própria, o sororatoou o liverato, desencadear-se um processo que terá como fim o facto de os intervenientes passarem a relacionar-se como um casal, podendo ter outros filhos que daí derivem e tendo a obrigação de cuidar dos filhos de ambos que já existam. Em primeira instância, o ritual serve para purificar a viúva ou o viúvo, mas tem também o propósito de manter o viúvo ou a viúva na mesma família e dar-se continuidade às responsabilidades que já existiam.

Realço um facto que desperta interesse, relacionado com a ideia da importância em se ser casado, para procriar e manter a família. É um exemplo muito antigo que aconteceu numa família que abordei quando estudava este assunto. Um dia um homem, já em idade de se casar, saiu da sua terra no interior do país e foi à capital, à grande cidade na qual ia trabalhar para juntar dinheiro para regressar à sua terra e casar. Sucede que, antes de partir,  já se tinha apresentado a uma família como alguém que pretendia desposar uma determinada menina daquela casa. Saiu, portanto, da terra, deixando uma noiva atrás. O curioso é que, quando regressou, o homem encontrou a noiva casada com um outro homem. Tendo questionado a família da sua noiva, recebeu a resposta e a autorização de se casar com a sua irmã mais nova e o facto consumou-se. Os laços familiares daquele homem continuaram unidos aos laços familiares da família da sua ex-noiva. O mais importante é que ele tivesse a quem desposar naquela família. Viveram juntos até a morte.

No que concerne a questões espirituais, por exemplo, a responsabilidade de encabeçar rituais religiosos cabe a um chefe de família, na maior parte das vezes um primogénito, mas nem sempre. Na sua ausência, em algumas comunidades, toma-lhe o lugar o indivíduo ao qual se tiver dado o nome do falecido, o xará, o seu homónimo – se assim o quisermos designar – após consultado o conselho de família. Em outras comunidades, o papel passa a ser exercido por um ancião escolhido. Mas não basta que seja apenas ancião, tem que ter tido filhos, família e um comportamento socialmente aceite.

A responsabilidade a ser desencadeada do ponto de vista espiritual tem a ver com a ligação entre a família e os antepassados, a invocação dos espíritos e o zelo pelo equilíbrio social, familiar e espiritual, ditando a moral e os costumes a serem seguidos. Nada acontece sem que seja consultado e é por isso que tem que ter demonstrado à sociedade que é pai, procriou. Se pode gerir a sua família nuclear, assume-se que tenha competências para gerir uma comunidade, um clã, uma tribo ou um reino, até mesmo um império.

 É em suma o que, neste momento se me afigura suficiente para explicar. Jesus Cristo, sendo estrangeiro para os povos bantus, é aceite como irmão, filho de Deus Pai, mas na CRB não Lhe é prestado culto. Por outro lado, as responsabilidades sociais, políticas e espirituais no seio deste povo, são atribuídas a pessoas que tenham tido filhos, por se assumir serem capazes de gerir uma família nuclear e por consequência, um clã, uma tribo, um reino ou um império.

 

Sara Jona Laísse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo, Moçambique) e membro do Graal (Movimento Internacional de Mulheres Cristãs) – Moçambique; saralaisse@yahoo.com.br

 

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Coerência e comércio de armas

Quando se aproximam as eleições europeias, é particularmente oportuno refletir sobre aqueles valores em que assenta a União Europeia, em cuja génese está um propósito de construção de uma paz duradoura e de respeito pelos direitos humanos. A incoerência das políticas de governos europeus no que a tais valores diz respeito não pode deixar de contribuir para a descredibilização do projeto de unidade europeia, que hoje tão fragilizado está.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco