Comissão do Vaticano reconhece

Há uma resistência institucional ao combate aos abusos da Igreja

| 28 Set 2023

Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores reunida em setembro de 2023. Foto c Tutela Minorum

A Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores esteve reunida entre os dias 20 e 22 deste mês. Foto © Tutela Minorum.

 

Num documento particularmente vigoroso, em que convoca para a ação urgente, a Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores (CPPM) denuncia a continuação dos casos de abuso, o encobrimento e a má-gestão por parte dos responsáveis da Igreja Católica e solicita aos novos cardeais e aos membros do Sínodo sobre a Sinodalidade que incluam esta matéria nos trabalhos prestes a iniciar-se.

“Todos os dias parecem surgir novas provas de abusos, bem como de encobrimento e de má gestão por parte dos responsáveis da Igreja em todo o mundo”, começa por salientar o comunicado da Comissão, aludindo não apenas àqueles casos que “são objeto de intensa divulgação” nos meios de comunicação social, mas também os que são menos conhecidos ou ficam remetidos ao silêncio.

Sublinhando que não se trata apenas de “traição dos abusadores, mas da própria instituição eclesial”, a CPPM faz notar:  “todos os abusos envolvem a angústia e a dor de uma terrível traição, não só por parte do abusador, mas também por parte de uma Igreja incapaz, ou mesmo sem vontade, de reconhecer a realidade das suas ações”.

A Comissão do Vaticano cita, sem nomear, “casos recentes relatados publicamente”, que “apontam para deficiências tragicamente prejudiciais nas normas destinadas a punir os abusadores e a responsabilizar aqueles que têm o dever de combater os atos ilícitos”, que se aplicam às notícias mais recentes sobre as consequências dos abusos do padre Marko Rupnik, amplamente tratados no 7MARGENS.

“Continua a existir uma resistência inaceitável” que “aponta para uma escandalosa falta de determinação por parte de muitos na Igreja, que é frequentemente agravada por uma grave falta de recursos”, denuncia o documento.

Reconhece, a este propósito que, cinco anos após a Cimeira de 2019 sobre a Proteção de Menores, que reuniu responsáveis católicos de todo o mundo, a Igreja não tem conseguido “corrigir as falhas nos procedimentos que deixam as vítimas feridas e na ignorância, tanto durante como depois de os casos terem sido decididos”.

 

Vítimas deveriam poder intervir no Sínodo

Nessa linha da responsabilização da Igreja, prossegue o texto:

“Ouvimos e ficamos perturbados com os relatos das ações de pessoas que ocupam cargos de responsabilidade na Igreja, com os gritos das pessoas afetadas, bem como com o legado de comportamentos atrozes associados a movimentos leigos e outros e a tantas áreas da vida institucional da Igreja. Estamos profundamente abalados com a imensa dor, o sofrimento duradouro e a revitimização, experimentados por tantas pessoas, e condenamos inequivocamente os crimes e a sua impunidade, perpetrados contra tantos dos nossos irmãos e irmãs”.

Dirigindo-se em especial aos membros da assembleia sinodal que iniciarão no próximo dia 4 de outubro a primeira sessão do Sínodo, a Comissão alerta que uma mudança efetiva neste campo não ocorrerá “sem a conversão dos líderes da Igreja” e expressa o entendimento de que, pela sua natureza, a realidade dos abusos sexuais “está no centro da agenda do Sínodo”, devendo ser incluída em debates sobre “modelos de liderança, funções ministeriais, padrões profissionais de comportamento e modos de estar corretamente em relação uns com os outros”.

“Exortamo-vos a dedicar tempo e espaço significativos para integrar o testemunho das vítimas/sobreviventes no vosso trabalho” do Sínodo – é o apelo final da Comissão Pontifícia.

 

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This