Onde menos se espera, aí está Deus

| 21 Jan 2022

Mão. Árvore

“Os desconcertos e perplexidades que sentimos mostram-nos apenas o quão limitados continuamos a ser, sempre a regatear direitos e a murmurar desgostos, como se ser cristão fosse o passaporte para uma vida fácil.” Foto © Neil Thomas | Unsplash

 

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

O primeiro olhar do crente é um olhar de espanto e o segundo de veneração – por todo o mundo criado, sem exceção. A gratidão emerge como pano de fundo em todo o tempo que assim se transforma em tempo em Deus. Nele começa e nele acaba ou nele continua, porque Deus é ato puro e a nossa vida só nele se encontra e justifica. Fora Dele, nada. Ou vacuidade.

Deixar-se envolver pela glória de Deus é apenas estar disponível para o perceber em tudo o que nos rodeia, abstendo-nos de rotular os acontecimentos de acordo com as nossas preferências. A preferência de Deus é o que vivemos, a preferência de Deus somos nós, já redimidos, a quem a única atitude razoável é a de uma profunda, intocável, alegria.

Os desconcertos e perplexidades que sentimos mostram-nos apenas o quão limitados continuamos a ser, sempre a regatear direitos e a murmurar desgostos, como se ser cristão fosse o passaporte para uma vida fácil.

Ser cristão dá-nos apenas direito a amar como Deus; ou seja, a viver a vida de braços abertos para todos caberem neles, mesmo os que não entendemos e aqueles que nos maltratam, ou antes, começando por eles. E nesse carinho imenso e não queixoso, pelo contrário, dar mais, dar tudo, cheios daquela alegria que só assiste a quem ama sem dúvidas e por inteiro.

O sinal dos cristãos, escandaloso e quase vergonhoso, remete-nos para esse momento radical em que Cristo nos ensinou a amar. E esse momento, por mais trágico, foi cheio de alegria, foi cheio de luz: alegria do malfeitor com a promessa do Céu, alegria de Cristo por tudo estar consumado, alegria de João por receber a Mãe como sua, a alegria da Mãe por sê-lo de todos nós. Alegria de Verónica, alegria das santas mulheres, alegria do Cireneu, alegria presente ou futura dos que estiveram perto de Cristo.

Na vida, se levamos a cruz ao peito, tudo o que não podemos ser é espectadores. Enterrados na lama dos caminhos se for caso disso, apenas viveremos o sonho cristão se não nos furtarmos ao encontro, à proximidade, ao amor ao outro, a todos os outros.

Num mal entendido “desprendimento cristão” tornamo-nos tantas vezes desalmados e maus amantes. Tudo o que Deus nos pede é que amemos como Ele, que é todos e totalmente, vendo-nos com os Seus olhos e sendo uns para os outros o próprio Cristo. Em total liberdade e podendo afirmar com S. Paulo “já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gálatas, 2, 20).

A santidade de uma vida não é uma linearidade sem pecado, mas sim a evidência de que Deus está ali, nos abundantes sinais de fé, esperança e amor, tão abundantes e desproporcionados que só podem ser o próprio Deus.

Não desperdicemos os desertos da vida para nos rendermos diante de Deus e Lhe suplicarmos que venha viver em nós, amar em nós, perdoar em nós, ser em nós. E que a Sua alegria esteja em nós e a nossa alegria seja completa (Jo 15, 9-11).

 

Dina Matos Ferreira é consultora e docente universitária

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This