Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 4)

Uma profunda compaixão pelas vítimas

| 5 Abr 2023

O catolicismo vive uma crise profunda, apesar de continuar a ser para muitas pessoas um espaço vital de busca de sentido e experiência de fraternidade. As situações de abusos de poder e violências sexuais vieram evidenciar problemas sistémicos. Em Portugal, depois de terem criado uma Comissão Independente (CI) para estudar os abusos sexuais sobre crianças, os bispos ficaram na indefinição sobre o que fazer com o panorama posto a nu pelo relatório da CI. Perante a perplexidade que tomou conta da sociedade e de muitos crentes, o 7MARGENS convidou católicos a partilhar leituras da situação e propor caminhos de futuro, a partir de três perguntas:

  1. Quais são os pontos que considera centrais nas medidas a assumir agora pela Igreja, para ser fiel ao Evangelho e ser testemunho de Jesus Cristo na sociedade? A quem cabe concretizar e liderar a aplicação de tais medidas?
  2. Considera que faria sentido que os batizados se encontrassem e se escutassem sobre essas tarefas e desafios que se colocam à comunidade eclesial, a nível diocesano e/ou nacional? Como? De que formas?
  3. Que contributo(s) estaria disposto a dar para que a Igreja, os católicos e as suas comunidades adotem um caminho centrado no Evangelho em ordem a superar a prática de abusos?

 

O sínodo como oportunidade

 

Nesta quarta resposta, Teresa Toldy, professora universitária, sugere que a Igreja deve tomar partido pelas vítimas, tal como Jesus fez; e que o sínodo convocado pelo Papa é uma oportunidade para colocar toda a Igreja a enfrentar o problema dos abusos.

Abusos

“A principal questão será tornar visível uma profunda compaixão pelas vítimas, por todas as vítimas. O Papa Francisco, neste Domingo de Ramos, falou da presença de Cristo em todos os abandonados e maltratados.” Foto: Domínio Público / Pixabay

 

1. A principal questão será tornar visível uma profunda compaixão pelas vítimas, por todas as vítimas. O Papa Francisco, neste Domingo de Ramos, falou da presença de Cristo em todos os abandonados e maltratados. Cristo fez a experiência angustiante, limite, de, na cruz, se sentir abandonado pelo próprio Deus: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?” Quantas vítimas não se perguntarão o mesmo? E quantas vítimas não se perguntarão: “Quem é esse Deus que invocaram quando abusaram de mim? Quem é esse Deus que me mandaria para o inferno se eu não me deixasse abusar? Quem é esse Deus que me é apresentado como se alguém O tivesse visto e como se se pudesse apresentar como o próprio rosto de Deus?”

A principal questão, como dizia Gustavo Gutierrez, não é “quem é Deus”, mas sim “onde está Deus”. Os evangelhos são claros: o que fizeste ao mais pequeno de entre vós, a mim o fizeste. Deus está no rosto das vítimas. Jesus está crucificado com as vítimas, junto delas, nelas. Com todas as vítimas, de todas as formas, de todos os tempos. Sim. A Igreja tem de tomar partido. Pelos “descartados”. Incluindo por aqueles que ela tem descartado. E tem de procurar transparência nos seus procedimentos. É preciso que sejam abandonadas definitivamente as velhas (e repetitivas) estratégias sistémicas de encobrimento. A aplicação de medidas neste sentido tem de partir da hierarquia, mas tem de ser exigida e acompanhada por todos os cristãos e por todas as pessoas de boa vontade. A Igreja não está acima do mundo.

 

2. O sínodo, melhor, o caminho sinodal proposto pelo Papa Francisco está em curso, constitui uma oportunidade precisamente para o encontro e a escuta, mas nem todos aderiram a ele. Este caminho constitui uma oportunidade única para que todas as vozes se façam ouvir, a nível diocesano, a nível nacional. Mas, para tal, é preciso que os cristãos (todos) estejam convictos de que todos somos Igreja, de que não estamos a falar de “mais uma coisa para fazer”: estamos a falar da oportunidade de “uma nova Primavera” na Igreja. Como é possível que haja movimentos, paróquias que nem sequer tenham falado ou estejam a falar, a refletir, a soltar a Palavra perante este desafio? E como é possível pensar que neste caminho sinodal a chaga dos abusos é alguma coisa à parte, que não deve ser “misturada” com o caminho sinodal? Será possível sonhar um futuro para a Igreja considerando que os seus pesadelos e, sobretudo, que os pesadelos que ela cria não têm lugar neste caminho?

É preciso criar uma dinâmica em rede: grupos que se encontrem, que se cruzem, que debatam, que dialoguem, se queremos ser cristãos adultos. O Papa Francisco desafia-nos a abrir as portas e a ir ao encontro daqueles que não são crentes, sobretudo dos mais marginalizados. É provável que muitos se tenham afastado por olharem para a Igreja e verem nela um clericalismo que vai apagando pouco a pouco (por vezes, abruptamente) a relevância da Igreja.

O poder é uma grande tentação. Alguns possuem-no, outros gostariam de o possuir (há muitos leigos clericais, também, diga-se!). A comunhão que procuramos não existirá se tivermos medo de discursos proféticos, se tivermos medo de pedir responsabilidades e, sobretudo, de nos solidarizarmos com as vítimas. Não é sustentável que os bispos tenham medo de falar com aqueles ao serviço de quem se encontram e não é possível que os cristãos tenham medo de falar com os seus bispos. Será sonhar pensar na possibilidade de os bispos se reunirem com aqueles ao serviço dos quais se encontram para os ouvir acerca desta chaga dos abusos? Não. Não é um sonho. É e tem de ser possível.

 

3. Acredito em contributos a nível local, onde vivemos de facto, onde podemos encontrar-nos com outros cristãos e com não cristãos. E acredito que é possível um “amor duro” diante de comportamentos inaceitáveis e um “amor generoso” por todas aquelas e por todos aqueles que procuram o sentido. Para tal, é preciso acordarmos, pressionarmos para que a Igreja siga para a frente, sem deixar ninguém para trás: escrever cartas, tomar posição pública, abrir as portas a debates entre crentes e não crentes. Sair do marasmo. Como? Com outras e com outros, sempre com outras e com outros.

 

Teresa Toldy é professora universitária de Ética e teóloga; publicou Deus e a Palavra de Deus nas teologias feministas (Ed. Paulinas)

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This