E a nossa hospitalidade para com a Casa Comum?

| 9 Jan 19 | Entre Margens

Hospitalidade, saber ser acolhido e acolher, foi o tema reflectido nas orações da noite e nas reflexões dos jovens em pequenos grupos, ao longo do encontro europeu anual da “Peregrinação da Confiança” em Madrid; essa foi a proposta da comunidade de Taizé para o tema a ser desenvolvido nos encontros durante o ano de 2019.

Num encontro europeu de Taizé este tema, por força das circunstâncias, toca especialmente todos os participantes atendendo ao facto de estarmos fora das nossas cidades: dão-nos de comer e um sítio para dormir, integrados em paróquias ou famílias de acolhimento que nos recebem. A hospitalidade não foi para nós só uma ideia ou um conceito abstracto; foi, sim, a realidade do dia-a-dia.

Além do importante tema dos migrantes e refugiados que chegam às nossas fronteiras, há outro tipo de hospitalidade que, como seguidores de Jesus, devemos ter em conta:

A hospitalidade na nossa Casa Comum, o planeta.

A maior convergência entre todas as religiões é a fé no Deus Criador. Em Genésis 1, lemos que Deus criou a luz, o céu, a Terra, os astros, as aves, os seres vivos que andam na água e na terra, animais domésticos e selvagens. Depois de cada criação, há uma conclusão: ‘Deus viu que era bom’.
O ser humano foi a última criação de Deus, acolhido, assim, por tudo quanto já existia.

Nos dias que correm, subsistem, então, as seguintes perguntas:

Estaremos a saber ser acolhidos na nossa casa comum?

Mostramos gratidão por tudo o que Deus gratuitamente nos ofereceu e continua a oferecer-nos?

Estaremos a ser fiéis a Deus se descuidamos algo que ‘Deus viu que era bom’ ?


Hoje em dia, os desafios apresentados aos cristãos são vastos e não se restringem à Criação per si mas ao mais importante mandamento dado por Jesus: ‘Ama o teu próximo como a ti mesmo’.

O actual consumo excessivo de produtos e bens, iniciado com a Revolução Industrial (um pequeno momento nos 4,5 mil milhões de anos da Terra), tem emitido GEE (gases com efeito de estufa) para a atmosfera, aquecendo o ar.

A nossa constante resposta positiva à produção industrial, consumindo desmesuradamente, levou a um insuportável aquecimento do planeta. Na Bíblia, por todo o Antigo e Novo Testamento vemos a sacralidade da água: ela faz crescer os nossos alimentos e purifica. Com o aquecimento do planeta, a água evapora, há menos chuva e/ou fenómenos climáticos atípicos, impedindo ou tornando muito difícil o crescimento dos alimentos. Nos sítios mais quentes, onde já se morre de pobreza, irá acontecer um genocídio climático. Os efeitos já se sentiram este ano e a reciclagem não é solução.

A busca do meu prazer mundano em alimentos e produtos não pode, como seguidor(a) de Cristo, sobrepor-se a salvar uma vida, várias vidas, seja aqui, seja na África do Sul, seja agora ou daqui a poucos anos. Por isso, temos de ser exemplos para os outros de sensibilização e mudança de hábitos: não comprando coisas novas mas usadas (desse modo não gastando novos recursos e não emitindo novos GEE), reduzindo para mais de metade o consumo de carne, optarmos pela reparação ou reutilização de bens, usando sacos de pano em vez de plástico ou papel, deixando o carro mais vezes em casa ou optando pelo uso de carros que têm como fonte energias renováveis.

Como cristãos, somos chamados a escolher de que lado estamos perante tudo o que irá acontecer: do lado dos que salvaram vidas ou dos que contribuíram para o genocídio climático?

António Guterres avisa que temos apenas dois anos para mudar de hábitos antes que tudo ocorra.

Por isso, devemos explorar o tema da hospitalidade na casa comum, ecologia, sustentabilidade e, principalmente, ser um testemunho vivo desta mudança por Cristo e em Cristo no amor pelo próximo.

Neste encontro de Taizé, houve pequenas reflexões e orações sobre a ecologia.

Um aspecto positivo do encontro é que houve reciclagem das garrafas de plástico e as refeições quentes disponibilizadas para todos os participantes foram veganas. Há outros aspectos a melhorar nesta ou em iniciativas de dimensão similar no seio da Igreja de Cristo: neste encontro, tanto quanto se viu, os recipientes de plástico das refeições quentes não foram reciclados. Tal equivale a 56 mil embalagens de plástico no lixo comum. Segundo as informações que chegam a nós através dos media, essas embalagens vão parar aos oceanos transformando-se em microplásticos ingeridos pelo peixe que comemos, ou queimados emitindo GEE, ou acabarão em lixeiras onde ficarão 250 a 400 anos a degradarem-se e impedindo que outros resíduos domésticos – que rapidamente se degradariam – consigam decompor-se.

Aprendamos juntos, aproveitando a vantagem desta sociedade de informação em que vivemos, a ser acolhidos na Criação de Deus, da qual fazemos parte, vivendo esta hospitalidade como símbolo da fidelidade e do amor de Deus por nós.

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

Breves

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Cultura e artes

O armário de Frédéric Martel

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Pessoas

Redescobrir a fé, uma aventura maior do que emigrar

Redescobrir a fé, uma aventura maior do que emigrar

Marisa Fernandes veio de Cabo Verde para Portugal, à procura da concretização de um sonho que ficou pelo caminho. Mas quer continuar a lutar, agora com a sua filha, a quem quer transmitir a experiência de um Deus com quem se pode conversar. E diz que foram a procura e a dúvida que a levaram à fé como uma experiência de “amor e tranquilidade.”

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Entre margens

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Fale connosco