A magia do artesanato palestino, o Natal duro dos cristãos da Terra Santa

e | 16 Dez 18

Este poderia ser um Natal mágico: um presépio com uma caixa de música a tocar os acordes de Stille Nacht (Noite feliz), talvez a mais bela canção do tempo… 

Mas, para muitos cristãos da Terra Santa – e, em especial, da Palestina, o Natal não é mágico. É verdade que é em Belém que está a Igreja da Natividade, construída no local onde, segundo a tradição, Jesus teria nascido. É verdade que, por estes dias, muitos peregrinos vão à cidade, celebrar uma das festas mais importantes do cristianismo. Nada disto leva magia aos cristãos que ali vivem.  

“O que acontece é que nos sentimos abandonados”, diz Nicolas, um jovem palestino “cristão católico, da cidade de Belém, o berço da fé e da paz, onde nasceu o nosso salvador do mundo, Jesus”, como se apresenta quando falamos com ele em Lisboa. Pelo quinto ano consecutivo, Nicolas está em Lisboa, até ao Natal, a vender artesanato de Belém, feito em madeira de oliveira. Presépios, imagens de Santo António, cruzes, estrelas, representações da Sagrada Família – tudo pode ser encontrado na Rua Anchieta, número 10 (ao Chiado) – ou ainda, neste domingo, 16 de Dezembro, na paróquia do Cristo-Rei, no Porto. 

Nicolas trabalha na cidade de Belém como guia turístico. Para os cristãos da Cisjordânia (Palestina), a única fonte de rendimento são as actividades ligadas ao turismo. “Imaginem que os cristãos que vão visitar Fátima não ficam a dormir lá, nem vão aos restaurantes. O que está a acontecer é isso: os cristãos passam em Belém duas, três horas, visitam a Igreja da Natividade e voltam para Jerusalém.” 

Deste modo, não dá para ter um mínimo de rendimento. Resultado? “Muitos pensam em emigrar.” Muitos outros já o fizeram: em menos de 50 anos, o número de cristãos em Israel e na Palestina reduziu de vinte por cento para dois por cento – são agora uns 130/140 mil em nove milhões de habitantes; em Belém, a população cristã era, em 1948 (data da fundação do Estado de Israel) oitenta por cento cristã; hoje, são caiu para menos de vinte por cento. 

“Belém vive do turismo, como Fátima”, insiste Nicolas. “Os peregrinos são uma ajuda para os cristãos que continuam vivendo naquela cidade. Temos uma riqueza muito importante, que é a igreja onde nasceu Jesus, com quase 1500 anos. Os cristãos vivem fazendo artigos religiosos para os peregrinos ou turistas que visitam a cidade” ou em trabalhos como restaurantes, hotéis e guias turísticos. Na maior arte dos casos, são de classe média baixa. E, quem não pode viver do turismo, tem ir para Israel trabalhar como operários, o que implica atravessar a fronteira diariamente. 

Conhecer as pessoas, além das pedras

Seria bom, por isso, se os peregrinos que vão a Belém, cristãos como muitos outros que lá vivem, dormissem uma noite num hotel da cidade (o que é “muito raro”), visitassem uma oficina de artesanato local, conhecessem as pessoas concretas e não apenas as pedras que lá estão – afirma Nicolas. “Escutando, visitando as oficinas, daria um pouco mais de confiança, de fé” aos que lá estão”, acrescenta. Isso “seria bom”, um incentivo, daria “mais força” e mudaria “a mentalidade das famílias”. 

Esse é um dos maiores lamentos de Nicolas. Por isso, se pudesse falar com padres que acompanham peregrinações, agentes de viagens ou guias, dir-lhes-ia: “Desejaria que ficassem uma noite a dormir em Belém e visitassem uma das famílias que trabalham a fazer artesanato, pessoas locais. E que não fizessem apenas o caminho hotel–jantar–visitas. Há muitos mosteiros que os peregrinos não chegam a conhecer, há o campo dos pastores, a gruta do leite… Têm de conhecer um pouco mais.”

Nas conversas que tem com peregrinos e turistas, Nicolas incentiva-os a visitar Belém com mais tempo. “Já aconteceu com alguns que acabaram por ir conhecer melhor a cidade ou então planeiam para uma viagem seguinte ficar um dia em Belém. E isso muda um pouco mais a mentalidade dos peregrinos e a presença deles ajuda a que haja cristãos a continuar a viver ali.”

Se não, os turistas e peregrinos limitam-se a ver pedras e não pessoas, “é algo assim”. Por isso, Nicolas diz sempre aos peregrinos, quando está com eles em Belém: “A Terra Santa não é só para nós, é para vocês também. A Terra Santa é única. A vossa presença é muito importante, mas têm de ficar e conviver um pouco mais com os cristãos, especialmente na cidade de Belém.”

Belém que, em hebraico, significa “casa do pão”; e, em árabe, “casa da carne”. Mas que, para os cristãos, acaba por ser pouco disso. Apesar do trabalho das famílias que, como as peças que Nicolas procura vender em Lisboa, têm também um intrínseca ligação à região: a madeira de oliveira, além de ser dura e boa para conservar, tem “muitas referências na Bíblia”: dá fruto, e até o ramo que a pomba leva a Noé, na história do dilúvio.

As peças em madeira são todas feitas à mão mesmo se, em algumas das maiores – crucifixos, cabanas de presépio, imagens da Sagrada Família ou de Santo António –, o pedaço de madeira é inicialmente cortado por uma máquina. Muitas famílias têm a sua pequena oficina para trabalhar, implicando desde os mais velhos aos mais novos. “Toda a gente ajuda. Por vezes, as mulheres fazem bordados, outros, trabalhos em barro ou cerâmica.”

Em Lisboa, nesta venda solidária, as peças mais procuradas são os presépios e a Sagrada Família. Mas também há uma muito curiosa Nossa Senhora com o Menino que, nas costas, se “transforma” num anjo (foto ao lado); ou cenas representando Nossa Senhora grávida, a ir de Nazaré para Belém; ou, no episódio seguinte, a fuga para o Egipto; e ainda representações da Última Ceia. Numa das peças, os contornos dos veios do corte da madeira fazem a silhueta de Maria de Nazaré – a cor mais clara ou escura da madeira tem a ver com os cortes feitos na madeira. E há também essa grande cabana de presépio cuja estrela roda, tocando a música de Noite Feliz

No caso das peças maiores como esta, o trabalho é maior: tem de esperar que a madeira seque, começar a esculpir, secar de novo para que a madeira não abra e, depois, colar peça por peça. 

Cada família ou artesão constrói as suas peças, cria os seus próprios desenhos. Desde há cinco anos, por sugestão de um padre que, em Belém, sugeriu a Nicolas aproveitar alguns desses produtos para uma venda de Natal – convite repetido no ano seguinte – este palestino vem a Lisboa, com peças das famílias cristãs que mais necessitam. Um trabalho que compensa, desde que haja não só quem compre, mas também quem dê oportunidade para expor os trabalhos – o que já aconteceu mesmo em paróquias do Porto, Braga, Guarda ou Algarve…

Fecha-se o círculo: “O problema é que há cada vez menos cristãos e por isso o trabalho com oliveira vai diminuindo. Temos de ser heróis, por sermos uma minoria. Na verdade, foi sempre difícil, desde o tempo de Jesus; mas ao longo dos anos, por causa dos conflitos, muitos cristãos foram saindo do país, à procura de um futuro, de segurança para os filhos, de um lugar mais tranquilo…”

Breves

Boas notícias

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

Outras margens

Cultura e artes

Teólogo jesuíta em Portugal

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

“O diálogo inter-religioso não é uma estratégia para sobreviver em tempos de forçada pluralidade, mas trata-se de uma atitude existencial que implica toda a pessoa”, diz o jesuíta catalão Javier Melloni no seu livro Para Um Tempo de Síntese – Presente e futuro das religiões (ed. Fragmenta), que acaba de ser publicado e que o próprio apresentará em Portugal, a partir desta segunda-feira, 23 de Maio, em quatro conferências públicas

Uma leitura do Patriarca no 7M

“Domínio”, de Tom Holland: a recomposição da experiência cristã

Este livro de Tom Holland, escritor inglês com vária obra histórica publicada, obteve uma apreciação positiva e generalizada, quando saiu em 2019: “Cativante” (The Times), “Arrebatador” (The Economist), “Fascinante” (Library Journal)… Mais assertivo ainda, The Sunday Times: “Se os grandes livros nos encorajam a olhar o mundo de um modo completamente novo, então Domínio é, sem dúvida, um grande livro.”  

Novo livro de Luís Soares Barbosa

“Longos Dias Breve o Medo” apresentado em Braga, Guimarães e Porto

Decorre na tarde deste sábado, 21, a partir das 15h30, a sessão de apresentação de Longos Dias Breve o Medo, o novo livro de poesia de Luís Soares Barbosa. A apresentação da obra, editada pela Officium Lectionis, será feita por Eduardo Jorge Madureira, que integra a equipa do 7MARGENS, e terá lugar na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (BLCS), em Braga, com entrada livre.

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pessoas

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

Teólogo jesuíta em Portugal

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

“O diálogo inter-religioso não é uma estratégia para sobreviver em tempos de forçada pluralidade, mas trata-se de uma atitude existencial que implica toda a pessoa”, diz o jesuíta catalão Javier Melloni no seu livro Para Um Tempo de Síntese – Presente e futuro das religiões (ed. Fragmenta), que acaba de ser publicado e que o próprio apresentará em Portugal, a partir desta segunda-feira, 23 de Maio, em quatro conferências públicas

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Uma renovação a precisar de novos impulsos novidade

  A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como...

O melhor seria

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

Carlos de Foucauld: a liberdade do despojamento

Foucauld testemunhou que o encontro com o outro, mesmo que muito diferente de nós, não é forçosamente motivo de conflito e de guerra. Foi ele um dos primeiros a praticar o diálogo com os muçulmanos. O seu ermitério tornou-se a “fraternidade” para todos e ele redizia que queria ser visto como o irmão universal, “porque muçulmanos, berberes, judeus, cristãos…todos nós somos filhos de um só Pai”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This