Uma renovação a precisar de novos impulsos

| 23 Mai 2022

Encontro anual de movimentos de leigos e associações. Foto © Dicastério Família, Leigos e Vida

Encontro anual de movimentos de leigos e associações. Foto © Dicastério Família, Leigos e Vida

 

A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como vivia esta sua profunda convicção.

É este o objectivo fundamental, no meu entender, do Sínodo em curso na Igreja Católica. Experienciar a alegria e a riqueza do viver em comunhão, do caminhar juntos, do partilhar o que de bom se realiza e faz história, do clamor pelo que nos afasta de tão belos passos. E a sentirmo-nos movidos não apenas pela amizade humana nem pela urgência das respostas a dar, mas pelo Espírito que renova a face da terra e bate às portas da Igreja (Apocalipse 3, 20). Movidos a sermos pessoas virtuosas e a praticarmos o discernimento como parte essencial do ser e agir em Igreja.

Acompanhei como conselheiro espiritual a reflexão e partilha que uma equipa de casais realizou ao longo de várias reuniões. A verificação feita e o acesso a dados de vários grupos e movimentos, bem como a comentários de órgãos de comunicação, designadamente o 7MARGENS e a Ecclesia, alargaram o meu horizonte e servem de base a este meu modo de ver e apreciar a caminhada sinodal.

As sínteses das dioceses e outras instituições foram-me chegando a conta gotas e dão-me novo alento para prosseguir com atenção a “Igreja em saída” que procura ser fiel ao seu ser original, a sinodalidade. Acho estas sínteses muito ricas, com grande força germinal para novos impulsos, mais ritmados com as vozes do tempo que vivemos. Por isso, julgo deficiente o seu aproveitamento pastoral e redutor a sua mais-valia, limitando o âmbito do seu conhecimento a alguns círculos e remetendo o acervo restante para os arquivos das cúrias episcopais. [ver 7MARGENS]

Ouvirmo-nos uns aos outros, acolher e oferecer o que é nosso, faz-nos perceber que a Igreja não é, apenas, o bispo e o padre, “a Igreja és tu, somos nós juntos, onde Ele se faz indubitavelmente presente, como fez com os discípulos de Emaús (Lucas 21, 13), como faz com todos os que o procuram, juntos, de coração sincero… O eco das vozes do povo de Deus permanece como farol nos que se dispuseram a segui-lo, tão diversas e ao mesmo tempo harmoniosas que não podemos esquecê-las. Fica connosco, Senhor, não deixes que anoiteça”. Esta é a valoração de Dina Matos Ferreira, coordenadora local da dinâmica sinodal na paróquia católica de São Francisco Xavier, em Lisboa.

Valoração que integro na minha ressonância à dinâmica, frouxa em tantos lados, de renovação eclesial. A necessitar de novos impulsos.

 

Georgino Rocha é padre católico da diocese de Aveiro e desempenhou já o cargo de vigário diocesano da pastoral.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This