José Mattoso, prémio Árvore da Vida: Reforma católica deve conciliar pluralidade com necessária unidade

| 2 Jun 19 | Destaque 2, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Pessoas, Pessoas - homepage, Últimas

 

José Mattoso, dia 1 de Junho, em Fátima, com o prémio Árvore da Vida. Foto © Rui Martins/SNPC

 

A Igreja Católica está a atravessar hoje uma época de reformas e, tal como no século XV, a procurar “conciliar a pluralidade das iniciativas e experiências, com a necessária firmeza e unidade”, disse o historiador José Mattoso, ao receber em Fátima neste sábado, 1 de Junho, o Prémio Árvore da Vida Padre Manuel Antunes, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Igreja Católica.

Nos séculos XIX e XX, afirmou o autor de Identificação de Um País, “a Igreja teve de se defender de violentos ataques racionalistas”. E explicou: “Em Portugal acusaram-na de inventar milagres, de manter rituais supersticiosos, de alienar povos ignorantes. A Igreja reagiu adoptando uma apologia retórica, e refugiou-se à sombra do poder constituído. Enfraquecida pela perda dos seus bens e pela debilidade do seu pensamento racional, perdeu o sentido da criatividade cultural.”

A situação hoje é diferente: “Graças à reflexão teológica, à crítica exegética e ao verdadeiro conhecimento do passado, [a Igreja Católica] recuperou o seu lugar no mundo da ciência e da razão. A história crítica da Igreja ajuda-a a reconhecer os seus erros, a explicar as suas decisões, a interpretar indícios significativos da sua acção, a descobrir afinidades com correntes alheias, a reconstituir estruturas globais, a descobrir novidades inesperadas.”

Na sua intervenção, o historiador fez um percurso em três etapas, começando por evocar o pare Manuel Antunes, que dá nome ao prémio Árvore da Vida como “uma das personalidades que em Portugal mais contribuíram para dissipar a agressividade anti-clerical” existente na época “e restituir à Igreja um lugar importante na promoção da cultura”. A obra de Manuel Antunes (publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian), acrescentou, “permanece ainda hoje como um marco fundamental na história da cultura portuguesa”. O jesuíta, que leccionou na Faculdade de Letras e dirigiu a revista Brotéria  “foi, efectivamente, um criador de cultura, na mais vasta acepção do termo”, afirmou Mattoso, e “merece bem ser modelo da promoção da cultura cristã em todos os seus domínios.”

O historiador evocou depois os outros anteriores laureados do prémio Árvore da Vida, condensando-os através de um nome, o do actor e encenador Luís Miguel Cintra, a quem o ligam laços de amizade: “Cada qual com a sua personalidade, todos eles souberam conciliar a inspiração artística ou a competência científica com o vigor da acção social. Este conjunto é bem diferente do que dominou uma época, felizmente já passada, em que a opinião pública corrente contestava a legitimidade de uma fé racional.”

Neste contexto, José Mattoso referiu o papel da historiografia e a sua relação com modelos de Igreja: “Nas controvérsias dos séculos XIX e XX esqueceram-se muitas vezes dados importantes sem os quais não é possível descobrir o sentido dos factos históricos, e cometeu-se frequentemente o erro de projectar sobre o passado ideias e doutrinas de épocas recentes. A historiografia nacionalista considerou o fim da Idade Média europeia como uma época de crise e generalizou sumariamente a decadência das suas instituições e a corrupção do clero.”

Do lado da Igreja a reacação também não foi a melhor: “A narrativa eclesiástica do século XIX não soube reconhecer a potencialidade de alguns ensaios inovadores surgidos nessa mesma época. Hoje, porém, sabemos que o fracasso de vários movimentos reformistas legítimos se deve mais ao excesso de zelo e à rigidez das formulações dogmáticas tridentinas do que a efectivos desvios doutrinais. A obsessão uniformizadora do catolicismo quinhentista e seiscentista persistiu durante os séculos seguintes, e levou, por exemplo, a proibir a leitura de Erasmo, a condenar Copérnico, criar a Inquisição, a legitimar a tortura, a fazer abortar os primeiros ensaios do Liberalismo Católico.”

Se a história crítica que entretanto se faz “não isenta a Cúria Romana nem muitos outros membros da hierarquia católica das suas responsabilidades na ruptura da unidade eclesial”, também em Portugal se neutralizaram ou enfraqueceram “as potencialidades dos movimentos religiosos e assistenciais do século XV, tão importantes”, acredita José Mattoso, “para compreender o vigor e o dinamismo da acção e do pensamento religioso do período mais brilhante da nossa História, a época da Expansão e dos primeiros contactos de Portugal com as culturas não europeias”.

O historiador citou ainda vários nomes que têm procurado corrigir esses erros do passado: José Pedro Paiva, da Universidade de Coimbra, e José Adriano Freitas de Carvalho (Porto), para a época moderna; António Matos Ferreira e Paulo Fontes, da Universidade Católica, sobre a época contemporânea; o Centro de Estudos de História Religiosa, no âmbito do qual o bispo Carlos Azevedo coordenou a História Religiosa de Portugal e o Dicionário de História Religiosa de Portugal e, no âmbito do Instituto de História Medieval da Universidade Nova, onde José Mattoso também contribuiu com vários estudos sore a época medieval, e cujo legado confiou a um pequeno grupo de jovens investigadores liderados por João Luís Inglês Fontes.

“Creio que só um pluralismo de raiz evangélica, fruto da Palavra única de Jesus Cristo, pode conciliar a imensidade e a multiplicidade das suas incarnações, no tempo e no espaço, com a unidade de Deus Pai, uno e trino, Senhor do Céu e da Terra”, resumiu o historiador na sua intervenção, que também pode ser vista e ouvida aqui.

José Mattoso, num ds momentos da entrevista concedida à Ecclesia, Renascença e SNPC. Foto © Rui Martins/SNPC

 

A propósito do Prémio Árvore da Vida, José Mattoso concedeu uma entrevista conjunta à agência Ecclesia, Rádio Renascença e Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da qual se podem ler e ouvir alguns excertos: a cultura e a poesia são caminhos para Deus, diz o historiador, que sempre se sentiu “nas mãos de Deus” e que confessa também ter ficado surpreendido com a atribuição do galardão.

Na sua crónica no Expresso, o arcebispo e bibliotecário do Vaticano escreve sobre “Um abraço a José Mattoso”, dizendo que considera o historiador “uma das figuras mais extraordinárias da nossa contemporaneidade” e revela que entre os seus livros que mais aprecia está A escrita da história. Teoria e Métodos: “Os historiadores poderão lê-lo certamente como uma instigadora visão da história. Mas os poetas que o lerem vão também colher uma preciosa iniciação à poesia. Os que desejam sobretudo modalidades práticas para organizar o conhecimento acharão muitos dados relevantíssimos. Porém, isso será válido também para quantos sentem dentro de si o apelo da contemplação.”

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco