Papa escreveu aos Arautos para que eles aceitem a investigação do Vaticano às acusações contra a organização

| 4 Fev 20

Em causa, estão acusações de abusos sexuais sobre menores, alienação parental, abusos de consciência e de poder, prática de exorcismos irregulares, culto fanático ao fundador e recolha de donativos sem autorização do bispo diocesano.

Celebração na Semana Santa de 2010, na Igreja de San Benedetto in Piscinula, em Roma, entregue aos Arautos. Foto © Knight746/Wikimedia Commons

 

O Papa Francisco escreveu uma carta ao presidente dos Arautos do Evangelho, instando-os a aceitar a intervenção da Santa Sé naquela instituição, depois de o cardeal Raymundo Damasceno ter sido nomeado comissário pontifício, em nome da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica (CIVCSVA).

De acordo com uma notícia da revista espanhola Vida Nueva, Francisco enviou a carta em meados de Janeiro, dirigida a Felipe Eugenio Lecaros Concha. Nela, faz saber que apoia a intervenção da CIVCSVA em todos os ramos dos Arautos, acrescenta a Vida Nueva.

A Congregação para a Vida Consagrada teve, neste caso, delegação de competências do dicastério para os Leigos e esta foi a razão para que os Arautos não reconhecessem a autoridade do cardeal brasileiro. O decreto da nomeação do cardeal brasileiro, recorda ainda a revista, falava dos Arautos como uma associação pública de fiéis quando, na realidade, são uma associação internacional de fiéis de direito pontifício, aprovada em 2001 pela Santa Sé.

O erro formal foi depois corrigido pelo Vaticano, que recordava ter sido a nomeação do cardeal aprovada directamente pelo Papa que, com esta carta, vem confirmar não só a nomeação como o seu apoio a Damasceno e aos seus assistentes. O cardeal brasileiro começou o seu trabalho pelos dois ramos das sociedades de vida apostólica dos Arautos – o Virgo Flos Carmeli, masculino, e o Regina Virginum, feminino. Com a carta do Papa, Damasceno pode intervir também na associação internacional – caso isso não acontecesse, os seus membros incorreriam em clara desobediência ao Papa.

Notados em cerimónias litúrgicas pelas vestes em tons de castanho e botas altas, os Arautos estão desde 25 de setembro último sob a autoridade do cardeal Damasceno, arcebispo emérito de Aparecida (Brasil), mas já desde 2017 que o Vaticano vem investigando a instituição: há acusações de supostos delitos e irregularidades que teriam lugar no seu interior.

De acordo ainda com a Vida Nueva, estão na lista possíveis casos de abusos sexuais sobre menores, alienação parental, abusos de consciência e de poder, prática de exorcismos irregulares, culto fanático ao fundador e recolha de donativos sem autorização do bispo diocesano.

As acusações atingem, pelo menos indirectamente, o fundador da instituição, o padre brasileiro João Scognamiglio Clá Dias, nascido a 15 de Agosto de 1939. Durante quatro décadas, João Clá Dias integrou a Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), fundada por Plínio Corrêa de Oliveira, como se recorda na página digital dos Arautos em português.

A TFP foi um dos movimentos que mais protagonizou a luta contra qualquer deriva de esquerda política no Brasil, alargando a sua acção a vários outros países.

“Quarenta anos de convívio fazem de Mons. João Sconamiglio Clá Dias, EP, a mais autorizada testemunha sobre a vida, a actuação, as virtudes e o pensamento de Plínio Corrêa de Oliveira”, lê-se na página, num anúncio da colecção de cinco volumes escritos por João Clá sobre o fundador da TFP.

“Observador atento e sistemático das acções de seu mestre, Mons. João oferece uma aula de teologia viva, personificada num varão virtuoso e providencial”, acrescenta o texto, sobre a obra, curiosamente publicada pela Libreria Editrice Vaticana e pelos Arautos.

Imagem da página dos Arautos na internet, com o anúncio do livro do fundador sobre Plínio Corrêa de Oliveira, seu “mestre”.

 

A instituição tem negado desde o início as acusações, mas outros antigos membros dos Arautos que terão sofrido vários daqueles delitos, ainda segundo a VN, acusam a Santa Sé e a Justiça brasileira de não darem informação sobre o andamento das investigações.

Sob investigação do Vaticano, recorda a Vida Nueva, estão documentos como o manual Usos e Costumes, sobre a vida quotidiana dos membros e das crianças que estudam nos seus colégios. O manual chegará ao ponto de explicar como se deve rezar ou fazer o sinal da cruz, ou pormenores como dobrar um guardanapo, lavar as mãos ou lavar os dentes.

O manual inclui ainda inúmeras citações do fundador e de Corrêa de Oliveira e pretende, “glorificar a Deus por meio da beleza de cada uma das acções” do dia-a-dia, de modo a cuidar “o cerimonial, a compostura e a disciplina”.

A Vida Nueva entrevistou ainda José Miguel Cuevas, professor de Psicologia Social na Universidade de Málaga, especialista em em abuso psicológico e fenómeno sectário. Cuevas identifica várias práticas descritas por denunciantes como “claramente compatíveis com dinâmicas sectárias” – e que são explicadas com minúcia no texto referido – e que incluem o isolamento familiar e social dos membros da associação.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco