Bom Samaritano e 25 de Abril como inspirações

Semana da Unidade dos Cristãos quer afirmar solidariedade e compaixão

| 20 Jan 2024

O Bom Samaritano e os 50 anos do 25 de Abril – duas inspirações para a Semana da Unidade dos Cristãos deste ano, que quer suscitar iniciativas concretas de solidariedade e compaixão da parte dos cristãos.

 

25 de Abril de 1974: os 50 anos da Revolução devem ser pretexto para “acções de solidariedade e de compaixão com todos aqueles e aquelas cujas feridas necessitam de ser tratadas”. Foto: Direitos reservados.

25 de Abril de 1974: os 50 anos da Revolução devem ser pretexto para “acções de solidariedade e de compaixão com todos aqueles e aquelas cujas feridas necessitam de ser tratadas”. Foto: Direitos reservados.

 

“Amarás o Senhor teu Deus e ao teu próximo como a ti mesmo.” A frase, retirada do cap. 10 do Evangelho segundo Lucas, éo tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, iniciada na passada quinta-feira, 18, e que decorre até ao próximo dia 25. Os textos de reflexão e oração da Semana são propostos pelas Igrejas do Burkina Faso, e inspirados na parábola do Bom Samaritano. A celebração ecuménica nacional teve lugar em Coimbra, na noite de sexta, 19, e uma vígília ecuménica jovem realizou-se na noite deste sábado, no Colégio São de Brito, em Lisboa.

No ano em que se celebra o 50.º aniversário da Revolução dos Cravos “procurar-se-á que a Semana da Unidade 2024 seja vivida com acções concretas de solidariedade e de compaixão com todos aqueles e aquelas cujas feridas necessitam de ser tratadas”, diz um comunicado conjunto do Conselho Português de Igrejas Cristãs (Copic) e da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), sobre a realização da iniciativa em Portugal.

O comunicado surgiu na sequência de uma reunião entre o Copic e a CEP, realizada em Novembro. Pretende-se assim reafirmar “os valores e os princípios de uma democracia que se quer cada vez mais humana e respeitadora da dignidade inerente a cada pessoa”, acrescenta o texto.

Copic e CEP apelam assim “a todos os cristãos e Igrejas” para que promovam “celebrações geradoras de esperança e de paz”, diz ainda o comunicado. “Cabe às Igrejas a nível local ou regional procurar fazê-lo inspiradas pelo tema” da Semana, diz o bispo da Igreja Lusitana/Comunhão Anglicana, Jorge Pina Cabral, ao 7MARGENS.

Na celebração ecuménica em Coimbra, nesta sexta-feira, o responsável desafiou os cristãos a um “modelo ético da proximidade”, como expressão do “caminho para Deus”, pois “não há religião sem proximidade e sem relação com os outros”: “É da vida sofrida que nasce a verdadeira teologia e o descobrir a Deus”, afirmou, citado pela Ecclesia.

No comunicado citado, ambas as instituições recordam problemas do país como a habitação, integração dos estrangeiros, baixa natalidade e aumento da pobreza, mesmo entre a classe média. E apelam ao Estado para que apoie as instituições de solidariedade que vivem em grande dificuldade, apesar de continuarem na “linha da frente na ajuda aos mais necessitados”.

 

Cristãos “na linha da frente”

 

bispo jorge pina cabral, foto osae

Jorge Pina Cabral, bispo da Igreja Lusitana: as Igrejas cristãs têm de estar na linha da frente “na defesa dos oprimidos e da Criação”. Foto © osae

 

Num ambiente em que cresce a xenofobia e o racismo, Pina Cabral considera que está em causa “um modelo liberal capitalista profundamente competitivo e pouco preocupado com a distribuição da riqueza e do bem-estar que gera”. As causas desta situação “são diversas e alimentam-se de desigualdades sociais e económicas e da pressão colocada pelo movimento migratório em todo o mundo”, acrescenta.

É preciso, diz o bispo, “um novo modelo de desenvolvimento respeitador dos direitos humanos e sociais e do meio ambiente que não vise somente o crescimento económico”. As Igrejas cristãs já estão na linha da frente “na defesa dos oprimidos e da Criação” em muitos países, numa missão de serviço público de “defesa e promoção de políticas alternativas” – e apesar de sectores cristãos “associados a correntes e personalidades políticas mais autoritárias e repressivas”.

Jorge Pina Cabral acrescenta o exemplo do contexto ecuménico da Conferência das Igrejas Europeias, que tem promovido “a reflexão sobre o contributo dos valores cristãos na construção europeia”, unindo esforços com a Igreja Católica e outras organizações, no diálogo com as instituições da UE. A “Escola dos Direitos Humanos”, que tem formado membros das Igrejas na defesa também da liberdade religiosa e das minorias, é um exemplo. Dela surgiu por exemplo o livro Alternativas ao Populismo na perspetiva dos Direitos Humanos.

“Neste exigente tempo da história”, diz o comunicado, há um “papel insubstituível dos cristãos” das diferentes igrejas, “chamados a agir como Cristo, amando como o Bom Samaritano, mostrando misericórdia e compaixão para com os necessitados, independentemente da sua identidade religiosa, étnica ou social”.

 

(Este texto é uma versão com ligeiras alterações e acrescentos do inicialmente publicado no nº 410, Janeiro-Fevereiro 2024, da revista Bíblica.)

 

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This