Yoga no feminino: uma espiritualidade sem domínio patriarcal

13 Mar 19Destaque 2, Espiritualidades, Newsletter, Silêncio e Meditação, Terapias, Últimas

Cerca de 86 por cento dos praticantes do yoga em Portugal são do sexo feminino, conclui um estudo desenvolvido por Paulo Hayes, professor universitário e investigador na Universidade Lusófona, com o título  “Yoga 2.0 no feminino“. Os dados baseiam-se num inquérito realizado no âmbito da sua tese de mestrado (ainda não publicada), que revela resultados surpreendentes sobre a prática feminina desta disciplina.

Se o yoga era inicialmente praticado na Ásia apenas por homens, à medida que migrou para o ocidente e se aculturou aos diferentes países onde se instalou, foi-se tornando progressivamente mais praticado por mulheres. De acordo com o estudo, o perfil das praticantes de yoga nos países ocidentais revela que elas têm, na sua maioria, de 26 a 45 anos, são de classe média, têm uma escolaridade elevada e não são filiadas em qualquer partido político.

Mas como se terá dado esta aproximação do sexo feminino à prática da disciplina de meditação? “As mulheres procuraram o yoga como uma forma de espiritualidade e prática espiritual, física e mental porque não tem o domínio patriarcal que é exercido nas religiões. No yoga há mais liberdade para o corpo feminino, não há tanto controlo. A mulher pode praticar em casa sozinha ou reunir-se com outras mulheres na aula de yoga – algo que permite convívio, troca de informação e reforço de laços do feminino,” diz Paulo Hayes, em declarações ao 7MARGENS, depois de uma conferência em Lisboa em que falou sobre o tema, segunda-feira passada, 11 de março, na Universidade Católica. 

O yoga 2.0 foi o termo encontrado pelo autor para descrever esta mudança de paradigma na prática da disciplina: praticado inicialmente apenas por homens, na Índia, começa, durante o século XX, a ser praticado no Ocidente, mais por mulheres.

“O paradigma do yoga moderno é este: com o passar do tempo, a prática afastou-se da religião hindu e da espiritualidade e assumiu uma narrativa biomédica – em que são mais valorizados os benefícios do yoga como terapia.” Segundo Paulo Hayes, esta pode também ser uma das principais razões que leva as mulheres a sentirem-se atraídas pela prática: os benefícios proporcionados ao corpo e mente. “Mesmo no corpo da mulher, há literatura que comprova de que a prática tem benefícios, na questão do parto, na preparação pré e pós-parto,” acrescenta. Segundo o estudo que tem desenvolvido, o yoga pode ainda “suavizar a instabilidade derivada de situações de trauma e de exploração da mulher, podendo promover” a capacitação feminina. 

No mesmo inquérito, o investigador perguntou aos inquiridos qual a finalidade da prática para eles. Em primeiro lugar, surgia “relaxar a mente”, em segundo estava a “espiritualidade” e, em terceiro, “exercitar o corpo.”

Para Hayes, é curioso que espiritualidade surja em segundo lugar, já que 441 dos 1054 inquiridos afirmam “não ter religião”. Mas isso é algo que faz sentido, diz: “A mulher vai procurar esse refúgio, esse momento de espiritualidade que começa num tapete de yoga – quase como um templo.” No estudo, o investigador diz inclusive que “a dimensão institucional do relacionamento com o sagrado manifesta-se na categoria religião. Já a espiritualidade, porque é parte integrante da experiência física pessoal, salienta o bem-estar e o desenvolvimento pessoal no pensamento moderno em conexão com o sagrado.” Já entre os 421 inquiridos que se dizem cristãos, 100 praticavam yoga porque estão à busca de espiritualidade.

Na modernidade ocidental, o yoga não deixa, no entanto, de ser um negócio. Em Portugal, entre aulas, cursos e oficinas, a indústria terá um valor de mercado de aproximadamente cinco milhões de euros. 

Segundo Paulo Hayes, “o yoga moderno é essencialmente postural e a representação na internet e no marketing social são encabeçadas por mulheres brancas, flexíveis, jovens e bonitas, de classe média-alta e com instrução superior.” Beleza, jovialidade, bem-estar físico e mental, acompanhados da ideia de que, em qualquer idade, se podem iniciar práticas de yoga, são alguns dos fatores decisivos que explicam a adesão feminina a esta forma de meditação. Este tipo de representações na publicidade e nos media já levou mesmo a acusações de que isso reflete uma visão estereotipada do corpo feminino.

“Se formos ver as capas das revistas – o Yoga Journal é a mais conhecida nos Estados Unidos, mas é igual nas congéneres europeias -, muitas dela têm sempre uma mulher na capa, com aquela imagem estereotipada. Associa-se essa imagem da mulher magra e bonita ao yoga.”

Acresce que a inexistência de ambiente competitivo nas classes, suportado por outras mulheres adeptas das práticas, permitiu que o yoga se tornasse numa ferramenta económica e eficaz na gestão dos ideais corporais femininos: “Desse ponto de vista é verdade, que o yoga pode ser uma prática feminina. Mas no caso indiano, por exemplo, é mais equilibrado, tendo uma distribuição de aproximadamente 50 por cento, entre mulheres e homens.”

Artigos relacionados

Breves

Carlos Farinha Rodrigues destaca importância da “economia de Francisco” novidade

A mensagem do Papa sobre a economia assenta no “combate às desigualdades e exclusão social”, na “dignidade do trabalho” e nas “preocupações com a casa comum”, diz o economista Carlos Farinha Rodrigues, em declarações à Ecclesia, a propósito de um debate sobre o encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá no próximo ano.

Duches para crianças pobres de Roma com apoio do Papa novidade

A Esmolaria Apostólica, que coordena as iniciativas caritativas do Papa, irá apoiar um projeto de banhos solidários para crianças pobres de Roma, já a partir desta quinta-feira, 19 de setembro. A iniciativa surge da associação italiana de médicos voluntários, a ‘Medicina Solidária’. “Estamos em guerra contra a pobreza”, afirma Lucia Ercoli, médica e presidente da associação, que gere seis consultórios itinerantes, também com o apoio da Esmolaria Apostólica.

John Kerry quer políticos a acelerar combate à emergência climática

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quer uma mobilização global dos governantes para acelerar o combate às alterações climáticas. Durante o encontro “O Futuro do Planeta”, organizado em Lisboa pelas Fundações Oceano Azul e Francisco Manuel dos Santos, o antigo candidato à presidência dos Estados Unidos afirmou que os governos mundiais têm atuado de forma irresponsável no cumprimento do Acordo de Paris, de 2015.

Bispos sul-africanos querem proteger mulheres contra homicídios

Os bispos católicos da África do Sul aconselham o Governo a agir contra a violência dirigida a mulheres e meninas, após uma série de mortes e violações que causaram revolta no país, que tem um dos maiores índices de homicídios do mundo: 3000 mulheres mortas em 2018 e 58 assassinadas diariamente.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O Brexit dos pobres novidade

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

Como resistiu Moçambique ao Idai, no olhar de fotojornalistas

“Resistir ao Idai” é o título de uma exposição de fotografias sobre a tragédia que varreu o centro de Moçambique em março deste ano, presente no salão nobre da Casa da Imprensa, em Lisboa, até ao próximo dia 5 de setembro de 2019 (de segunda a sexta, 14h30-19h30).

A “igreja envolvente” de Paço d’Arcos assinala 50 anos com um livro

“Igreja envolvente, moderna, ampla e funcional, pensada e proposta no espírito do Concílio Vaticano II para acompanhar o modo apostólico do seu e de todos os tempos.” É assim que João Alves da Cunha, arquitecto e investigador, se refere à igreja paroquial da Sagrada Família, de Paço d’Arcos, que este sábado, 24 de Agosto, completa 50 anos sobre a sua consagração. Às 16h, será apresentado o livro “Igreja da Sagrada Família de Paço de Arcos – 50 anos de arquitetura religiosa moderna/1969-2019”.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Set
20
Sex
“Um milagre todos os dias” – projecção de filme e debate @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Set 20@11:15_13:00

O filme, estreado em 2018, foi realizado por Henrique Manuel Pereira e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica. Destaca a vida do Lar das Irmãzinhas dos Pobres, do Pinheiro Manso, inclui mais de três dezenas de depoimentos de residentes, funcionários, religiosas, voluntários e benfeitores.

“Com manifestações de humor e de solidão, de força e de fragilidade, de abnegada dedicação e criativo serviço, tendo por horizonte a ‘última estação da vida’, o filme configura um retrato realista do pulsar da vida daquela que é uma das instituições mais apreciadas e estimadas da cidade do Porto”, lê-se na sinopse.

A projecção será seguida por um debate com a participação do realizador, José Leitão (Centro de Reflexão Cristã), e João Eleutério, professor da Faculdade de Teologia.

Set
21
Sáb
Visitas guiadas ao Convento e Igreja de São Domingos, em Lisboa @ Convento de São Domingos
Set 21@10:00_12:00

As visitas serão acompanhadas pelo arquitecto João Alves da Cunha; haverá duas visitas: às 10h e 11h.

Encontro Também Somos Terra @ Casa de Espiritualidade do Linhó (Irmãs Doroteias)
Set 21@11:00_18:00

Ver todas as datas

Fale connosco