“O grande sonho da Economia de Francisco é uma transformação na sociedade” – um debate dos Focolares em vídeo, nesta quinta, 30

| 30 Jul 20

Criar um modelo económico que não contribua para aumentar desigualdades é o objectivo do encontro de Assis.  Foto: Direitos reservados

 

“O grande sonho d’A Economia de Francisco é uma transformação na sociedade, uma transformação no modo como vemos o mundo.” A afirmação é do economista Ricardo Zózimo, num debate pré-gravado sobre a economia social no contexto da pandemia da covid-19, que na noite desta quinta-feira, 30 de Julho, às 21h30, será transmitido no canal do Movimento dos Focolares no YouTube.

Com esta iniciativa, os Focolares portugueses assinalam os 100 anos do nascimento de Chiara Lubich, a fundadora do movimento que tem como algumas das suas intuições mais importantes o diálogo ecuménico e inter-religioso, a vida comunitária, a promoção de um novo modelo económico e a evangelização pelas artes. Ao mesmo tempo, o debate desta quinta-feira pretende ser também um contributo para a preparação do encontro A Economia de Francisco, que decorrerá entre 19 e 21 de Novembro, em Assis, depois de ter sido adiado por causa da pandemia e da quarentena.

Com essa iniciativa, convocada pelo Papa para reunir jovens economistas e empresários, pretende-se formular um pacto, no espírito de São Francisco de Assis, que ajude a construir um modelo económico mais justo e sustentável, que dê protagonismo a quem hoje é excluído. Na carta que escreveu a convocar o encontro, o Papa apresenta a proposta de questionar as actuais “leis” económicas produtoras de desigualdade e exclusão e levar à construção de uma economia feita à medida das pessoas. Ou seja, uma economia socialmente justa, economicamente viável, ambientalmente sustentável e eticamente responsável.

Ricardo Zózimo, professor auxiliar de gestão na Universidade Nova de Lisboa (NovaSBE), diz que o seu sonho para o encontro de Assis “é partir de uma economia que se foca no valor” e no impacto: “Como é que provocamos impacto nas pessoas, nas empresas e no ambiente à nossa volta? Essa é a grande transformação que todos queremos ver.”

A economia actual tem “o foco no valor acrescentado e esse foco deixou o mundo com muitas cicatrizes, cicatrizes sociais nas relações entre as pessoas que vemos ao nosso redor”, diz Ricardo Zózimo no debate, de que o 7MARGENS antecipa alguns excertos.

O economista português considera-se “bastante entusiasmado”, porque já houve “algum tempo, devido ao adiamento de Março para Novembro, para aprofundar” como “mudar a economia para um novo modelo”.

 

Muita coisa a acontecer

Luigino Bruni, um dos principais responsáveis pela organização do encontro, acrescenta que há “várias coisas muito interessantes a acontecer”, na dinâmica de preparação do encontro. “Depois da crise da covid, muitas actividades já começaram com seminários digitais”, a um ritmo de duas ou três iniciativas, acrescenta o professor de economia na Universidade de Roma. O que quer dizer que os participantes não estão só à espera, mas estão já a viver o encontro A Economia de Francisco:

 

As comemorações do centenário de Chiara Lubich, iniciadas no último 7 de Dezembro de 2019, em Trento (Norte de Itália, cerca de 200 quilómetros a nordeste de Veneza), onde ela nasceu, prolongam-se até final deste ano. (O programa das comemorações é divulgado e actualizado em permanência na página oficial do Movimento dos Focolares.)

Nesta primeira iniciativa, intitulada Impacto Comunitário, haverá também uma homenagem ao poeta brasileiro Heleno Oliveira, membro dos Focolares e sobre cuja poesia escreveu Sophia de Mello Breyner Andresen: “A poesia de Heleno é um mundo simultaneamente uno e múltiplo. É simultaneamente um caminho e o diário desse caminho. É uma busca espiritual que passa através de uma busca intelectual. É caminho e é encruzilhada. A sua poesia é escrita entre a luz e a escuridão, entre peso e graça. Entre o esplendor múltiplo da terra e o escândalo do mundo. Entre a beleza que o homem criou e a dor, o abuso e a opressão.”

Dois outros vídeo-debates terão lugar no dia 1 de Outubro e 10 de Dezembro de 2020, sobre os temas Impacto Intergeracional e Impacto Ecológico. As comemorações do centenário no nascimento de Chiara Lubich, sob o lema Celebrar para Encontrar, iniciaram-se com uma exposição em Trento, com a colaboração do Museu Histórico da cidade (Fondazione Museo Storico del Trentino), que pode ser vista na página virtual.

Chiara Lubich

Chiara Lubich. Foto extraída de um vídeo do Movimento dos Focolares

 

Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares, nunca fez votos religiosos, permanecendo solteira e leiga – factos que nem sempre foram bem aceites por várias estruturas do Vaticano. Chiara, como é chamada entre os Focolares, iniciou a nova experiência em 1943, com 23 anos, quando deixou a sua casa e, com algumas amigas, foi apoiar os mais pobres que sofriam com os bombardeamentos da II Guerra Mundial.

Hoje, os Focolares (nome italiano para “lar”) são perto de 150 mil (uns quatro mil em Portugal), e cerca de metade pertence a igrejas e comunidades cristãs não-católicas ou a outras religiões (muçulmanos, judeus, hindus, budistas…). Autora de vários livros, a sua vida e obra estão contadas em Um Povo Nascido do Evangelho (ed. Paulus). Morreu em 2008, aos 88 anos. Na ocasião, o então Papa Bento XVI saudou o “compromisso constante pela comunhão na Igreja, pelo diálogo ecuménico e a fraternidade entre os povos” de Chiara Lubich.

A maioria dos focolares vivem em 780 pequenas comunidades (em 87 países) de homens ou mulheres. A economia de comunhão, que desafia as empresas a partilhar a riqueza com os mais pobres, foi outra das suas propostas.

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Eurostat

Desemprego dos jovens portugueses mais distante da média da UE

A percentagem de jovens portugueses com menos de 25 anos encontrava-se nos 22,4 por cento em novembro de 2021, segundo dados que o Eurostat acaba de publicar. Essa percentagem representa uma ligeira melhoria relativamente ao mês homólogo do ano anterior, mas revela igualmente um fosso maior face à média da União Europeia.

Alianças evangélicas

O apelo à paz no Cazaquistão

A Aliança Evangélica Mundial e a Aliança Evangélica da Ásia Central vieram expressar uma grande preocupação com a atual agitação política e social no Cazaquistão, pedindo o fim imediato da violência e do incitamento à violência.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

Celebra-se neste terceiro domingo de janeiro o Dia Mundial da Religião, que promove a ideia da compreensão e a paz entre todas as religiões. Através de uma série de eventos realizados em todo o mundo, os seguidores de todas as religiões são incentivados a conhecer e a aprender mais acerca das outras religiões e respetiva fé. Reconhecendo-se que, durante séculos, as diferentes religiões e credos lutaram muitas vezes entre si, ignorando muitos dos seus valores comuns, torna-se, pois, necessário que se trabalhe em prol de um entendimento pacífico entre todos.

Cultura e artes

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Uma história de salvação, um núcleo palpitante

Nesta belíssima obra agora disponível, James Dunn – biblista britânico que dedicou a sua vida ao estudo da história do primeiro século do Cristianismo – proporciona ao leitor uma viagem através dos diversos escritos do Novo Testamento, neles buscando os traços da mensagem e da vida de Jesus.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This