Novo livro

Há dois mil anos de presença judaica em Portugal e Esther Mucznik foi à procura dessa história

| 28 Set 21

Capa do novo livro de Esther Mucznik.

 

O que nos diz a história de quase dois mil anos de presença judaica no território que é hoje Portugal? Partindo desta pergunta, a investigadora em temas judaicos Esther Mucznik escreveu um livro que pretende mostrar como “a vida dos judeus portugueses é indissociável da história de Portugal”. A obra, com o título Judeus Portugueses – Uma história de luz e sombra (ed. Manuscrito), será apresentada nesta terça-feira, 28, às 18h30, no espaço cultural do El Corte Inglés, de Lisboa.

“Contrariamente aos seus irmãos de fé na Europa cristã, sucessivamente expulsos dos mais diversos países e novamente readmitidos ao sabor da necessidade dos seus préstimos, os judeus na Península Ibérica aqui permaneceram quase sem interrupção durante mais de 1500 anos”, verifica a autora no seu novo livro.

Uma nota da editora refere-se ao judaísmo português como “resultado de uma longa história: umas vezes trágica, outras vezes mais serena, mas sempre muito rica”, que incluiu “momentos, episódios e personalidades inesquecíveis”, como “financeiros e médicos, filósofos e exegetas, matemáticos e astrónomos”. Essas pessoas “contribuíram para o desenvolvimento económico, cultural, científico e filosófico de Portugal” e tal contributo foi tanto maior quanto maior era a liberdade, a tolerância e a interacção social e política entre os diferentes povos”.

Neste livro, Esther Mucznik cruza a história dos judeus e a história de Portugal em momentos e episódios concretos e através da vida de personalidades que mostram essa relação íntima, “feita de convivência e de perseguição, de amor e de ódio, de desterro e de saudade, de reencontro e de reconciliação, de luz e de sombra”.

Esther Mucznik a falar numa conferência. Foto Direitos Reservados

A autora publicou já, além de artigos de imprensa e catálogos, vários livros como a biografia de Grácia Nasi (2010), Portugueses no Holocausto (2012), Auschwitz, Um Dia de Cada Vez (2015) e A Grande Epopeia dos Judeus no Século XX (2017). Nascida em Lisboa, filha de pais judeus polacos, Mucznik viveu em Israel e Paris, onde estudou Língua e Cultura Hebraicas e Sociologia (na Sorbonne). Foi também co-coordenadora do Dicionário do Judaísmo Português (2009), é co-fundadora da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos e fundadora da Associação Memória e Ensino do Holocausto – MEMOSHOÁ, da qual é presidente. Fundou também o Museu Judaico de Lisboa, que está em preparação.

 

 

 

 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This