Tragédia no Brasil: lucro das mineradoras à custa do sacrifício humano e do meio ambiente

| 28 Jan 19

“É muito triste constatar que o ‘desastre de Mariana’ tenha ensinado tão pouco.” Foto © Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

 

Não cuidar da Casa Comum “é uma ofensa ao Criador, um atentado contra a biodiversidade e, definitivamente, contra a vida” diz a Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) em comunicado, lamentando a rotura da barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, no estado de Minas Gerais.

No texto reproduzido pelo Vatican News, o cardeal Cláudio Hummes, presidente da REPAM, alerta para as consequências da exploração mineira e reforça a ideia de que esta “carece de um marco regulatório que tire do centro o lucro exorbitante das mineradoras ao preço do sacrifício humano e da depredação do meio ambiente com a consequente destruição da biodiversidade.” 

Como já tinha sido anteriormente alertado na carta pastoral Discípulos Missionários Guardiões da Casa Comum, publicada pelo CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano, que reúne todos os bispos da América Latina), a carta da Rede denuncia a tendência de empresas mineiras usurparem terrenos de populações tradicionais da Amazónia, limitando o seu acesso a meios de subsistência e destruindo as suas culturas.

A barragem da mina de Córrego do Feijão rebentou na sexta-feira, 25 de janeiro, libertando um mar de lama que destruiu as casas e vegetação da região. Até esta segunda-feira, 28, há confirmação de 60 mortos, 292 desaparecidos e 135 desalojados.

A mina de Córrego do Feijão foi aberta em 1956 pela Companhia de Mineração Ferro e Carvão, que depois passou a gestão para a empresa Feterco. Desde 2003, estava nas mãos da empresa brasileira Vale. O complexo mineiro é responsável por escoar ferro para os mercados interno e de exportação. Segundo dados da empresa, a Mina Córrego do Feijão empregava 613 pessoas.

Em dezembro passado, a empresa terá obtido licenciamento ambiental para ampliar a mina e reaproveitar a barragem lá existente, que estava inativa. Segundo Bruno Milanez, estudioso da economia da mineração entrevistado pela Folha de S.Paulo, este licenciamento foi obtido “demasiado rápido” devido a uma lei aprovada pelo secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais em dezembro de 2017, que alterou os critérios de risco de algumas barragens.

Na entrevista, Milanez aproveita para relacionar o desastre com outro que ocorreu em 2015 na barragem do Fundão em Mariana, ressalvando que era uma tragédia que já estava anunciada: “Em 2015, a gente não discutia se teria outros rompimentos, mas quando aconteceriam.” 

O especialista destaca ainda que, para a situação não se voltar a repetir, seria necessário “estabelecer distâncias mínimas, como 10 km, entre barragens e comunidades” bem como limitar ou “proibir barragens construídas com a técnica à montante” – o tipo mais comum, mais barato e menos seguro, usado em Mariana e em Brumadinho.

Denunciando “um crime socio-ambiental”, a rede Íglesias Y Míneria (Igrejas e Mineração) pede justiça para as famílias das vítimas salientando que “desastres causados por comportamento irresponsável de empresas aliadas ao poder público não podem ser chamados de ‘acidentes ambientais’.” A propósito da tragédia anterior, também a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lamenta: “É muito triste constatar que o ‘desastre de Mariana’ tenha ensinado tão pouco.”

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Pessoas

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Funeral do antigo Chefe de Estado

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Os valores que o Presidente Jorge Sampaio viveu na sua vida pública eram “com certeza” valores “essencialmente cristãos”, disse o cardeal-patriarca de Lisboa, a propósito da acção política do antigo Presidente da República. Sábado ao final da manhã, na fila no meio de outros cidadãos para velar o corpo de Sampaio, o patriarca disse, em declarações à RTP, que os princípios da “solidariedade, atenção a todos, sobretudo os mais pobres, os mais excluídos, e a preocupação não apenas pelo que está próximo” mas também por quem está mais longe, “tudo isso é essencialmente cristão”.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

O outro sou eu

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This