Yoga no feminino: uma espiritualidade sem domínio patriarcal

| 13 Mar 2019 | Destaque 2, Espiritualidades, Newsletter, Silêncio e Meditação, Terapias, Últimas

Cerca de 86 por cento dos praticantes do yoga em Portugal são do sexo feminino, conclui um estudo desenvolvido por Paulo Hayes, professor universitário e investigador na Universidade Lusófona, com o título  “Yoga 2.0 no feminino“. Os dados baseiam-se num inquérito realizado no âmbito da sua tese de mestrado (ainda não publicada), que revela resultados surpreendentes sobre a prática feminina desta disciplina.

Se o yoga era inicialmente praticado na Ásia apenas por homens, à medida que migrou para o ocidente e se aculturou aos diferentes países onde se instalou, foi-se tornando progressivamente mais praticado por mulheres. De acordo com o estudo, o perfil das praticantes de yoga nos países ocidentais revela que elas têm, na sua maioria, de 26 a 45 anos, são de classe média, têm uma escolaridade elevada e não são filiadas em qualquer partido político.

Mas como se terá dado esta aproximação do sexo feminino à prática da disciplina de meditação? “As mulheres procuraram o yoga como uma forma de espiritualidade e prática espiritual, física e mental porque não tem o domínio patriarcal que é exercido nas religiões. No yoga há mais liberdade para o corpo feminino, não há tanto controlo. A mulher pode praticar em casa sozinha ou reunir-se com outras mulheres na aula de yoga – algo que permite convívio, troca de informação e reforço de laços do feminino,” diz Paulo Hayes, em declarações ao 7MARGENS, depois de uma conferência em Lisboa em que falou sobre o tema, segunda-feira passada, 11 de março, na Universidade Católica. 

O yoga 2.0 foi o termo encontrado pelo autor para descrever esta mudança de paradigma na prática da disciplina: praticado inicialmente apenas por homens, na Índia, começa, durante o século XX, a ser praticado no Ocidente, mais por mulheres.

“O paradigma do yoga moderno é este: com o passar do tempo, a prática afastou-se da religião hindu e da espiritualidade e assumiu uma narrativa biomédica – em que são mais valorizados os benefícios do yoga como terapia.” Segundo Paulo Hayes, esta pode também ser uma das principais razões que leva as mulheres a sentirem-se atraídas pela prática: os benefícios proporcionados ao corpo e mente. “Mesmo no corpo da mulher, há literatura que comprova de que a prática tem benefícios, na questão do parto, na preparação pré e pós-parto,” acrescenta. Segundo o estudo que tem desenvolvido, o yoga pode ainda “suavizar a instabilidade derivada de situações de trauma e de exploração da mulher, podendo promover” a capacitação feminina. 

No mesmo inquérito, o investigador perguntou aos inquiridos qual a finalidade da prática para eles. Em primeiro lugar, surgia “relaxar a mente”, em segundo estava a “espiritualidade” e, em terceiro, “exercitar o corpo.”

Para Hayes, é curioso que espiritualidade surja em segundo lugar, já que 441 dos 1054 inquiridos afirmam “não ter religião”. Mas isso é algo que faz sentido, diz: “A mulher vai procurar esse refúgio, esse momento de espiritualidade que começa num tapete de yoga – quase como um templo.” No estudo, o investigador diz inclusive que “a dimensão institucional do relacionamento com o sagrado manifesta-se na categoria religião. Já a espiritualidade, porque é parte integrante da experiência física pessoal, salienta o bem-estar e o desenvolvimento pessoal no pensamento moderno em conexão com o sagrado.” Já entre os 421 inquiridos que se dizem cristãos, 100 praticavam yoga porque estão à busca de espiritualidade.

Na modernidade ocidental, o yoga não deixa, no entanto, de ser um negócio. Em Portugal, entre aulas, cursos e oficinas, a indústria terá um valor de mercado de aproximadamente cinco milhões de euros. 

Segundo Paulo Hayes, “o yoga moderno é essencialmente postural e a representação na internet e no marketing social são encabeçadas por mulheres brancas, flexíveis, jovens e bonitas, de classe média-alta e com instrução superior.” Beleza, jovialidade, bem-estar físico e mental, acompanhados da ideia de que, em qualquer idade, se podem iniciar práticas de yoga, são alguns dos fatores decisivos que explicam a adesão feminina a esta forma de meditação. Este tipo de representações na publicidade e nos media já levou mesmo a acusações de que isso reflete uma visão estereotipada do corpo feminino.

“Se formos ver as capas das revistas – o Yoga Journal é a mais conhecida nos Estados Unidos, mas é igual nas congéneres europeias -, muitas dela têm sempre uma mulher na capa, com aquela imagem estereotipada. Associa-se essa imagem da mulher magra e bonita ao yoga.”

Acresce que a inexistência de ambiente competitivo nas classes, suportado por outras mulheres adeptas das práticas, permitiu que o yoga se tornasse numa ferramenta económica e eficaz na gestão dos ideais corporais femininos: “Desse ponto de vista é verdade, que o yoga pode ser uma prática feminina. Mas no caso indiano, por exemplo, é mais equilibrado, tendo uma distribuição de aproximadamente 50 por cento, entre mulheres e homens.”

Artigos relacionados

Breves

Parlamento rejeita voto de pesar e solidariedade com Tibete

Os votos do PS, PSD, PCP uniram-se esta sexta-feira no Parlamento para recusar um voto de pesar pelas vítimas da ocupação chinesa do Tibete ao longo de 60 anos e de solidariedade com o povo tibetano. O voto foi proposto pelo deputado André Silva, do PAN (Pessoas Animais e Natureza.)

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Entre margens

Espíritos dos antepassados e santos canonizados, mediadores entre Deus e os Homens

Na tradição católica o acesso a Deus pode ser feito ou por via direta, na qual o crente se dirige a Ele, ou por intermediação de santos canonizados. Enquanto que na cultura bantu, o acesso a Deus é realizado, na maior parte das vezes, por intermediação dos espíritos dos antepassados, os eleitos, e em raras ocasiões por via direta: Homem-Deus. Entretanto, tanto numa, como noutra tradição, existe a crença num Deus único, mas em três pessoas: Pai, Filho, Espírito Santo.

Os bodos de S. Sebastião na Beira Baixa

É dentro deste espírito que ainda hoje, nas terras beirãs, em várias épocas litúrgicas do ano (Natal-Páscoa, Espírito Santo e Nossa Senhora da Assunção), se realizam alguns bodos que teimam em permanecer vivos. Sinal de que as populações os incorporaram na sua vida, tornando-os uma parte significativa e indestrutível da sua história religiosa local.

Reconciliação e fraternidade…

Mais do que uma cerimónia formal, a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana, em 4 de fevereiro de 2019, permitiu a afirmação de uma cultura de paz baseada no respeito mútuo, na liberdade de consciência e na necessidade de uma compreensão baseada no conhecimento e na sabedoria.

Cultura e artes

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritualidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que...

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Capelas de Braga vencem concurso de arquitetura

A capela “ergue-se em madeira, desde a estrutura de suporte até aos planos que lhe conferem o espaço, e é composta por várias peças de madeira, encaixando-se, criando uma estrutura equilibrada que se manifesta como uma floresta à entrada do espaço sagrado”.

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Fale connosco