Uma árabe nascida em Israel é a nova presidente dos Focolares

| 2 Fev 2021

Margaret Kerram, Focolares

Margaret Kerram, a nova presidente dos Focolares: trabalhar pela unidade. Foto: Direitos reservados.

 

Margaret Karram, 58 anos, árabe nascida em Haifa (Norte de Israel), católica e licenciada em Judaísmo pela Universidade Hebraica de Los Ángeles (Estados Unidos), é a nova presidente do Movimiento dos Focolares. Karram foi eleita no domingo, 31 de Janeiro, na assembleia geral que decorre numa plataforma virtual, e o seu nome foi ratificado na segunda-feira pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, como estabelecem os estatutos dos focolares.

Com mais de dois terços dos 359 votos dos participantes da assembleia, Margaret foi eleita para um mandato de seis anos, como estabelecem as normas internas do movimento. Sucede a Maria Voce, que esteve 12 anos no cargo, depois da morte da fundadora, Chiara Lubich.

Na sua primeira declaração após a eleição, que pode ser escutada no vídeo a seguir, Margaret Kerram afirmou: “O que tenho no coração para estes próximos seis anos é poder viver sempre cada vez mais a herança que Chiara [Lubich, a fundadora dos focolares] deixou: ‘Sejam uma família’, no verdadeiro sentido da palavra, porque só assim poderemos realizar aquele objectivo específico que é a unidade.”

As regras do movimento também estabelecem que a sua responsável máxima deve ser uma mulher, consagrada através de votos perpétuos, de forma a representar “a grande variedade religiosa, cultural, social e geográfica daqueles que aderem à espiritualidade dos Focolares nos 182 países onde o Movimento está presente e que se reconhecem na mensagem de fraternidade que a fundadora, Chiara Lubich, tirou do Evangelho”, diz uma declaração do movimento, citada na revista italiana semanal Famiglia Cristiana.

“O principal compromisso da presidente é construir pontes e ser porta-voz da mensagem central da espiritualidade dos Focolares, pronta a praticá-la e a difundi-la, mesmo à custa da sua própria vida”, diz um comunicado da organização, citado pela mesma fonte.

A personalidade e o percurso de Karram têm muito a ver com a dimensão mundial e inter-religiosa dos Focolares: falante de árabe, hebraico, italiano e inglês, a nova presidente dos Focolares já teve responsabilidade em estruturas do movimento em Los Angeles e em Jerusalém, colaborou em comissões e organizações para a promoção do diálogo entre cristãos, judeus e muçulmanos, como a Comissão Episcopal para o Diálogo Inter-religioso ou o Conselho de Coordenação Inter-religioso de Israel.

Durante 14 anos, de acordo com a mesma fonte, Margaret Kerram trabalhou no Consulado Geral de Itália em Jerusalém e desde 2014 que está no centro internacional do movimento, como conselheira para a Itália e Albânia e co-responsável pelo Diálogo entre Movimentos Eclesiais e Novas Comunidades Católicas.

Kerram recebeu, em 2013, o Prémio Monte Sião para a reconciliação, juntamente com a investigadora judia Yisca Harani, pelo seu empenho no diálogo entre diferentes culturas e religiões. Em 2016, foi também distinguida com o Prémio Internacional Santa Rita, por fomentar o diálogo entre cristãos, judeus, muçulmanos, israelitas e palestinianos, a partir da sua própria vida quotidiana.

Esta terceira assembleia do movimento após a morte de Chiara Lubich, adianta a Vida Nueva, estava para ser realizada me Setembro, mas teve de ser adiada por causa da pandemia.

 

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum novidade

Está um dia de sol. O caminho pelo jardim é sempre um bom começo. Apresso o passo pois sei que estou atrasada. O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This