Eles escreveram ao Papa e Francisco irá lavar-lhes os pés

| 18 Abr 19 | Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas, Vaticano/Santa Sé

O lava-pés, segundo o artista alemão Sieger Köder, numa ilustração reproduzida de http://www.jovenesdehonianos.org/lavatoriopieskoder.html

Nesta Quinta-Feira Santa, 18 de abril, o Papa Francisco irá lavar os pés a doze detidos do centro prisional de Velletri, cidade italiana localizada a cerca de 60 quilómetros de Roma. Como sucede desde o início do seu pontificado, em 2013, a escolha de Francisco para a celebração da Ceia do Senhor e do Lava-Pés deste ano tem um propósito. Esta celebração da liturgia católica evoca não só a despedida de Jesus antes de morrer como também repete o gesto que, segundo o relato bíblico, Jesus fez aos seus discípulos, levando-lhes os pés como sinal de disponibilidade e de serviço – a mesma atitude que o Papa quer demonstrar em relação a um dos grupos mais abandonados da sociedade.

Em 2016, os presos daquela cadeia escreveram ao Papa, através do bispo Marcelo Semeraro. Francisco respondeu-lhes, manifestando a vontade de ir fazer a celebração desta Quinta-Feira Santa à prisão, dizendo que sempre que pode tem gosto em “levar“ o carinho e proximidade aos que vivem “privados de liberdade”.

Nos seis anos de pontificado, o Papa celebrou sempre estes ritos de Quinta-Feira Santa numa prisão ou em centros de acolhimento. No ano passado, esteve na prisão de Regina Coeli, onde lembrou que “toda a pena deve ser aberta à esperança”. Depois de já ter incluído mulheres e muçulmanos entre o grupo de pessoas a quem lavou os pés, em 2018 também incluiu, entre os doze presos, ortodoxos, muçulmanos e um budista.

Em 2016, ano dos ataques bombistas no aeroporto e no metro de Bruxelas, o Papa esteve no centro de acolhimento de Castelnuovo di Porto, cerca de 30 quilómetros a norte do Vaticano, onde são acolhidos sobretudo jovens que fugiram das suas terras. Na ocasião aproveitou para criticar severamente os fabricantes de armas que estão por detrás de guerras e atentados e que apenas “querem sangue, não paz, querem guerra, não fraternidade”. Nesse ano, o Papa eliminou também de modo formal a cláusula litúrgica do rito da Igreja Católica que obrigava a que, no rito de Quinta-Feira Santa o lava-pés fosse apenas feito a homens.

 

Meditações da Via Sacra sobre o tráfico de pessoas

Em 2013, dias depois de ter sido eleito, o Papa foi ao Instituto Penal para Menores de Casal del Marmo, nos subúrbios da capital italiana, e, pela primeira vez, incluiu no gesto duas mulheres, uma das quais muçulmana

Nessa ocasião, o Papa explicou às dezenas de jovens de inúmeras nacionalidades ali presentes o significado do gesto na liturgia católica, dizendo que quem está nos lugares de mais responsabilidade “tem obrigação de servir os outros”.

Nesta Quinta-Feira Santa, o Papa estará com os reclusos antes da celebração, cujo início está previsto para as 16h30 (15h30 em Lisboa).   

Na Sexta-Feira Santa, a tradicional Via Sacra do Coliseu, com a participação do Papa, terá textos preparados pela irmã Eugenia Bonetti, das Missionárias da Consolata e presidente da Asociação “Slaves no more”. De acordo com uma curta nota da Sala de Imprensa do Vaticano, divulgada no início de abril, o tema central das meditações será o sofrimento de muitas pessoas que são vítimas do tráfico de seres humanos

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco