O som da liberdade

| 14 Jan 2024

Som da Liberdade. Filme. Crianças. Tráfico

“O horror da exploração sexual de crianças não é, para mim, por dever de ofício como juiz, uma novidade. São simplesmente irreproduzíveis, neste e em muitos outros contextos, as descrições de pornografia infantil que constam de processo judicias que já me passaram pelas mãos. Este filme também nos faz supor claramente esse horror, mas de forma decorosa e sensível e sem nunca o explorar morbidamente.” Fotografia retirada do trailer oficial do filme

 

Quem, como eu, não tenha muito tempo para ir ao cinema, ou para de outro modo ver filmes, vê-se forçado a escolher bem os filmes que vê, para que não seja desperdiçado esse seu precioso tempo. Já a várias pessoas tinha ouvido recomendar o filme O Som da Liberdade, inspirado em factos reais de combate ao tráfico para exploração sexual de crianças e adolescentes (a ação de Tim Ballard, que resgatou desse tráfico um grande número de crianças).  Depois de ver esse filme, só posso dizer que foi uma ótima escolha e que não posso deixar de, também eu, o recomendar.

Também já me tinha inteirado de todas as polémicas associadas a este filme; a tentativa, vinda de uma fação política, de o instrumentalizar para alimentar uma teoria da conspiração sobre a cumplicidade de políticos nesse tráfico e, vindos de uma fação política oposta a essa, o boicote e a oposição como reação à eventualidade desse aproveitamento; a recusa da sua distribuição pelas maiores empresas do ramo e a mobilização popular como reação a essa recusa que se tem traduzido num  êxito de bilheteira.

Mas o conteúdo, a mensagem e a qualidade do filme podem, e devem, ser apreciados sem preconceitos políticos e abstraindo dessas polémicas.

O horror da exploração sexual de crianças não é, para mim, por dever de ofício como juiz, uma novidade. São simplesmente irreproduzíveis, neste e em muitos outros contextos, as descrições de pornografia infantil que constam de processo judicias que já me passaram pelas mãos. Este filme também nos faz supor claramente esse horror, mas de forma decorosa e sensível e sem nunca o explorar morbidamente.

No meio desse horror, o filme retrata a beleza da inocência das crianças vítimas deste crime e a beleza dos laços que as ligam às suas famílias, de paternidade e de fraternidade. Descreve com forte carga emotiva a dor de pais e filhos, a dor da separação entre eles, simbolizada num quarto vazio. Reflete a dignidade dos pobres que são também essas vítimas.

Também com forte carga emotiva, apela a que cada pessoa, cada pai ou mãe, sinta cada uma dessas crianças como se fosse seu filho ou filha. E cada uma delas, como cada filho ou filha, é um bem precioso, único e irrepetível. Por causa de cada uma delas, que poderia ser nosso filho ou filha, vale a pena deixar o conforto de uma vida tranquila e até arriscar a vida, como faz o protagonista da história.

De um modo muito discreto, pode ser colhida uma inspiração cristã neste filme, que reflete a fé dos seus produtores e atores principais: numa alusão às severas palavras do Evangelho sobre o escândalo dos pequeninos, na referência à intervenção de Deus na conversão de um criminoso num momento de desespero, na frase que sintetiza a motivação do combate a este crime: «os filhos de Deus não estão à venda».

Não posso, porém, omitir uma advertência. Os métodos de ação policial narrados no filme não seriam admissíveis à luz da legislação processual penal portuguesa e de muitos outros países, pelo menos no que diz respeito ao aspeto seguinte. Assistimos a um exemplo nítido de ação do chamado “agente provocador”, isto é., o agente policial que oculta essa sua qualidade no contacto com os agentes do crime (até este ponto será considerado apenas “agente infiltrado”, o que ainda será admissível, em determinadas condições, na nossa e noutras legislações) e que, para além disso, chega a instigar esses agentes à própria prática do crime.

A ilegalidade desse método justifica-se porque a ação policial não deve utilizar métodos desleais. Ainda que movida pelos fins mais louváveis de combate à criminalidades grave, não deve servir-se de quaisquer tipo de meios que a possam de algum modo aproximar da deslealdade própria de uma atuação criminosa.

Penso que esta minha reserva não ensombra a mensagem central deste filme; a importância e urgência do combate a este crime, que, sem exagero, pode ser equiparado à escravatura. Numa altura em que muitos querem sublinhar os danos causados no passado pela escravatura, muitos também ignoram ou esquecem esta escravatura bem atual. No final do filme afirma-se até que o número de vítimas atuais desta forma de escravatura excede o das vítimas da escravatura no passado, quando ela era legal.

E recorda-se o poder que têm os “contadores de histórias” para despertar as consciências, como sucedeu com o célebre livro A Cabana do Pai Tomás e a influência que teve como contributo para a abolição da escravatura nos Estados Unidos. É algo de semelhante que pretende este filme, no que se refere ao combate ao crime de tráfico para exploração sexual de crianças e adolescentes. Oxalá possa ter algum êxito nesse sentido, para além dos êxitos de bilheteira.

Filme: Som da Liberdade
Actores: Jim Caviezel, Mira Sorvino, Bill Camp
Realizador: Alejandro Gomez Monteverde
País: México, Estados Unidos da América
Ano:  2023
Biografia, Drama; 131 min

NR: Ver no 7MARGENS o texto de Maria Angélica Martins

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica. 

 

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This