Novo livro

Há dois mil anos de presença judaica em Portugal e Esther Mucznik foi à procura dessa história

| 28 Set 2021

Capa do novo livro de Esther Mucznik.

 

O que nos diz a história de quase dois mil anos de presença judaica no território que é hoje Portugal? Partindo desta pergunta, a investigadora em temas judaicos Esther Mucznik escreveu um livro que pretende mostrar como “a vida dos judeus portugueses é indissociável da história de Portugal”. A obra, com o título Judeus Portugueses – Uma história de luz e sombra (ed. Manuscrito), será apresentada nesta terça-feira, 28, às 18h30, no espaço cultural do El Corte Inglés, de Lisboa.

“Contrariamente aos seus irmãos de fé na Europa cristã, sucessivamente expulsos dos mais diversos países e novamente readmitidos ao sabor da necessidade dos seus préstimos, os judeus na Península Ibérica aqui permaneceram quase sem interrupção durante mais de 1500 anos”, verifica a autora no seu novo livro.

Uma nota da editora refere-se ao judaísmo português como “resultado de uma longa história: umas vezes trágica, outras vezes mais serena, mas sempre muito rica”, que incluiu “momentos, episódios e personalidades inesquecíveis”, como “financeiros e médicos, filósofos e exegetas, matemáticos e astrónomos”. Essas pessoas “contribuíram para o desenvolvimento económico, cultural, científico e filosófico de Portugal” e tal contributo foi tanto maior quanto maior era a liberdade, a tolerância e a interacção social e política entre os diferentes povos”.

Neste livro, Esther Mucznik cruza a história dos judeus e a história de Portugal em momentos e episódios concretos e através da vida de personalidades que mostram essa relação íntima, “feita de convivência e de perseguição, de amor e de ódio, de desterro e de saudade, de reencontro e de reconciliação, de luz e de sombra”.

Esther Mucznik a falar numa conferência. Foto Direitos Reservados

A autora publicou já, além de artigos de imprensa e catálogos, vários livros como a biografia de Grácia Nasi (2010), Portugueses no Holocausto (2012), Auschwitz, Um Dia de Cada Vez (2015) e A Grande Epopeia dos Judeus no Século XX (2017). Nascida em Lisboa, filha de pais judeus polacos, Mucznik viveu em Israel e Paris, onde estudou Língua e Cultura Hebraicas e Sociologia (na Sorbonne). Foi também co-coordenadora do Dicionário do Judaísmo Português (2009), é co-fundadora da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos e fundadora da Associação Memória e Ensino do Holocausto – MEMOSHOÁ, da qual é presidente. Fundou também o Museu Judaico de Lisboa, que está em preparação.

 

 

 

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This