Diário de viagem V: Dos mexilhões à alta tecnologia (e um banho de mar, brrrrr…)

| 8 Fev 2019 | Sociedade, Últimas

TanTan Plage. Aqui dormimos e daqui partimos para o quinto dia da nossa jornada.

Guardo memórias contraditórias deste local onde sempre convém parar: sofredoras, pois quando vim trazer o primeiro jipe à Guiné, em 2007, a pick-upque nos acompanhava queimou a junta de colaça e aqui estivemos três dias e três noites a consertá-la, num esforço hercúleo e num teste à paciência; benévolas, porque contactámos com a população local como em nenhuma outra ocasião (jogámos vólei de praia com os jovens e as jovens marroquinos, coisa que parecia impensável!)e comemos os melhores mexilhões da vida toda, que nós próprios pescámos e cozinhámos num fogão emprestado por uma francesa que não teve vergonha alguma de se apresentar com uma crosta de sujidade que media vários centímetros e fazia os olhos vomitar (refiro-me ao fogão, porque a francesa apresentou-se bem limpinha e tratadinha).

Nessa altura, morava aqui pouca gente que não estava habituada a forasteiros e tudo era muito pobre. Passados estes 12 anos, encontrei uma TanTan completamente nova: muita construção, muitos hotéis, uma marginal digna dos países mais desenvolvidos com muros revestidos da melhor mármore, que até o mar vinha beijar. No fim do jantar passeámo-nos por lá estupefactos com tanto desenvolvimento e dizendo bem do monarca marroquino. Foi nesse passeio à beira mar que decidimos fazer campanha, logo que regressássemos a Portugal, para que vá abaixo a República e o nosso Presidente Marcelo Rebelo de Sousa seja aclamado nosso Rei!

Como sabíamos que a jornada ia ser muito longa, levantamo-nos às 4h30 da manhã (hora portuguesa), tomámos o pequeno-almoço, sem tempo para o mastigar, e rumamos a Dakhla, a mais de 800km. 

Duas coisas nos foram moendo o corpo e dilacerando a paciência : os contínuos controlos policiais e a estrada cheia de buracos, num dos troços em obras. Estes eram tantos, que mais valia o Governo marroquino colocar um fecho éclair. Assim fechávamos o buraco, como quem fecha um blusão, para passarmos sem estragar os carros. 

Era nossa intenção parar para almoçar num local paradigmático para os portugueses: o Cabo Bojador.  Foi aqui que Gil Eanes, ao dobrá-lo, mostrou que o medo já não era do tamanho do mundo. E “quem passa o Cabo Bojador, passa além da dor”. E conseguimos! Chegámos a Bonjadour pela uma da tarde. Comemos abrigados pela sombra do monumento que não tem nem a grandeza nem a dignidade dos nossos ilustres navegadores: é simples de mais para um feito tão grandioso!

Sabem quem não foi pequeno na coragem e na ousadia? O António e o Luís Pedro! Para espanto do grupo, apresentam-se de calções de banho e atiram-se ao mar como quem berra a coragem do “portuga” e como quem presta justa homenagem a Gil Eanes. Até me arrepiei ao vê-los, depois, a secarem o pêlo ao vento, que ali soprava agreste e bravo.

Foi daí que enviámos um filme que, soubemos depois, passou no Porto Canal às 18h30 e onde mostrávamos, orgulhosos, o nosso bar montado no motor do jipe. Sim, não é ficção: todos os dias abrimos o capô do jipe, o Teixeira monta uma máquina especial e tomamos café que, garantimos, não é feito com água do radiador. Alta tecnologia também “portuga” com patente registada!

Partimos consolados. Parámos, passadas longas horas, numas falésias fantásticas para beber as últimas cervejas (chorámos a desgraça!) e lancharmos. Foi aí que o padre maior de todos, o amigo Luki, foi o mais pequeno no juízo ao arremessar o jipe pela zona red linedas falésias! Enfim, a adolescência continuada no tempo. Logo lhe perdoámos, por ser ele tão fantástica pessoa e tão extraordinário amigo.

Daqui a Dakhla foi um salto de pardal. Chegámos na melhor altura: estava o sol a deitar-se no horizonte e maquilhar-se de beleza, como fazem as mulheres antes do repouso (e nos semáforos enquanto estão vermelhos…). Estava divinamente belo! Parámos para o fotografar e rapidamente nos dirigimos para o Dar Dakhla, alojamento reservado previamente mas que se mostrou mais fraco do que esperávamos. Mas não há versão de luxo para uma “peregrinação” destas. 

Dois estavam tão cansados, que nem quiseram jantar. Os outros seis já tinham tão poucas forças, que lhes faltava a vontade para cozinhar. Resolvemos ir comer fora. Pela primeira vez! 

Também pela vez primeira, os nossos carros ficaram na rua cheios das nossas tralhas e do material que levamos para oferecer à Guiné, sem ninguém a guardá-los. É por isso que me deito tão cansado, quanto preocupado!…

 

Companheiro de viagem: Tito Baião, 67 anos

Moro em Matosinhos e sou fã do Benfica. Estou reformado, sou ex-gestor e professor e atualmente presidente da ONGD (Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento) Na Rota dos Povos.

Nasci no ex-Congo Belga (hoje República Democrática do Congo), onde estive até aos 11 anos. Fui para Portugal em 1962 onde me formei e trabalhei. 

Em 2001 fundei com vários amigos a organização Na Rota dos Povos, para passarmos recibos aos patrocinadores de aventuras de viagens de moto pelo mundo e alguma ação humanitária.

Numa das muitas viagens que fiz de moto, nomeadamente uma volta ao mundo, um dos elementos da Na Rota dos Povos foi abordado por um guineense em Catió, que nos pediu ajuda para “ter maior capacitação”, ou seja, serem “melhores pessoas”. Isto atingiu cá o senhor professor, que pôs em marcha toda esta dinâmica, auxiliado por mais de 30 pessoas há mais de dez anos, transformando e obtendo o estatuto de ONGD para a “Na Rota dos Povos”. Entretanto já fiz aRota Porto-Bissau três vezes, a última das quais tinha sido em 2014.

A cerca de 360 quilómetros a sul de Bissau, na região de Tomabil, setores de Catió, Cacine, Quebo, Bernanda, Ilha do Komo, nos últimos 10 anos, montámos e/ou oferecemos:

210 salas de aula, com carteiras, quadros, portas, janelas… material resultante das intervenções da Parque Escolar em Portugal e posteriormente oferecido pela DREN, bem como material escolar oferecido por 17 escolas e transportado em 19 contentores de 40 pés cedido pela Maerks em excecionais condições;

cinco bibliotecas;

uma casa para órfãos de mães que morrem no parto (inicialmente eu até recusei a ideia, por ser um projeto sem fim, mas a Susana Antunes, Otávio Coelho e Anabela, ambos da Curtes garantiram-me que haveria apoios mensais para esta causa);

um infantário dos 3 aos 6 anos;

um carro de transporte de doentes oferecido pela Cruz Vermelha, Gondomar e Valongo;

uma pick-up, oferecida por particulares.

Ficámos ainda responsáveis por irem 15 jovens estudarem e formarem-se em Portugal, para depois voltarem à Guiné; quatro deles já se licenciaram e já voltaram ao seu país.

Estou nesta viagem para levar a pick-upe fazer a rendição dos voluntários em Catió. Eles estão lá desde o início de Janeiro, continuando a ação humanitária desenvolvida nestes 10 últimos anos.

O que mais me surpreendeu nesta primeira metade da viagem foi o enorme desenvolvimento de Marrocos nestes últimos cinco anos. E o que espero da segunda metade? Sempre fiz esta viagem atravessando a Gâmbia e nunca tive problemas nas fonteiras, apesar de em alguns trajetos haverem barreiras de troncos e “ninho de metralhadora” por problemas com o movimento de libertação de Casamansa, entre a Gâmbia e Guiné-Bissau. Desta vez, o plano é contornar totalmente a Gâmbia; portanto, é um percurso com mais de 800 km novo para mim.

(O 7MARGENS acompanha desde domingo passado, 3 de fevereiro, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-up e outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais.)

Breves

O 7MARGENS na Rimas e Tabuadas, em Guimarães

Na Rimas e Tabuadas Livraria-Café, em Guimarães, decorre esta sexta-feira, a partir das 21h30, uma conversa sobre o 7MARGENS. Nela participam três dos elementos dinamizadores do projecto (Manuel Pinto, Eduardo Jorge Madureira e António Marujo), bem como as...

Bispos americanos opõem-se à execução de prisioneiro condenado à morte

Na notícia evocam a carta pastoral da Conferência Episcopal dos Estados Unidos contra o racismo de nome “Abram os corações – A chamada para o amor” que afirma que “o progresso contra o racismo na sociedade não pode obstruir os problemas fundamentais com o sistema de justíça se o mesmo mancha a aplicação das leis.”

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A Palavra, de Carl Dreyer: Provas de Vida

“Discute-se muito o milagre final de A Palavra, mas muitas vezes todos os outros que passam precisamente por esta potência da palavra e do gesto são esquecidos como momentos inesperados de mudança.” A crónica de cinema de Sérgio Dias Branco.

Via Sacra na Noite de Natal

Poderosa é Julia Roberts, no papel desta “mãe coragem”. Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem. Fala-se do filme “O Ben está de Volta”.

Pessoas

Sete Partidas

Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Visto e Ouvido

Agenda

Fev
25
Seg
Estreia do documentário “Energia Para Mudar”, e debate com Francisco Ferreira (Associação Zero) e Pedro Walpole, sj (Plataforma EcoJesuit) @ Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (sala 3.2.13)
Fev 25@17:30_18:30
Debate: papel da comunicação social na protecção da democracia e na eliminação ou promoção do discurso do ódio @ Casa da Imprensa
Fev 25@18:30_20:00

participam:

Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu;
José Manuel Pureza, deputado e professor universitário;
Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora
Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana)

Fev
26
Ter
Jornadas Para Acordar – Do despertar pessoal aos Acordos para a Transição Ecológica Justa @ Centro Univº P. Antº Vieira - Lisboa
Fev 26@18:00_20:30

Ver todas as datas

Entre margens

Escutar a morte entre câmaras e microfones

Em Guimarães, decorre até domingo, dia 24, o congresso A Morte – leituras da humana condição; o jornalista Manuel Vilas Boas interveio na mesa redonda sobre A decisão jornalística: Quando a morte (não) é notícia; aqui se regista o texto da intervenção.

Em Cristo para a vida do mundo

Enquanto esperamos as conclusões do encontro no Vaticano, sobre os abusos sexuais, e nos dispomos a levar à prática as indicações que nos vão ser dadas, apressemo-nos a lutar contra o clericalismo como uma boa maneira de acabar com todas estas formas de abuso.

Homossexualidade e clero católico

A questão da homossexualidade de muitos padres católicos não é para mim irrelevante, porque discordo da contradição intrínseca que consiste na existência de um clero obrigado a papaguear um discurso condenatório da homossexualidade, quando esse mesmo clero também é, em percentagem decerto discutível, constituído por muitos homossexuais.

Fale connosco