A Presidência portuguesa da União Europeia começou na bicicleta de Robert Schuman

| 5 Jan 21

Robert Muller, ONU

Robert Muller em 1982, quando era assistente do Secretário-geral da ONU para os Assuntos Sociais e Económicos, numa entrevista ao programa World Chronicle, das Nações Unidas.

 

Nesta terça-feira, 5 de Janeiro de 2021, um concerto em Lisboa assinala formalmente o início da Presidência Portuguesa da União Europeia. Com esse pretexto, o 7MARGENS recupera aqui uma entrevista a Robert Muller (1923-2010), que foi companheiro e conterrâneo de Jean Monnet e Robert Schuman, dois dos “pais fundadores” da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, embrião da actual UE.

Nesta entrevista, Muller conta como a ideia que Schuman foi alimentando, no sentido de acabar com as fronteiras entre europeus, foi forjada também por pequenas questões quotidianas, como a impossibilidade de circular de bicicleta. Quem já esteve na zona de fronteira entre a França, a Alemanha e o Luxemburgo, sabe que as mesmas estradas cruzam os três países no espaço de poucos metros. Por isso, o jovem Schuman começou a sonhar com uma Europa onde não fosse necessário ter de ser controlado nas fronteiras para passear de bicicleta.

Em 1992, Robert Muller, de passagem por Portugal, era desde 1989 o chanceler da Universidade para a Paz, das Nações Unidas, tendo trabalhado nas instituições da organização praticamente desde a fundação da ONU. Tal como o seu amigo de infância, era também um homem dedicado à causa da paz entre povos e países.

Definindo-se como idealista maquiavélico, alguém que usa todos os meios para alcançar o ideal, Robert Muller conta como, na II Guerra Mundial, viu companheiros da Resistência a morrer, levando-o a jurar lutar pela paz pela vida fora “e até depois da morte”. Quer mais autoridade para a ONU, tomando como modelo a União Europeia.

Na sua passagem por Portugal, Muller participou no congresso internacional “Fátima e a Paz” (cujas actas estão publicadas). E defendia que era chegado o momento de rever todo o sistema das Nações Unidas ou, pelo menos, dotar a organização de mais autoridade em relação a problemas vitais para o planeta. Para lá dos detalhes datados, qualquer semelhança da reflexão com a actualidade não é pura coincidência.

Jean Monet e Robert Schuman

Jean Monet e Robert Schuman: este último “foi empurrado para a via política por amigos que lhe disseram: Você tem a responsabilidade de construir a unidade da Europa”. Foto: Direitos reservados

 

P. — O professor Muller foi um dos que insistiu com Robert Schuman na ideia da Europa unida. Considera-se um dos pais dessa ideia? 

ROBERT MULLER — O que se passou é que, depois da [II] Guerra Mundial, muitos alsacia-lorenos começaram a dizer: “Já fomos vítimas de tantas guerras entre a França e a Alemanha, isso deve acabar, é preciso reconciliar os dois países”. Robert Schuman foi empurrado para a via política por amigos meus que lhe disseram: “Você tem a responsabilidade de construir a unidade da Europa”. E ele aceitou o desafio.

Eu também saí desse grupo, e assumi como tarefa tentar reconciliar todas as nações, no seio das Nações Unidas. Parti para a ONU, passei lá 40 anos e devo dizer que estou surpreendido por termos evitado mais guerras e, sobretudo, uma guerra mundial. Depois de 1945, não tivemos nenhuma guerra mundial, o que foi extraordinário, numa situação em que ela poderia eclodir cada três meses.

 

P. — Mas o caminho para a unidade europeia não se ficou pela interpelação a Schuman. Recorda outros episódios?

R.M. — Lembro-me de uma pequena história, muito interessante. Jean Monnet sonhava com a reconciliação da França e da Alemanha e dizia que a única maneira de o fazer seria provando aos franceses e aos alemães que podiam trabalhar em conjunto em qualquer coisa de concreto.

Então, elaborou o plano da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço [CECA]. A Lorena tinha o minério de ferro e o Uhr, na Alemanha, tinha o carvão para fazer o coque com o qual se faria o aço. Esta Comunidade foi o início do processo que levaria à Comunidade Económica, agora também política — e deveria chegar mesmo à comunidade europeia espiritual, para preencher um outro sonho de Schuman.

Monnet chegou com esse plano ao escritório de Shuman e disse-lhe: “Vocês, os lorenos, que sofreram com as guerras entre a França e a Alemanha, têm de apoiar este plano, ao qual chamaremos Plano Schuman”.

 

P. — O plano acabou mesmo por ser concretizado…

R.M. — Sim. Mas Robert Schuman contou-me um dia, quando foi às Nações Unidas, a Nova Iorque, que, durante muito tempo teve esse plano na mesa sem saber o que fazer.

Acordou um dia a recordar-se que, quando era pequeno, cada vez que pegava na sua bicicleta, encontrava uma fronteira — ele vivia no norte da Lorena, onde se juntam as fronteiras da Alemanha, da França e também do Luxemburgo. E ele jurou, ainda criança, que se alguma vez tivesse ocasião de suprimir as fronteiras, o faria.

Foi a recordação desse episódio, disse-me ele, que o fez ir ao seu escritório e assinar o plano, sem ler mais nada. Veja lá como, às vezes, um grande plano do mundo pode depender do sonho de uma criança, do qual nos lembramos quando somos mais velhos.

O projecto da União Europeia deveria chegar “mesmo à comunidade espiritual, para preencher um outro sonho de Schuman”. Foto © João Catarino Campos, cedida pelo autor.

 

P. — As suas propostas falam, agora, não só de uma Europa unida, mas de um governo único do mundo. Crê que isso é possível?

R.M. — O que eu peço é que, agora, uma vez terminada a Guerra Fria, os melhores espíritos e os governos se debrucem sobre o problema de como administrar melhor o mundo. Hoje, o que existe é um caos, cada país é soberano, cada um pode fazer o que lhe apetece. Ora, o planeta precisa de ser tratado e a humanidade deve ser considerada como uma só família humana.

O sistema de governo que temos hoje — legislativo, executivo e judicial — foi invenção de Montesquieu, há três séculos. Hoje, com cidades de vinte milhões de habitantes num país, regiões biológicas que se estendem por três ou quatro nações, ou grandes rios que colocam problemas entre vários países, talvez seja preciso mudar para qualquer outra coisa.

 

P. — Que caminhos concretos propõe?

R.M. — O primeiro passo é construir regiões económicas como se fez na Europa. Este movimento é já um progresso, mas é preciso integrar isso no quadro mundial. Caso contrário, em lugar de 175 governos soberanos, teremos cinco ou dez comunidades, também soberanas, com problemas entre elas.

 

P. — Mas esse não era o horizonte para o qual as Nações Unidas deveriam tender? 

R.M. — Não, as Nações Unidas foram concebidas como o contrário de um governo mundial, não têm nenhuma autoridade, como sabe. O Conselho de Segurança tem uma pequena autoridade, mas que, mesmo essa, sempre foi quebrada pelo veto: há cinco países que podem dizer não e, quando isso acontece, não se passa nada de nada.

 

P. — Então propõe que a ONU dê um passo em frente e tome nas mãos a administração do planeta? 

R.M. — Não exactamente. O primeiro passo é poder reflectir na transformação das Nações Unidas numa comunidade mundial. Se não se quer fazer isso, peguemos na ONU tal como existe e tentemos melhorá-la para poder gerir o mundo, através de conferências mundiais com poderes de decisão e de uma mudança do Conselho de Segurança — fazendo entrar outros países, que se tornaram importantes – , limitando ou mesmo suprimindo o direito de veto.

 

P. — Acha que os países actualmente com direito de veto vão aceitar? 

R.M. — Mas isso não é razão para não o exigir. É preciso encostá-los à parede. Senão, eles continuarão a ser responsáveis do caos. A partir do momento em que se crie um verdadeiro governo mundial, com uma autoridade federal e uma descentralização que vá até ao município e ao indivíduo, podem colocar-se em comum recursos antes impensáveis. A Europa, por exemplo, já ultrapassou os Estados Unidos porque tem mais recursos comuns.

Desmatamento no rio da Saudade, na Amazónia: “O segundo grande problema é o ambiente. O planeta está a sofrer e, daqui a 40 ou 100 anos, poderá tornar-se inabitável.” Foto © Gérard Moss/Projecto Brasil das Águas-Simpósio Religião, Ciência, Ambiente

 

P. — Quais são os problemas “vitais” que deveriam ser entregues à autoridade das Nações Unidas? 

R.M. — Para começar, uma aceleração do desarmamento, que já se está a fazer por todo o lado: começa a desmilitarização — na Nicarágua, houve uma redução de 94 mil para 27 mil militares, no Panamá acabou de se votar uma resolução para suprimir o exército, como já fez a Costa Rica; uma terceira década do desarmamento foi decidida pelas Nações Unidas; o Fundo Monetário Internacional e o Japão oferecem ajuda aos países que reduzirem o armamento; e os russos e americanos já começaram mesmo a destruir armas atómicas.

O segundo grande problema é o ambiente. O planeta está a sofrer e, daqui a 40 ou 100 anos, poderá tornar-se inabitável. A realização da Conferência do Rio [em 1992] confirma esta grande preocupação das Nações Unidas.

Depois, há que acelerar os esforços para reduzir o problema da superpopulação, especialmente nos países em vias de desenvolvimento. Éramos 2,5 mil milhões em 1951. Somos, agora, 5,5 mil milhões, seremos 6,1 mil milhões no ano 2000, e a população apenas parará nos 11 mil milhões, entre os anos 2100 e 2200.

O último desafio é ajudar os países pobres a ser menos miseráveis, pedindo também aos países ricos que vivam de um modo menos esbanjador. Damos uma má imagem aos povos pobres, porque eles admiram o Ocidente e, em lugar de beber sumos de fruta, querem coca-cola. Os países pobres podem ser mortos pelos países ricos, se continuarmos a vender o nosso género de vida como modelo.

 

P. — Com todas essas ideias, o senhor aponta para um mundo quase ideal. Como é que se define a si mesmo: utópico, visionário, optimista? 

R.M. — Um idealista maquiavélico. Quer dizer: ter uma visão, um ideal, mas trabalhando de um modo maquiavélico para chegar a ele, utilizando a palavra, os escritos, a acção quotidiana, escrevendo a chefes de Estado, dando ideias. Sobretudo dar ideias, multiplicar as ideias e trabalhar pela paz nas pequenas coisas do dia e nas grandes coisas do mundo.

Sabe? Durante a guerra, vi jovens mortos — eu estava na Resistência francesa — e um dia havia quinze jovens à minha frente, mortos, depois de eu lhes ter prometido que os salvaria. Jurei a essa gente que consagraria a minha vida à paz. E estou contente por o fazer. Faço-o agora, durante a minha reforma na Costa Rica e espero mesmo fazê-lo depois da minha morte, se isso for possível.

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

O poder no feminino, nas histórias de seis portuguesas negras

O programa Poder no Feminino, que estreia às 19h30 deste domingo, 10 de Janeiro, na RTP África, dará voz a seis mulheres de ascendência africana, portuguesas ou que residem em Portugal, que fizeram o seu percurso profissional na academia, nos negócios, na política, no jornalismo, na psicologia, em Portugal e no mundo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Papa Francisco e Bento XVI vacinados, e em breve toda a população do Vaticano

A primeira dose da vacina contra a covid-19 já foi administrada ao Papa Francisco e ao emérito Bento XVI, confirmou esta quarta-feira o porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. Depois de terem chegado ao Vaticano, no início desta semana, dez mil doses da vacina fabricada pela Pfizer, dentro de poucos dias todos os 4.730 residentes, trabalhadores e religiosos afetos ao pequeno estado estarão imunizados. O Vaticano será assim o primeiro estado do mundo a ter toda a sua população vacinada.

Bispos portugueses determinam suspensão de batismos, crismas e matrimónios

Apesar de as orientações governamentais para o novo período de confinamento permitirem a celebração de cerimónias religiosas com a presença física de fiéis, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou esta quinta-feira, 14 de janeiro, que deverão ser “suspensas ou adiadas para momento mais oportuno” as celebrações de batismos, crismas e matrimónios.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This