E a nossa hospitalidade para com a Casa Comum?

| 9 Jan 2019 | Entre Margens

Hospitalidade, saber ser acolhido e acolher, foi o tema reflectido nas orações da noite e nas reflexões dos jovens em pequenos grupos, ao longo do encontro europeu anual da “Peregrinação da Confiança” em Madrid; essa foi a proposta da comunidade de Taizé para o tema a ser desenvolvido nos encontros durante o ano de 2019.

Num encontro europeu de Taizé este tema, por força das circunstâncias, toca especialmente todos os participantes atendendo ao facto de estarmos fora das nossas cidades: dão-nos de comer e um sítio para dormir, integrados em paróquias ou famílias de acolhimento que nos recebem. A hospitalidade não foi para nós só uma ideia ou um conceito abstracto; foi, sim, a realidade do dia-a-dia.

Além do importante tema dos migrantes e refugiados que chegam às nossas fronteiras, há outro tipo de hospitalidade que, como seguidores de Jesus, devemos ter em conta:

A hospitalidade na nossa Casa Comum, o planeta.

A maior convergência entre todas as religiões é a fé no Deus Criador. Em Genésis 1, lemos que Deus criou a luz, o céu, a Terra, os astros, as aves, os seres vivos que andam na água e na terra, animais domésticos e selvagens. Depois de cada criação, há uma conclusão: ‘Deus viu que era bom’.
O ser humano foi a última criação de Deus, acolhido, assim, por tudo quanto já existia.

Nos dias que correm, subsistem, então, as seguintes perguntas:

Estaremos a saber ser acolhidos na nossa casa comum?

Mostramos gratidão por tudo o que Deus gratuitamente nos ofereceu e continua a oferecer-nos?

Estaremos a ser fiéis a Deus se descuidamos algo que ‘Deus viu que era bom’ ?


Hoje em dia, os desafios apresentados aos cristãos são vastos e não se restringem à Criação per si mas ao mais importante mandamento dado por Jesus: ‘Ama o teu próximo como a ti mesmo’.

O actual consumo excessivo de produtos e bens, iniciado com a Revolução Industrial (um pequeno momento nos 4,5 mil milhões de anos da Terra), tem emitido GEE (gases com efeito de estufa) para a atmosfera, aquecendo o ar.

A nossa constante resposta positiva à produção industrial, consumindo desmesuradamente, levou a um insuportável aquecimento do planeta. Na Bíblia, por todo o Antigo e Novo Testamento vemos a sacralidade da água: ela faz crescer os nossos alimentos e purifica. Com o aquecimento do planeta, a água evapora, há menos chuva e/ou fenómenos climáticos atípicos, impedindo ou tornando muito difícil o crescimento dos alimentos. Nos sítios mais quentes, onde já se morre de pobreza, irá acontecer um genocídio climático. Os efeitos já se sentiram este ano e a reciclagem não é solução.

A busca do meu prazer mundano em alimentos e produtos não pode, como seguidor(a) de Cristo, sobrepor-se a salvar uma vida, várias vidas, seja aqui, seja na África do Sul, seja agora ou daqui a poucos anos. Por isso, temos de ser exemplos para os outros de sensibilização e mudança de hábitos: não comprando coisas novas mas usadas (desse modo não gastando novos recursos e não emitindo novos GEE), reduzindo para mais de metade o consumo de carne, optarmos pela reparação ou reutilização de bens, usando sacos de pano em vez de plástico ou papel, deixando o carro mais vezes em casa ou optando pelo uso de carros que têm como fonte energias renováveis.

Como cristãos, somos chamados a escolher de que lado estamos perante tudo o que irá acontecer: do lado dos que salvaram vidas ou dos que contribuíram para o genocídio climático?

António Guterres avisa que temos apenas dois anos para mudar de hábitos antes que tudo ocorra.

Por isso, devemos explorar o tema da hospitalidade na casa comum, ecologia, sustentabilidade e, principalmente, ser um testemunho vivo desta mudança por Cristo e em Cristo no amor pelo próximo.

Neste encontro de Taizé, houve pequenas reflexões e orações sobre a ecologia.

Um aspecto positivo do encontro é que houve reciclagem das garrafas de plástico e as refeições quentes disponibilizadas para todos os participantes foram veganas. Há outros aspectos a melhorar nesta ou em iniciativas de dimensão similar no seio da Igreja de Cristo: neste encontro, tanto quanto se viu, os recipientes de plástico das refeições quentes não foram reciclados. Tal equivale a 56 mil embalagens de plástico no lixo comum. Segundo as informações que chegam a nós através dos media, essas embalagens vão parar aos oceanos transformando-se em microplásticos ingeridos pelo peixe que comemos, ou queimados emitindo GEE, ou acabarão em lixeiras onde ficarão 250 a 400 anos a degradarem-se e impedindo que outros resíduos domésticos – que rapidamente se degradariam – consigam decompor-se.

Aprendamos juntos, aproveitando a vantagem desta sociedade de informação em que vivemos, a ser acolhidos na Criação de Deus, da qual fazemos parte, vivendo esta hospitalidade como símbolo da fidelidade e do amor de Deus por nós.

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

Breves

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A Palavra, de Carl Dreyer: Provas de Vida

“Discute-se muito o milagre final de A Palavra, mas muitas vezes todos os outros que passam precisamente por esta potência da palavra e do gesto são esquecidos como momentos inesperados de mudança.” A crónica de cinema de Sérgio Dias Branco.

Via Sacra na Noite de Natal

Poderosa é Julia Roberts, no papel desta “mãe coragem”. Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem. Fala-se do filme “O Ben está de Volta”.

Pessoas

Sete Partidas

Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Visto e Ouvido

Agenda

Fev
25
Seg
Estreia do documentário “Energia Para Mudar”, e debate com Francisco Ferreira (Associação Zero) e Pedro Walpole, sj (Plataforma EcoJesuit) @ Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (sala 3.2.13)
Fev 25@17:30_18:30
Debate: papel da comunicação social na protecção da democracia e na eliminação ou promoção do discurso do ódio @ Casa da Imprensa
Fev 25@18:30_20:00

participam:

Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu;
José Manuel Pureza, deputado e professor universitário;
Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora
Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana)

Fev
26
Ter
Jornadas Para Acordar – Do despertar pessoal aos Acordos para a Transição Ecológica Justa @ Centro Univº P. Antº Vieira - Lisboa
Fev 26@18:00_20:30

Ver todas as datas

Entre margens

Escutar a morte entre câmaras e microfones

Em Guimarães, decorre até domingo, dia 24, o congresso A Morte – leituras da humana condição; o jornalista Manuel Vilas Boas interveio na mesa redonda sobre A decisão jornalística: Quando a morte (não) é notícia; aqui se regista o texto da intervenção.

Em Cristo para a vida do mundo

Enquanto esperamos as conclusões do encontro no Vaticano, sobre os abusos sexuais, e nos dispomos a levar à prática as indicações que nos vão ser dadas, apressemo-nos a lutar contra o clericalismo como uma boa maneira de acabar com todas estas formas de abuso.

Homossexualidade e clero católico

A questão da homossexualidade de muitos padres católicos não é para mim irrelevante, porque discordo da contradição intrínseca que consiste na existência de um clero obrigado a papaguear um discurso condenatório da homossexualidade, quando esse mesmo clero também é, em percentagem decerto discutível, constituído por muitos homossexuais.

Fale connosco