Papa escreveu aos Arautos para que eles aceitem a investigação do Vaticano às acusações contra a organização

| 4 Fev 20

Em causa, estão acusações de abusos sexuais sobre menores, alienação parental, abusos de consciência e de poder, prática de exorcismos irregulares, culto fanático ao fundador e recolha de donativos sem autorização do bispo diocesano.

Celebração na Semana Santa de 2010, na Igreja de San Benedetto in Piscinula, em Roma, entregue aos Arautos. Foto © Knight746/Wikimedia Commons

 

O Papa Francisco escreveu uma carta ao presidente dos Arautos do Evangelho, instando-os a aceitar a intervenção da Santa Sé naquela instituição, depois de o cardeal Raymundo Damasceno ter sido nomeado comissário pontifício, em nome da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica (CIVCSVA).

De acordo com uma notícia da revista espanhola Vida Nueva, Francisco enviou a carta em meados de Janeiro, dirigida a Felipe Eugenio Lecaros Concha. Nela, faz saber que apoia a intervenção da CIVCSVA em todos os ramos dos Arautos, acrescenta a Vida Nueva.

A Congregação para a Vida Consagrada teve, neste caso, delegação de competências do dicastério para os Leigos e esta foi a razão para que os Arautos não reconhecessem a autoridade do cardeal brasileiro. O decreto da nomeação do cardeal brasileiro, recorda ainda a revista, falava dos Arautos como uma associação pública de fiéis quando, na realidade, são uma associação internacional de fiéis de direito pontifício, aprovada em 2001 pela Santa Sé.

O erro formal foi depois corrigido pelo Vaticano, que recordava ter sido a nomeação do cardeal aprovada directamente pelo Papa que, com esta carta, vem confirmar não só a nomeação como o seu apoio a Damasceno e aos seus assistentes. O cardeal brasileiro começou o seu trabalho pelos dois ramos das sociedades de vida apostólica dos Arautos – o Virgo Flos Carmeli, masculino, e o Regina Virginum, feminino. Com a carta do Papa, Damasceno pode intervir também na associação internacional – caso isso não acontecesse, os seus membros incorreriam em clara desobediência ao Papa.

Notados em cerimónias litúrgicas pelas vestes em tons de castanho e botas altas, os Arautos estão desde 25 de setembro último sob a autoridade do cardeal Damasceno, arcebispo emérito de Aparecida (Brasil), mas já desde 2017 que o Vaticano vem investigando a instituição: há acusações de supostos delitos e irregularidades que teriam lugar no seu interior.

De acordo ainda com a Vida Nueva, estão na lista possíveis casos de abusos sexuais sobre menores, alienação parental, abusos de consciência e de poder, prática de exorcismos irregulares, culto fanático ao fundador e recolha de donativos sem autorização do bispo diocesano.

As acusações atingem, pelo menos indirectamente, o fundador da instituição, o padre brasileiro João Scognamiglio Clá Dias, nascido a 15 de Agosto de 1939. Durante quatro décadas, João Clá Dias integrou a Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), fundada por Plínio Corrêa de Oliveira, como se recorda na página digital dos Arautos em português.

A TFP foi um dos movimentos que mais protagonizou a luta contra qualquer deriva de esquerda política no Brasil, alargando a sua acção a vários outros países.

“Quarenta anos de convívio fazem de Mons. João Sconamiglio Clá Dias, EP, a mais autorizada testemunha sobre a vida, a actuação, as virtudes e o pensamento de Plínio Corrêa de Oliveira”, lê-se na página, num anúncio da colecção de cinco volumes escritos por João Clá sobre o fundador da TFP.

“Observador atento e sistemático das acções de seu mestre, Mons. João oferece uma aula de teologia viva, personificada num varão virtuoso e providencial”, acrescenta o texto, sobre a obra, curiosamente publicada pela Libreria Editrice Vaticana e pelos Arautos.

Imagem da página dos Arautos na internet, com o anúncio do livro do fundador sobre Plínio Corrêa de Oliveira, seu “mestre”.

 

A instituição tem negado desde o início as acusações, mas outros antigos membros dos Arautos que terão sofrido vários daqueles delitos, ainda segundo a VN, acusam a Santa Sé e a Justiça brasileira de não darem informação sobre o andamento das investigações.

Sob investigação do Vaticano, recorda a Vida Nueva, estão documentos como o manual Usos e Costumes, sobre a vida quotidiana dos membros e das crianças que estudam nos seus colégios. O manual chegará ao ponto de explicar como se deve rezar ou fazer o sinal da cruz, ou pormenores como dobrar um guardanapo, lavar as mãos ou lavar os dentes.

O manual inclui ainda inúmeras citações do fundador e de Corrêa de Oliveira e pretende, “glorificar a Deus por meio da beleza de cada uma das acções” do dia-a-dia, de modo a cuidar “o cerimonial, a compostura e a disciplina”.

A Vida Nueva entrevistou ainda José Miguel Cuevas, professor de Psicologia Social na Universidade de Málaga, especialista em em abuso psicológico e fenómeno sectário. Cuevas identifica várias práticas descritas por denunciantes como “claramente compatíveis com dinâmicas sectárias” – e que são explicadas com minúcia no texto referido – e que incluem o isolamento familiar e social dos membros da associação.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais novidade

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco