E a nossa hospitalidade para com a Casa Comum?

| 9 Jan 2019 | Entre Margens

Hospitalidade, saber ser acolhido e acolher, foi o tema reflectido nas orações da noite e nas reflexões dos jovens em pequenos grupos, ao longo do encontro europeu anual da “Peregrinação da Confiança” em Madrid; essa foi a proposta da comunidade de Taizé para o tema a ser desenvolvido nos encontros durante o ano de 2019.

Num encontro europeu de Taizé este tema, por força das circunstâncias, toca especialmente todos os participantes atendendo ao facto de estarmos fora das nossas cidades: dão-nos de comer e um sítio para dormir, integrados em paróquias ou famílias de acolhimento que nos recebem. A hospitalidade não foi para nós só uma ideia ou um conceito abstracto; foi, sim, a realidade do dia-a-dia.

Além do importante tema dos migrantes e refugiados que chegam às nossas fronteiras, há outro tipo de hospitalidade que, como seguidores de Jesus, devemos ter em conta:

A hospitalidade na nossa Casa Comum, o planeta.

A maior convergência entre todas as religiões é a fé no Deus Criador. Em Genésis 1, lemos que Deus criou a luz, o céu, a Terra, os astros, as aves, os seres vivos que andam na água e na terra, animais domésticos e selvagens. Depois de cada criação, há uma conclusão: ‘Deus viu que era bom’.
O ser humano foi a última criação de Deus, acolhido, assim, por tudo quanto já existia.

Nos dias que correm, subsistem, então, as seguintes perguntas:

Estaremos a saber ser acolhidos na nossa casa comum?

Mostramos gratidão por tudo o que Deus gratuitamente nos ofereceu e continua a oferecer-nos?

Estaremos a ser fiéis a Deus se descuidamos algo que ‘Deus viu que era bom’ ?


Hoje em dia, os desafios apresentados aos cristãos são vastos e não se restringem à Criação per si mas ao mais importante mandamento dado por Jesus: ‘Ama o teu próximo como a ti mesmo’.

O actual consumo excessivo de produtos e bens, iniciado com a Revolução Industrial (um pequeno momento nos 4,5 mil milhões de anos da Terra), tem emitido GEE (gases com efeito de estufa) para a atmosfera, aquecendo o ar.

A nossa constante resposta positiva à produção industrial, consumindo desmesuradamente, levou a um insuportável aquecimento do planeta. Na Bíblia, por todo o Antigo e Novo Testamento vemos a sacralidade da água: ela faz crescer os nossos alimentos e purifica. Com o aquecimento do planeta, a água evapora, há menos chuva e/ou fenómenos climáticos atípicos, impedindo ou tornando muito difícil o crescimento dos alimentos. Nos sítios mais quentes, onde já se morre de pobreza, irá acontecer um genocídio climático. Os efeitos já se sentiram este ano e a reciclagem não é solução.

A busca do meu prazer mundano em alimentos e produtos não pode, como seguidor(a) de Cristo, sobrepor-se a salvar uma vida, várias vidas, seja aqui, seja na África do Sul, seja agora ou daqui a poucos anos. Por isso, temos de ser exemplos para os outros de sensibilização e mudança de hábitos: não comprando coisas novas mas usadas (desse modo não gastando novos recursos e não emitindo novos GEE), reduzindo para mais de metade o consumo de carne, optarmos pela reparação ou reutilização de bens, usando sacos de pano em vez de plástico ou papel, deixando o carro mais vezes em casa ou optando pelo uso de carros que têm como fonte energias renováveis.

Como cristãos, somos chamados a escolher de que lado estamos perante tudo o que irá acontecer: do lado dos que salvaram vidas ou dos que contribuíram para o genocídio climático?

António Guterres avisa que temos apenas dois anos para mudar de hábitos antes que tudo ocorra.

Por isso, devemos explorar o tema da hospitalidade na casa comum, ecologia, sustentabilidade e, principalmente, ser um testemunho vivo desta mudança por Cristo e em Cristo no amor pelo próximo.

Neste encontro de Taizé, houve pequenas reflexões e orações sobre a ecologia.

Um aspecto positivo do encontro é que houve reciclagem das garrafas de plástico e as refeições quentes disponibilizadas para todos os participantes foram veganas. Há outros aspectos a melhorar nesta ou em iniciativas de dimensão similar no seio da Igreja de Cristo: neste encontro, tanto quanto se viu, os recipientes de plástico das refeições quentes não foram reciclados. Tal equivale a 56 mil embalagens de plástico no lixo comum. Segundo as informações que chegam a nós através dos media, essas embalagens vão parar aos oceanos transformando-se em microplásticos ingeridos pelo peixe que comemos, ou queimados emitindo GEE, ou acabarão em lixeiras onde ficarão 250 a 400 anos a degradarem-se e impedindo que outros resíduos domésticos – que rapidamente se degradariam – consigam decompor-se.

Aprendamos juntos, aproveitando a vantagem desta sociedade de informação em que vivemos, a ser acolhidos na Criação de Deus, da qual fazemos parte, vivendo esta hospitalidade como símbolo da fidelidade e do amor de Deus por nós.

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

Breves

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Exaltação das comunidades errantes

Exaltation é um diamante lapidado ou um extraordinário colar que vai desfiando preciosidades raras. Desde logo, pela voz única do contratenor israelita Yaniv d’Or, de ascendência sefardita (os judeus da Península Ibérica).

Pessoas

Sete Partidas

Noruega, metáfora do futuro

 Este país do norte da Europa que, pelos mitos do frio e do escuro, pensava só se poder escolher por necessidade ou por loucura, é agora a minha casa desde há cinco anos.Recordo ainda assim que já o via de longe e o admirava pela sua verdadeira social-democracia e...

Visto e Ouvido

Agenda

Jan
21
Seg
Curso Filosofia, Literatura, Espiritualidade – 1ª sessão @ Capela do Rato (Lisboa)
Jan 21@18:15_20:00
Conversas sobre Doutrina Social da Igreja – Dignidade da Pessoa @ Instituto Universitário Justiça e Paz (Coimbra)
Jan 21@21:30_23:00
Jan
23
Qua
Curso Teórico-Prático de Introdução ao Budismo Tibetano @ Círculo do Entre-Ser (Lisboa)
Jan 23@19:00_22:30

Ver todas as datas

Entre margens

Fale connosco