Eles escreveram ao Papa e Francisco irá lavar-lhes os pés

| 18 Abr 19

O lava-pés, segundo o artista alemão Sieger Köder, numa ilustração reproduzida de http://www.jovenesdehonianos.org/lavatoriopieskoder.html

Nesta Quinta-Feira Santa, 18 de abril, o Papa Francisco irá lavar os pés a doze detidos do centro prisional de Velletri, cidade italiana localizada a cerca de 60 quilómetros de Roma. Como sucede desde o início do seu pontificado, em 2013, a escolha de Francisco para a celebração da Ceia do Senhor e do Lava-Pés deste ano tem um propósito. Esta celebração da liturgia católica evoca não só a despedida de Jesus antes de morrer como também repete o gesto que, segundo o relato bíblico, Jesus fez aos seus discípulos, levando-lhes os pés como sinal de disponibilidade e de serviço – a mesma atitude que o Papa quer demonstrar em relação a um dos grupos mais abandonados da sociedade.

Em 2016, os presos daquela cadeia escreveram ao Papa, através do bispo Marcelo Semeraro. Francisco respondeu-lhes, manifestando a vontade de ir fazer a celebração desta Quinta-Feira Santa à prisão, dizendo que sempre que pode tem gosto em “levar“ o carinho e proximidade aos que vivem “privados de liberdade”.

Nos seis anos de pontificado, o Papa celebrou sempre estes ritos de Quinta-Feira Santa numa prisão ou em centros de acolhimento. No ano passado, esteve na prisão de Regina Coeli, onde lembrou que “toda a pena deve ser aberta à esperança”. Depois de já ter incluído mulheres e muçulmanos entre o grupo de pessoas a quem lavou os pés, em 2018 também incluiu, entre os doze presos, ortodoxos, muçulmanos e um budista.

Em 2016, ano dos ataques bombistas no aeroporto e no metro de Bruxelas, o Papa esteve no centro de acolhimento de Castelnuovo di Porto, cerca de 30 quilómetros a norte do Vaticano, onde são acolhidos sobretudo jovens que fugiram das suas terras. Na ocasião aproveitou para criticar severamente os fabricantes de armas que estão por detrás de guerras e atentados e que apenas “querem sangue, não paz, querem guerra, não fraternidade”. Nesse ano, o Papa eliminou também de modo formal a cláusula litúrgica do rito da Igreja Católica que obrigava a que, no rito de Quinta-Feira Santa o lava-pés fosse apenas feito a homens.

 

Meditações da Via Sacra sobre o tráfico de pessoas

Em 2013, dias depois de ter sido eleito, o Papa foi ao Instituto Penal para Menores de Casal del Marmo, nos subúrbios da capital italiana, e, pela primeira vez, incluiu no gesto duas mulheres, uma das quais muçulmana

Nessa ocasião, o Papa explicou às dezenas de jovens de inúmeras nacionalidades ali presentes o significado do gesto na liturgia católica, dizendo que quem está nos lugares de mais responsabilidade “tem obrigação de servir os outros”.

Nesta Quinta-Feira Santa, o Papa estará com os reclusos antes da celebração, cujo início está previsto para as 16h30 (15h30 em Lisboa).   

Na Sexta-Feira Santa, a tradicional Via Sacra do Coliseu, com a participação do Papa, terá textos preparados pela irmã Eugenia Bonetti, das Missionárias da Consolata e presidente da Asociação “Slaves no more”. De acordo com uma curta nota da Sala de Imprensa do Vaticano, divulgada no início de abril, o tema central das meditações será o sofrimento de muitas pessoas que são vítimas do tráfico de seres humanos

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Uma história do universalismo cristão

The Devil’s Redemption: A New History and Interpretation of Christian Universalism (Baker Academic, 2018) foi classificado em 2018 pelo The Gospel Coalition, uma organização de Igrejas Evangélicas de tendência Reformada, como o Livro de Teologia do ano.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco