Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: “Como é que eu ainda sou católico?”

| 2 Jul 2022

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Depois de ter divulgado os testemunhos de um homem que se dirigia ao seu abusador, e de uma mulher que, quando contou a história a um bispo, sentiu que não acreditavam nela, este terceiro testemunho é de um homem de 46 anos, que diz que não lhe custa dar este depoimento. “Violento foi o que aconteceu. Falar disto é como ensopar uma esponja que limpa e absorve a porcaria e pelo menos melhora sempre a superfície.” O título é da responsabilidade do 7MARGENS.

abusos sexuais menores foto dr

 

Sou um homem adulto de 46 anos. Escrevo este texto, que é pequeno, apenas para contar em resumo o que me aconteceu e também porque desde já peço a todos que passaram pelo mesmo que não tenham medo, que falem e que assim se ajudem a si próprios e a outros que, quem sabe, passaram ou podem vir a passar pelo mesmo.

Serei breve: falar disto custa, pois preencher um inquérito é mais fácil. Mas ambas as situações são mesmo muito melhor do que olhar alguém nos olhos e descrever tudo quanto passei, isso tenho dificuldade a 100%. Folhas e folhas e folhas não chegavam para tal. Bebi um Martini antes de começar. Tenho aqui ao lado outro para o final, desculpem-me no detalhe e não façam o mesmo. Aproveito agora, pois não está aqui ninguém em casa. Estou eu apenas e a memória desse homem nojento que, desculpem a minha linguagem profissional, de vez em quando ainda me boicota os circuitos. Ele já morreu, grande estupor, mas tristemente tenho a memória dele em mim e essa não morre. Acreditem, isto não se cura mesmo. É um fusível que às vezes está off, outras vezes dispara e está em on. Lixado, acreditem…

Sou engenheiro de profissão. Considero-me uma pessoa normal. Casado e com dois filhos, agora os dois na mudança para a adolescência. Se alguém me vir na rua nunca dirá assim: “Olha, ali vai outro gajo que foi abusado por um padre!” Mas isso pouco importa, o meu drama são os meus pensamentos desde que aquilo aconteceu e mais tarde – e essa é que me custa admitir – voltou ainda a acontecer outra vez. Não posso estar com mais rodriguinhos, pediram-me se aceitava dar um depoimento curto ou se isso era violento para mim. Não é, pois que violento foi o que aconteceu. Falar disto é como ensopar uma esponja que limpa e absorve a porcaria e pelo menos melhora sempre a superfície.

Vou direto lá. Eu tinha 12 anos, acho que quase 13. Andava numa escola católica em Lisboa. Adorava e ainda a adoro, ótimas recordações. Magoei-me uma vez no recreio e mandaram-me ir à enfermaria onde havia um padre que fazia missão de enfermeiro. Era preciso despir-me da cintura para baixo, pareceu-me super natural, estava ali a ferida por baixo, mas não tardou muito.

Agora vou ser rápido porque quero esquecer. Lembro-me das mãos dele a entrarem nas minhas boxers. Ele a tocar-me e a fazer movimentos ali para me excitar e eu quieto de medo. Só sentia frio e a boca toda seca. Pôs-me em ereção e dizia que era muito grande para a idade. Quis saber se eu sabia que tocar ali era pecado, mas como estava frio ali estaria sempre bom para nos aquecermos, disse em plural. Depois terminou. Conseguiu de mim o que se calhar ele queria, uma ejaculação minha e a vergonha de eu sair dali todo sujo, o cheiro a notar-se imenso, não fui mais às aulas nesse dia. Ele limpou as mãos com o álcool.

Eu? Eu só queria era esconder-me, fugir, estava a morrer de vergonha. Iam notar em casa que tinha sujado a minha roupa interior, o meu irmão mais velho ia de certeza chatear e gozar-me, então lavei a sozinho, o que foi muito pior porque a minha Mãe achou estranho. Mais tarde, tudo se repetiu outra vez. Como foi possível, como, caramba? Entre o sangue e a dor da ferida e o medo de que tudo se repetisse, ainda tive fé. Mas enganei-me. Era católico quando tudo isto aconteceu e a grande pergunta que ainda faço a mim mesmo e para a qual fico sempre com a boca seca e sem qualquer tipo de resposta para ela, é a seguinte: como é que eu ainda sou católico? Fé em quem? Porquê?

Porque dei o meu testemunho? É fácil de perceber. Porque quero que outros o façam também? Nem vou responder, deixo à vossa consciência e é claro. Só uma pista: eu também pensei muitos anos, muitos anos, que fui o único. Juro-vos, é inacreditável. Era mesmo infantil, como foi possível?

Obrigado por me ouvirem e por favor, isso não, não fiquem com pena de mim. Segui em frente, não apaguei, mas segui e por favor a vocês todos que também podem ter sido vítimas, por favor, sigam com as vossas vidas em diante.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This