Tragédia no Brasil: lucro das mineradoras à custa do sacrifício humano e do meio ambiente

| 28 Jan 19

“É muito triste constatar que o ‘desastre de Mariana’ tenha ensinado tão pouco.” Foto © Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

 

Não cuidar da Casa Comum “é uma ofensa ao Criador, um atentado contra a biodiversidade e, definitivamente, contra a vida” diz a Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) em comunicado, lamentando a rotura da barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, no estado de Minas Gerais.

No texto reproduzido pelo Vatican News, o cardeal Cláudio Hummes, presidente da REPAM, alerta para as consequências da exploração mineira e reforça a ideia de que esta “carece de um marco regulatório que tire do centro o lucro exorbitante das mineradoras ao preço do sacrifício humano e da depredação do meio ambiente com a consequente destruição da biodiversidade.” 

Como já tinha sido anteriormente alertado na carta pastoral Discípulos Missionários Guardiões da Casa Comum, publicada pelo CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano, que reúne todos os bispos da América Latina), a carta da Rede denuncia a tendência de empresas mineiras usurparem terrenos de populações tradicionais da Amazónia, limitando o seu acesso a meios de subsistência e destruindo as suas culturas.

A barragem da mina de Córrego do Feijão rebentou na sexta-feira, 25 de janeiro, libertando um mar de lama que destruiu as casas e vegetação da região. Até esta segunda-feira, 28, há confirmação de 60 mortos, 292 desaparecidos e 135 desalojados.

A mina de Córrego do Feijão foi aberta em 1956 pela Companhia de Mineração Ferro e Carvão, que depois passou a gestão para a empresa Feterco. Desde 2003, estava nas mãos da empresa brasileira Vale. O complexo mineiro é responsável por escoar ferro para os mercados interno e de exportação. Segundo dados da empresa, a Mina Córrego do Feijão empregava 613 pessoas.

Em dezembro passado, a empresa terá obtido licenciamento ambiental para ampliar a mina e reaproveitar a barragem lá existente, que estava inativa. Segundo Bruno Milanez, estudioso da economia da mineração entrevistado pela Folha de S.Paulo, este licenciamento foi obtido “demasiado rápido” devido a uma lei aprovada pelo secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais em dezembro de 2017, que alterou os critérios de risco de algumas barragens.

Na entrevista, Milanez aproveita para relacionar o desastre com outro que ocorreu em 2015 na barragem do Fundão em Mariana, ressalvando que era uma tragédia que já estava anunciada: “Em 2015, a gente não discutia se teria outros rompimentos, mas quando aconteceriam.” 

O especialista destaca ainda que, para a situação não se voltar a repetir, seria necessário “estabelecer distâncias mínimas, como 10 km, entre barragens e comunidades” bem como limitar ou “proibir barragens construídas com a técnica à montante” – o tipo mais comum, mais barato e menos seguro, usado em Mariana e em Brumadinho.

Denunciando “um crime socio-ambiental”, a rede Íglesias Y Míneria (Igrejas e Mineração) pede justiça para as famílias das vítimas salientando que “desastres causados por comportamento irresponsável de empresas aliadas ao poder público não podem ser chamados de ‘acidentes ambientais’.” A propósito da tragédia anterior, também a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lamenta: “É muito triste constatar que o ‘desastre de Mariana’ tenha ensinado tão pouco.”

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

O sofrimento como elemento axiomático da reflexão sobre a eutanásia novidade

Após umas notas na página do 7MARGENS no Facebook, pedem-me para lhes dar forma de artigo a fim de poder ser publicado. Está bem. Por alguma razão, que não estará fora do entendimento de quem venha a ler estas linhas, lembrei-me de ir buscar à estante o disco Requiem for My Friend, do compositor contemporâneo Zbigniew Preisner. Há muito que penso que gostaria de o ter no meu funeral e, por maioria de razão, se algum dia eu for sujeito a eutanásia, no momento da passagem.

Eutanásia ativa: não, não creio!… novidade

É possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objeto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura. Assim se garantirá ao Parlamento a total legitimidade de que...

Eutanásia: Para que os que não vêem, vejam… novidade

Foi elucidativo e frutuoso o diálogo entre a deputada Isabel Moreira, constitucionalista, e o padre José Nuno, porta-voz do Grupo Inter-Religioso Religiões-Saúde, levado a cabo pela TVI24, quinta-feira, 13 de Fevereiro, no Jornal das 8 (aqui um pequeno excerto; até às 20h do próximo dia 20 ainda é possível, para quem tem operador de televisão digital, ver o debate na íntegra).

Fale connosco