Simples e profundo

| 10 Ago 2023

O Papa esteve sempre muito próximo dos jovens durante a JMJ. Foto Sebastião Rôxo / JMJ Lisboa 2023

O Papa esteve sempre muito próximo dos jovens durante a JMJ. Foto Sebastião Rôxo / JMJ Lisboa 2023

 

No momento em que escrevo este texto o avião onde segue o Papa Francisco [de regresso de Lisboa a Roma] encontra-se em território espanhol, a sobrevoar Madrid. Digo-o apenas para que fique datado ou, talvez melhor, enquadrado no tempo com alguma exatidão.

Não tenho a menor pretensão de fazer uma reflexão profunda, de redizer ou reescrever em redundância o que já foi dito e escrito. Outros muito mais competentes do que eu para isso já o fizeram.

Além de mais é preciso arrefecer, mas também é preciso deixar fluir, ainda a quente, o produto imediato do entusiasmo que se quer consequente.

O Papa Francisco faz como ninguém isso que é comunicar de forma aparentemente leve o que de mais profundo e fundamental é preciso propor ao mundo. Tem, de facto, esta coragem de ser simples e enorme a tocar o coração de todos, com exceção daqueles que, permito-me dizê-lo, falam de Deus sem amor e em rota de combate, de forma guerreira e belicista.

A sua comunicação não verbal é também algo tão verdadeiro, humano, franco e terno que corrobora as suas palavras e até a sua espontaneidade e coragem de improvisar para chegar melhor a todos e a cada um que tem por diante.

Alguma fragilidade física, própria da idade e do desgaste pela vida, em nada atenuaram a sua juventude, a que D. Manuel Clemente se referiu. As forças não lhe faltaram para um programa tão intenso e tão denso que me levou a pensar, confesso-o humildemente, que seria um imprudente exagero. Isso, graças a Deus, não se verificou.

Desvio agora um pouco este texto para comentar que, em 2007, fiz uma viagem longa, por paragens algo inóspitas, durante a qual, aos serões, algumas conversas surgiram entre os envolvidos. Éramos muito poucos os portugueses e falava-se de quase tudo, das vidas, das escolhas de cada um, das profissões, das perspetivas, de filosofia, de música, de religião… Nela percebi, de forma consciente, talvez pela primeira vez, que a alegria é um verdadeiro testemunho do amor de Deus, da Sua presença constante nas nossas vidas; percebi que pessoas boas (não católicas) julgavam que “os católicos eram uns tristes”; percebi que, quando esses mesmos encontram alguém que lhes mostra com naturalidade e autenticidade que se pode ser católico e ser alegre, ficam com vontade de descobrir Deus. Um desses, pouco tempo depois de terminar essa jornada, enviou uma mensagem que dizia: “O meu pai morreu. Já que eu ainda não sei rezar, conto com as suas orações.”

Seis anos depois disto, surgiu, pela mão do Papa Francisco, no início do seu pontificado, a exortação apostólica Evangelii Gaudium dirigida ao clero, consagrados, leigos, sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. E que bom que foi lê-la. Que bom que foi reconhecer nela a validação de uma busca de ser, de um caminho percorrido.

Apetece realmente citar muitos e muitos pedaços daquela, como apetece transcrever períodos inteiros das suas encíclicas, mas a única hipótese é fazer um convite à leitura. Gostava mesmo que, sobretudo os jovens que estão sob o entusiasmo desta Jornada Mundial da Juventude, a perpetuassem com ações e com profundidade, nomeadamente através da leitura do que realmente importa. Não se enganem, pois estes textos são alguns dos que mais contam.

O ano passado comentei, na 44ª Semana Bíblica, que temos de assumir que o mundo ocidental desenvolvido se transformou, em parte, num terceiro mundo no que diz respeito ao modo como cuida da própria humanidade.

Agora que a JMJ Lisboa 2023 chegou ao fim, em cima do acontecimento, julgo poder afirmar, assim o sinto, que o Santo Padre nos incitou e deixou uma síntese de condimentos para podermos, em contracorrente, desfazer esta tendência – sonhar; não ter medo; abrir as portas para todos, todos, todos; ter cuidado com os egoísmos disfarçados de amor; não esquecer a alegria como missionária; sublinhar que o único momento em que é lícito olhar uma pessoa de cima para baixo é para a ajudar a levantar-se; …

Desde há pelo menos quatro anos que falo da necessidade de se ser autêntico, não apenas no sentido de que cada pessoa é única; mas de que deve ter a coragem da verdade, da discrição, da não promoção do seu ego, do não desejo de supremacia narcísica e da entrega do seu caminho de vida ao serviço do bem comum; da coragem de se ser em relação e não em intermediação pelas redes sociais que, usadas de forma abusiva, fabricam personagens inexistentes e promovem o desempenho de papeis de faz de conta de ser.

Se, depois de tanto esforço de tantos, não ficarmos com a determinação de nos tornarmos consequentes na vida concreta que se faz em cada dia que passa, então seremos irresponsáveis e imaturos no uso deste gigante legado que o Papa Francisco nos deixou, justamente em Lisboa, “casa da fraternidade e cidade dos sonhos”, como chamou a este lugar que ocupamos e nos é dado dignificar.

Termino este curto texto quando o avião do Santo Padre está a sobrevoar a Sardenha.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia. Contacto: m.cordo@conforsaumen.com.pt

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This