Folhas Caídas: A simplicidade profética do cinema

| 1 Fev 2024

Folhas Caídas. Filme

“Apesar de ser, verdadeiramente, uma belíssima história de descoberta do amor e da sua dificuldade, depois daquele inesperado encontro de olhares no bar de karaoke, que leva Holappa e Ansa a pensarem que a vida ainda não lhes tinha revelado tudo, Folhas Caídas é também uma denúncia dos ‘tempos modernos’ que vivemos e que, afinal, não melhoraram a vida das pessoas.” Foto retirada do Trailer do filme.

 

“Não há mil maneiras de o dizer: ‘Folhas Caídas’ é o grande cinema, a grande arte, o grande filme indignado que nos enche os corações de ânimo e de esperança nestes anos 20 cinzentões que estamos a atravessar.” (Francisco Ferreira, Expresso-Revista, 11.01.2024)

Parece-me que estas palavras poderão ser uma boa forma de tentar seduzir espectadores para este filme, o quarto filme de uma ‘Trilogia dos Losers’, segundo brincadeira do próprio realizador finlandês, Aki Kaurismäki. (cf. ípsilon, Público, 12 Janeiro 2024)

Folhas Caídas é um filme breve (“Acho que as pessoas gostam, especialmente os críticos, porque é um filme curto, dura 81 minutos… fartos que estão de filmes de três horas”, ípsilon), com poucas palavras, mas uma intensidade de imagens e de olhares encantatória, que mostra uma estranha história de amor entre um metalúrgico alcoólico (cuja vida se resume a trabalhar, beber e dormir) e uma mulher que precisa de trabalhar e trabalha no que for preciso (começamos por encontrá-la empregada num supermercado, depois a lavar loiça num bar e ainda operária numa fundição). Ambos são pessoas solitárias, ambos sentem o peso da solidão e ambos sofrem a precariedade dos seus empregos e experimentam o desemprego. E ambos, mais ele do que ela, vão levar tempo a sair de si mesmos para se entregarem ao outro e perceberem como podem ser importantes um para o outro. É esta viagem de descoberta interior, “através da quietude dos planos, da imobilidade dos corpos, dos gestos muito essenciais” (ípsilon) que podemos acompanhar, com uma vontade enorme de entrar no filme, fazer parte daquelas vidas e ajudá-los a tomar a decisão. Parecem sempre tão desamparados. E, no entanto, não são pessoas angustiadas: “São pessoas que têm de trabalhar, não são preguiçosas, mas não penso que pertençam à working class no sentido político. Não me parece que pertençam a um sindicato… não é um filme sobre pessoas com consciência social… É um filme sobre proletários, sim.” (ípsilon)

São, pelo contrário, pessoas de uma simplicidade desarmante, justas, de uma grande verdade e serena tranquilidade, de uma profunda dignidade, apesar das suas fragilidades e das injustiças da sociedade, que o realizador filma ‘à mais justa distância… com a honradez de um olhar, uma pureza intacta’ (Expresso-Revista) – como se pintasse ou escrevesse poesia.

Apesar de ser, verdadeiramente, uma belíssima história de descoberta do amor e da sua dificuldade, depois daquele inesperado encontro de olhares no bar de karaoke, que leva Holappa e Ansa a pensarem que a vida ainda não lhes tinha revelado tudo (“Que sentimento estranho é esse que sente? Tem de tomar uma decisão: manter o seu mundo solitário, a sua vida simples, os seus hábitos alcoólicos, ou ser capaz de se abrir ao amor e mudar a sua vida? O amor pode ser aterrador, porque traz sempre o medo de se perder o amor.” ípsilon), Folhas Caídas é também uma denúncia dos ‘tempos modernos’ que vivemos e que, afinal, não melhoraram a vida das pessoas. “Ficamos até com a prova de que hoje, nesta Europa em que há quem ouça na rádio o relato da Guerra da Ucrânia, o mundo do trabalho só piorou e que já se despede por dá cá aquela palha.” (Expresso-Revista)

Continua a haver ‘muita carne para canhão’, como sugere logo o início do filme. Por isso, Aki Kaurismäki diz com graça que ’não gosta dos tempos modernos, a não ser os do Chaplin’. E, no filme, de maneira mais ou menos ‘subtil’, podemos ver uma pequena estátua de Chaplin na mesa-de-cabeceira de Ansa, uma cadela chamada Chaplin e um final ‘à Chaplin’. Tudo isto e muito mais, como só um bom poema é capaz de sugerir. Apesar de tudo, há esperança, mesmo que muito frágil e de muletas.

 

Título: Folhas Caídas [Kuolleet lehdet]
Realizador: Aki Kaurismäki
Elenco: Alma Pöysti, Jussi Vatanen, Janne Hyytiäinen, Nuppu Koivu
Países: Finlândia, Alemanha, 2023
Comédia dramática, 81 mn

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

 

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This