José Mattoso, prémio Árvore da Vida: Reforma católica deve conciliar pluralidade com necessária unidade

| 2 Jun 19

 

José Mattoso, dia 1 de Junho, em Fátima, com o prémio Árvore da Vida. Foto © Rui Martins/SNPC

 

A Igreja Católica está a atravessar hoje uma época de reformas e, tal como no século XV, a procurar “conciliar a pluralidade das iniciativas e experiências, com a necessária firmeza e unidade”, disse o historiador José Mattoso, ao receber em Fátima neste sábado, 1 de Junho, o Prémio Árvore da Vida Padre Manuel Antunes, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Igreja Católica.

Nos séculos XIX e XX, afirmou o autor de Identificação de Um País, “a Igreja teve de se defender de violentos ataques racionalistas”. E explicou: “Em Portugal acusaram-na de inventar milagres, de manter rituais supersticiosos, de alienar povos ignorantes. A Igreja reagiu adoptando uma apologia retórica, e refugiou-se à sombra do poder constituído. Enfraquecida pela perda dos seus bens e pela debilidade do seu pensamento racional, perdeu o sentido da criatividade cultural.”

A situação hoje é diferente: “Graças à reflexão teológica, à crítica exegética e ao verdadeiro conhecimento do passado, [a Igreja Católica] recuperou o seu lugar no mundo da ciência e da razão. A história crítica da Igreja ajuda-a a reconhecer os seus erros, a explicar as suas decisões, a interpretar indícios significativos da sua acção, a descobrir afinidades com correntes alheias, a reconstituir estruturas globais, a descobrir novidades inesperadas.”

Na sua intervenção, o historiador fez um percurso em três etapas, começando por evocar o pare Manuel Antunes, que dá nome ao prémio Árvore da Vida como “uma das personalidades que em Portugal mais contribuíram para dissipar a agressividade anti-clerical” existente na época “e restituir à Igreja um lugar importante na promoção da cultura”. A obra de Manuel Antunes (publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian), acrescentou, “permanece ainda hoje como um marco fundamental na história da cultura portuguesa”. O jesuíta, que leccionou na Faculdade de Letras e dirigiu a revista Brotéria  “foi, efectivamente, um criador de cultura, na mais vasta acepção do termo”, afirmou Mattoso, e “merece bem ser modelo da promoção da cultura cristã em todos os seus domínios.”

O historiador evocou depois os outros anteriores laureados do prémio Árvore da Vida, condensando-os através de um nome, o do actor e encenador Luís Miguel Cintra, a quem o ligam laços de amizade: “Cada qual com a sua personalidade, todos eles souberam conciliar a inspiração artística ou a competência científica com o vigor da acção social. Este conjunto é bem diferente do que dominou uma época, felizmente já passada, em que a opinião pública corrente contestava a legitimidade de uma fé racional.”

Neste contexto, José Mattoso referiu o papel da historiografia e a sua relação com modelos de Igreja: “Nas controvérsias dos séculos XIX e XX esqueceram-se muitas vezes dados importantes sem os quais não é possível descobrir o sentido dos factos históricos, e cometeu-se frequentemente o erro de projectar sobre o passado ideias e doutrinas de épocas recentes. A historiografia nacionalista considerou o fim da Idade Média europeia como uma época de crise e generalizou sumariamente a decadência das suas instituições e a corrupção do clero.”

Do lado da Igreja a reacação também não foi a melhor: “A narrativa eclesiástica do século XIX não soube reconhecer a potencialidade de alguns ensaios inovadores surgidos nessa mesma época. Hoje, porém, sabemos que o fracasso de vários movimentos reformistas legítimos se deve mais ao excesso de zelo e à rigidez das formulações dogmáticas tridentinas do que a efectivos desvios doutrinais. A obsessão uniformizadora do catolicismo quinhentista e seiscentista persistiu durante os séculos seguintes, e levou, por exemplo, a proibir a leitura de Erasmo, a condenar Copérnico, criar a Inquisição, a legitimar a tortura, a fazer abortar os primeiros ensaios do Liberalismo Católico.”

Se a história crítica que entretanto se faz “não isenta a Cúria Romana nem muitos outros membros da hierarquia católica das suas responsabilidades na ruptura da unidade eclesial”, também em Portugal se neutralizaram ou enfraqueceram “as potencialidades dos movimentos religiosos e assistenciais do século XV, tão importantes”, acredita José Mattoso, “para compreender o vigor e o dinamismo da acção e do pensamento religioso do período mais brilhante da nossa História, a época da Expansão e dos primeiros contactos de Portugal com as culturas não europeias”.

O historiador citou ainda vários nomes que têm procurado corrigir esses erros do passado: José Pedro Paiva, da Universidade de Coimbra, e José Adriano Freitas de Carvalho (Porto), para a época moderna; António Matos Ferreira e Paulo Fontes, da Universidade Católica, sobre a época contemporânea; o Centro de Estudos de História Religiosa, no âmbito do qual o bispo Carlos Azevedo coordenou a História Religiosa de Portugal e o Dicionário de História Religiosa de Portugal e, no âmbito do Instituto de História Medieval da Universidade Nova, onde José Mattoso também contribuiu com vários estudos sore a época medieval, e cujo legado confiou a um pequeno grupo de jovens investigadores liderados por João Luís Inglês Fontes.

“Creio que só um pluralismo de raiz evangélica, fruto da Palavra única de Jesus Cristo, pode conciliar a imensidade e a multiplicidade das suas incarnações, no tempo e no espaço, com a unidade de Deus Pai, uno e trino, Senhor do Céu e da Terra”, resumiu o historiador na sua intervenção, que também pode ser vista e ouvida aqui.

José Mattoso, num ds momentos da entrevista concedida à Ecclesia, Renascença e SNPC. Foto © Rui Martins/SNPC

 

A propósito do Prémio Árvore da Vida, José Mattoso concedeu uma entrevista conjunta à agência Ecclesia, Rádio Renascença e Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da qual se podem ler e ouvir alguns excertos: a cultura e a poesia são caminhos para Deus, diz o historiador, que sempre se sentiu “nas mãos de Deus” e que confessa também ter ficado surpreendido com a atribuição do galardão.

Na sua crónica no Expresso, o arcebispo e bibliotecário do Vaticano escreve sobre “Um abraço a José Mattoso”, dizendo que considera o historiador “uma das figuras mais extraordinárias da nossa contemporaneidade” e revela que entre os seus livros que mais aprecia está A escrita da história. Teoria e Métodos: “Os historiadores poderão lê-lo certamente como uma instigadora visão da história. Mas os poetas que o lerem vão também colher uma preciosa iniciação à poesia. Os que desejam sobretudo modalidades práticas para organizar o conhecimento acharão muitos dados relevantíssimos. Porém, isso será válido também para quantos sentem dentro de si o apelo da contemplação.”

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco