O elogio da frugalidade – por um Natal não consumista

| 8 Dez 19 | Entre Margens, Últimas

Nas margens da Filosofia (XII)

O livro do sociólogo e filósofo francês Jean Baudrillard, Le Système des Objets[1], é uma reflexão sobre a sucessão de objectos de vária ordem, que se produzem a um ritmo acelerado nas civilizações urbanas. Interessa-lhe sobretudo o tipo de relação que os consumidores estabelecem com essa avalanche de gadgets, de aparelhos e de produtos de várias espécies. Ao relê-lo para efeitos de um trabalho académico, encontrei algumas páginas que me levaram a pensar nesta fase de consumismo desenfreado que, quer queiramos ou não, nos acompanha na época do Natal.

Nela assistimos, inquietos, às necessidades que a publicidade faz nascer nos hipotéticos consumidores, bem como à frustração que a grande maioria sente por não poder adquirir aquilo que lhe é apresentado como essencial. E a possibilidade de comprar a prestações apresenta o crédito como parceiro facilitador da aquisição imediata do supérfluo. Aparentemente benéfica, pois possibilita a muitos a aquisição de objectos de outro modo inalcançáveis, há nesta promoção das compras um valor artificial.

À primeira vista, a facilidade de comprar a crédito surge como um aumento da nossa liberdade de escolha, alimentando uma “estratégia do desejo”[2]. O facto de podermos usufruir de um objecto muito antes de o termos totalmente pago, é sintoma de uma nova ética de antecipação e de fruição, de um novo modo de estar no mundo, em que o consumo é anterior à aquisição total. Desaparece do nosso universo mental o conceito de poupança, de espera pelo momento oportuno, de valorização do que não é imediatamente alcançável. Habituamo-nos a viver acima das nossas possibilidades e consideramos natural o facto de um pequeno investimento nos tornar donos de objectos que ultrapassam grandemente as nossas possibilidades de compra imediata.

Resisti às blackfridays que nos têm perseguido durante as últimas semanas mas é-me impossível ignorar os presentes de Natal, sem os quais filhos e netos se considerariam defraudados ou esquecidos. Como conciliar este desejo natural de dar e de receber com o ideal de frugalidade para o qual o Papa Francisco nos alerta?

Dos diferentes textos em que ultimamente os cristãos são convidados a uma mudança de vida, revisitamos em primeiro lugar a Laudato Si’, onde o capítulo VI segue o lema “quanto menos, tanto mais”, desafiando-nos a regressar a uma vida simples e agradecendo as possibilidades que nos são oferecidas. A fruição tranquila dos bons encontros, a satisfação que decorre do serviço dos outros, o prazer desfrutado pela música, pela arte, pelo contacto com a natureza e pela prática da oração, levam-nos a saborear mais e a viver melhor cada momento, combatendo a aceleração dos ritmos de vida, tão perniciosos para uma escuta dos outros, para uma atenção à Natureza, para o bem-estar das comunidades.

A pressa constante em que vivemos intensifica-se no Natal, com a organização das festividades e o afã dos presentes. Mas a Laudato Si’ lembra-nos que uma ecologia integral “exige que se dedique algum tempo para recuperar a harmonia serena com a criação”(§ 225). Na mesma linha de apelo a uma mudança de enfoque, o Sínodo sobre a Amazónia lembra-nos que a conversão pastoral assenta na sinodalidade – uma vivência em conjunto onde se exige que todos se escutem mutuamente. E aspira a um diálogo intercultural, privilegiando as periferias.

No que respeita à vivência concreta deste Advento e de um Natal imbuído pela mensagem da Laudato Si’, o Movimento Católico Global pelo Clima (MCGC) propõe-nos alguns preceitos que nos poderão ajudar a cultivar nesta época um espírito de sobriedade, a ultrapassar uma cultura de consumo e a colocar a tónica nos valores que partilhamos.

Destaco em primeiro lugar os que se referem a atitudes, e penso que não é por acaso que o primeiro preceito é ensinar às crianças o verdadeiro sentido do Natal, explicando-lhes o significado dos presentes como prova de amor recíproco entre quem dá e quem recebe e alertando-as para a condição dos que não têm possibilidade de partilhar esta alegria. O Natal é um momento especial para manter vivas as tradições da família e, como tal, mais do que coisas materiais, importa partilhar momentos. A atenção ao outro é uma manifestação de amor. Há que saber perder/ganhar tempo conversando com familiares e amigos cuja proximidade nos é tão óbvia que por vezes nos leva a esquecer o prazer da escuta e do diálogo.

O Advento pode ser encarado como uma oportunidade   de reflexão, de revisão de vida, feita individualmente ou em grupo. É um tempo de boas intenções para o futuro, de perspectiva de pequenas mudanças que poderão melhorar o modo de habitar a nossa casa comum, bem como as relações que estabelecemos uns com os outros. É um tempo em que se reactiva o desejo de um mundo mais justo. Como tal, importa prestar atenção às boas causas e ajudar à sua concretização.

Nos preceitos enunciados pelo MCGC há também aspectos práticos que nos encaminham para um Natal mais ecológico e que desafiam a nossa criatividade. Estão neste caso a reciclagem de produtos transformando-os em artesanato natalício, o gasto menor com o papel dos presentes mediante a reutilização dos embrulhos, o aproveitamento do papel de revistas e de jornais, transformando-os em pacotes criativos, a colocação dos presentes em sacos de pano, etc. O combate a uma cultura do descarte passa também pelos produtos em segunda mão, nomeadamente os livros. Note-se que nestes preceitos natalícios os fornecedores locais não são esquecidos, sendo privilegiados nas compras, em detrimento das grandes superfícies.

Esqueçamos as renas, os trenós e os enfeites sofisticados que nada têm a ver com o nascimento de Jesus. Regressemos à frugalidade do Presépio, centrando-nos nas figuras do Menino, de Maria e de José. Às quais podemos acrescentar, ecologicamente, a vaca, o burro e as indispensáveis palhinhas para aquecer a manjedoura.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

[1] Jean Baudrillard, Le Système des Objets, Paris, Gallimard, Tel, 1968.

[2] Ob. cit., p. 218.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa novidade

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco