Taizé: lugar para ser

| 7 Set 21

Taizé. Foto © Marta Marques

Paz. É o que sentimos em Taizé.

O espírito de grupo, as orações e até as refeições revelam a verdadeira essência deste lugar.

Lugar que é mais que lugar: é templo, é família, é casa. 

Chega a alcançar a condição de ser vivo, que se modifica, evolui, mas que, felizmente, se mantém ligado à sua natureza de paz. 

A um ano de constante subida e descida, corrida e paragem brusca, pressa e velocidade, segue-se uma semana em que apenas é pedido ser. Tão simples na sua execução, mas tão complexo na sua essência.

Uma semana que, por ser tão simples, passa a correr. Quase com a velocidade do ano anterior, mas com a grande diferença de nela se estar em equilíbrio absoluto com o mundo e com os outros. 

São raros os lugares que proporcionam esta sensação. A emoção que se sente quando se está junto ao altar, a intimidade, todo o ambiente que envolve, cuida e estima foca o contraste com os sentimentos primordiais que se têm no resto do ano: cansaço, desânimo, revolta para alguns. Revolta para com o mundo que sabe o preço e não o valor, o número e não a coisa; que vende e não dá, que mente e não acredita. 

Taizé muda isso. Apaga os fogos dentro de nós, amaina as chuvas, controla as tempestades e dá-nos tempo. Acima de tudo, dá-nos tempo, nem que seja para refletir e para viajar não fora, mas dentro. 

Assim é Taizé: hospital do espírito, cura da alma, a estrela que brilha no alto, templo que acolhe, ser que se ergue na vida. 

Em Taizé todos se atrevem a sonhar com a melhoria do mundo. 


Marta Marques é albicastrense e trabalha na
Universidade de Southampton (Inglaterra); faz voluntariado há vários anos e está envolvida em projetos educativos intergeracionais com várias instituições. 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This