Editorial 7M

Ucrânia: Só o diálogo e a democracia nos podem salvar da tragédia da guerra

e | 23 Fev 2023

Um ano depois, o balanço é terrível: na Ucrânia morreram milhares de pessoas (ucranianas e russas), muitas delas depois de barbaramente torturadas, cidades e aldeias inteiras foram arrasadas, hospitais e creches, escolas, teatros e igrejas bombardeados. Tudo isto por causa da insanidade e da desumanidade de um homem – que, se assim o quisesse, poderia acabar com a guerra neste instante mesmo. Tudo isto também, diga-se, com os cristãos a ficar mal na fotografia: o apoio antievangélico da liderança da Igreja Ortodoxa Russa ao esforço de guerra contradiz em absoluto a mensagem do cristianismo.

Do lado de cá, a posição de ajudar a Ucrânia a defender-se tem levado também a um aumento do esforço e da lógica militar: falando apenas dos Estados Unidos, já foram gastos cerca de 27 mil milhões de euros em ajuda militar ao país invadido, e há promessas de fazer esse valor crescer mais ainda. Se a isto somarmos o dinheiro gasto pela União Europeia e pela OTAN/NATO, e se a tudo isso acrescentarmos todo o dinheiro gasto em todos os conflitos bélicos que grassam no mundo, teremos a dimensão da tragédia em que vivemos, da absurda inversão de valores que aceitamos: na semana passada, a ONU pediu 5,2 mil milhões de dólares para ajuda humanitária para este ano – ou seja, cerca de 20% do dinheiro gasto apenas pelos EUA com o apoio militar à Ucrânia.

Temos solução? A guerra só terminará com uma de duas maneiras: o agressor ou o agredido é arrasado; ou ambos se sentam à mesa da diplomacia e das negociações para resolver o conflito – que, repita-se, foi decidido pelo Presidente russo, que não quis resolver as divergências com a Ucrânia e o Ocidente na mesa de conversa. A única alternativa a estas é a utilização do nuclear, o que constituiria uma tragédia ainda mais inimaginável. Então, se sabemos que a única saída viável será a negociação diplomática, mais vale que ela se concretize mais cedo do que mais tarde. Poupar-se-ão vidas, muitas vidas, e também as casas, os hospitais, as escolas, os teatros, as igrejas e muitos outros bens.

A Ucrânia tem direito (e o dever) a defender-se, repita-se ainda. Mas onde nos levará este caminho insano, no qual crescem ameaças veladas de utilização de armamento nuclear? O caminho que Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia têm escolhido (também através da OTAN) no sentido de dar cada vez mais armamento à Ucrânia é cheio de riscos. Há meses, a voz lúcida de Edgar Morin dizia que “a Europa faz bem em apoiar a resistência ucraniana, em apoiá-la financeiramente e até militarmente”, mas “deveria ao mesmo tempo empenhar-se numa solução de mediação”.  E numa lúcida entrevista recente, que merece bem a pena ser lida, o pensador francês, que completa 102 anos em Julho, propõe caminhos de diálogo possível, como “possibilidades de um compromisso, necessário em qualquer guerra em que não haja vencedores nem vencidos”: reconhecer a especificidade da cultura russófona do Donbass ou criar zonas livres e desmilitarizadas no leste da Ucrânia e na Crimeia, por exemplo. Pode acrescentar-se que o facto de o cristianismo russo ter “nascido” em Kyiv, com o baptismo do príncipe Vladimir, pesa também na cultura e na ortodoxia russa, pois para esta o “berço” do cristianismo russo está em Kyiv, na Ucrânia.

É nessa falta de consideração da complexidade e na ausência de propostas claras e assertivas de mediação que a União Europeia e os nossos governos têm falhado. Agora iremos dar tanques à Ucrânia, a seguir daremos caças porque será disso que a defesa do país precisa, e depois… E é precisamente a essa lógica destrutiva e militarista, que apenas convém aos fabricantes de armas (sejam eles russos, norte-americanos ou outros), que é necessário e urgente pôr fim, como têm alertado António Guterres e o Papa Francisco – as únicas vozes que, no meio da tragédia, se têm feito ouvir a pedir diálogo e não morte; fizeram-no esta semana mais uma vez.

Outro dado importante é que os relatos da imprensa internacional asseguram que a opinião pública russa está maioritariamente com Putin e que os efeitos das sanções, ao contrário do que nos prometiam, é muito reduzido. Por isso, só sentando Putin à mesa do diálogo pode fazer-nos sair desta quadratura do círculo. Caberá depois aos russos livrar-se do autocrata e do seu regime corrupto. Só o diálogo e a democracia, percebemo-lo mais uma vez, nos podem salvar da tragédia da guerra.

 

P.S. – A partir de agora, o 7MARGENS passará a utilizar a grafia ucraniana para designar a capital do país: Kyiv. É um gesto simbólico, mas é um gesto com significado.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This