O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

| 21 Mar 19

As margens. Quando olho as margens como um desafio, quando elas são um chamamento para sair de mim, do espaço que conheço e que me conhece, e ir mais além (re)encontrar-me na Humanidade do Outro, essas margens valem a pena! Porque essas são as margens que geram a vontade de criar pontes – sem pontes não é possível caminhar para o Outro, sem pontes não acolho e ninguém me acolhe, não abraço e ninguém me abraça.

Quando as margens são vontade de amar o próximo, de o aceitar nas suas fragilidades, nas suas limitações, nas suas diferenças, essas margens valem a pena! Porque essas são as margens que salvam, são as margens em que, quando aporto, encontro novas riquezas e novos sentidos para a minha própria existência; que me fazem olhar com humildade para as outras de onde parti: lá longe, pequeninas e bem menos importantes do que eu pensava que eram quando delas zarpei, tão cheia de certezas sobre o valor moral dos outros.

Mas, se eu olho as margens como linhas de corte, arrogantes e definitivas, que me separam e resguardam do Outro, que posso delas esperar como Pessoa? Se as minhas margens marginalizam, se desdenham, se recusam, se reprovam, que posso eu esperar senão manter-me do tamanho que tenho no sítio de onde nunca saio? Se as margens são muros que afastam, que impedem, que escorraçam, que posso eu esperar do Outro senão medo, mágoa e ressentimento? Afinal, ninguém pode esperar receber mais do que aquilo que está disposto a dar.

No nosso dia-a-dia, faz por isso todo o sentido que nos perguntemos sobre o tipo de margens que vamos tendo uns com os outros. Se são margens que geram pontes, ou se são margens que se transformam em muros. Quando questionados sobre o que achamos correto, facilmente aderimos à retórica da solidariedade e do diálogo. Mas, o que acontece verdadeiramente quando nos cruzamos com pessoas diferentes, que não comungam das nossas ideias, da nossa Fé, das nossas posições ideológicas, das nossas escolhas? Aí, não raras vezes estamos mais dispostos a bater do que a debater, a gritar do que a escutar, a condenar do que a compreender. É verdade que não é fácil (re)aprender a olhar o Outro como irmão e a entender a margem como “Possibilidade”. Mas temos de tentar. Vale a pena tentar. Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Isabel Estrada Carvalhais é Professora associada da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, doutorada em Sociologia e candidata independente do Partido Socialista ao Parlamento Europeu.

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Boas notícias

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

Cristãos e muçulmanos juntos

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

A tragédia que ocorre na província moçambicana de Cabo Delgado em consequência de ataques de insurgentes que se reivindicam do jihadismo obriga, constantemente, a rever o número de mortos e de deslocados. Mas também impõe que se olhe com muita atenção para o trabalho de apoio aos que se apresentam numa situação mais vulnerável

É notícia 

Entre margens

John Rawls: a religião nos limites da razão

John Rawls: a religião nos limites da razão novidade

John Rawls nasceu há pouco mais de 100 anos (21.2.1921) e A theory of justice, a sua obra mais conhecida e seguramente o mais importante tratado de filosofia política de todo o século XX, data de 1971. Duas datas que os amantes da liberdade e da democracia política têm abundantes razões para celebrar, mas quase despercebidas na imprensa e na pomposamente chamada academia, territórios onde a razão serena vem tendo evidente dificuldade em singrar.

Como árvores desfolhadas

Como árvores desfolhadas

Um dia destes, alguém chamou a minha atenção para as duas árvores defronte à minha casa. Duas árvores da mesma natureza; mas enquanto uma delas estava coberta de folhas, a outra estava desfolhada.

Tecnologia: do centro e das margens

Tecnologia: do centro e das margens

Para sair do centro para a periferia, não basta uma conversão espiritual, é necessária uma revolução tecnológica, que não é digital. Porque quem usar na periferia as técnicas do centro pode acabar eletrocutado, perdão, sociocutado.

Cultura e artes

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço

Pré-publicação 7M

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço novidade

Frederico Lourenço, que tem estado a traduzir a Bíblia, num projeto muito aplaudido, apresenta agora a tradução para português dos evangelhos apócrifos, a partir das línguas originais – latim e grego. Combatidos a partir do século IV e excluídos a partir do século XVI, estes evangelhos apócrifos são agora reunidos numa edição bilingue. Pré-publicação.

Sete Partidas

Vigília

Vigília

Cai a noite. Esta noite é em Berlim. As noites são agora aqui, mas já foram em Coimbra, no Porto, em Lisboa. E estas noites acontecem em todo o mundo, disso tenho a certeza. O que faz um(a) médico(a) passar a noite à volta de um doente que sabe que, após uma primeira avaliação, é quase certo que não vai sobreviver? É quase certo.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This