Morreu o dominicano frei Mateus Peres, teólogo moral e exímio pregador

| 20 Jul 20

Frei Mateus Peres

Frei Mateus Peres. Foto: Ordem dos Pregadores

 

O frade dominicano Mateus Peres, especialista em Teologia Moral e que integrou uma geração de católicos marcada por preocupações sociais, políticas e de aprofundamento teológico, morreu na noite de domingo para segunda-feira, 20 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Tinha 87 anos e era um exímio teólogo moral e pregador, fazendo jus ao nome da Ordem dos Pregadores a que pertencia.

Nascido a 23 de Abril de 1933, em Lisboa, Mateus Cardoso Peres cresceu com uma geração de intelectuais onde se incluíam Cristovam Pavia, Nuno Portas, Helena Vaz da Silva, João Bénard da Costa, Nuno Bragança, José Escada e muitos outros. Esteve ligado ao início dos cursos de Verão de teologia dos dominicanos, à edição portuguesa da revista Concilium, bem como ao grupo que editou a revista O Tempo e o Modo, ambas na década de 1960.

Oriundo de uma família de nove irmãos, o seu pai, engenheiro electrotécnico, morreu cedo, tendo a mãe e todos os seus irmãos sido acolhidos por um tio materno. Licenciado em Direito, e mais tarde doutorado em Teologia, no Canadá, com um trabalho sobre O Sujeito Moral (publicado pela Universidade Católica), Mateus Peres viveu e trabalhou em várias comunidades dominicanas, tendo chegado a desempenhar cargos institucionais (foi prior provincial, mestre de estudantes e membro da Cúria Geral da Ordem dos Pregadores).

Há longos anos, era ele que assumia a celebração da eucaristia no Mosteiro das Monjas Dominicanas, encerrado há pouco mais de um ano, conforme o 7MARGENS contou na altura. As suas homilias, curtas, incisivas e dotadas de uma grande capacidade de relacionar os textos bíblicos, os quotidianos e as grandes questões do nosso tempo, constituíam um importante momento de reflexão e aprofundamento para as pessoas que ali acorriam.

Nesse mosteiro, programava e animava as “Conferências do Lumiar”, que durante mais de três décadas lançaram mensalmente debates inovadores no catolicismo lisboeta e português. Além disso, como destaca o actual provincial dos dominicanos portugueses, frei José Nunes, Mateus Peres foi convidado para inúmeras conferências e retiros, e chegou a ser presidente da CNIR (Confederação Nacional dos Institutos Religiosos masculinos, que daria lugar à actual Confederação dos Institutos Religiosos Portugueses, depois de se ter juntado ao ramo feminino).

Mateus Peres chegou a leccionar alguns anos na Universidade Católica Portuguesa, além de outros lugares no estrangeiro. “A sua perspectiva foi sempre a de uma séria e honesta busca da verdade, não deixando nunca de dar prioridade ao concreto da pessoa humana em situação, sem abandonar a lei moral objectiva e apresentada pela Igreja”, diz ainda frei José Munes, em nota enviada ao 7MARGENS.

A morte aconteceu depois de quase um mês de hospitalização, após um agravamento do seu estado de saúde, que se vinha deteriorando desde há anos.

O seu corpo chegará, às 12h desta terça-feira, 21 de Julho, ao Convento de São Domingos de Lisboa, onde será celebrada missa às 17h. O funeral sairá depois para o cemitério do Alto de São João, onde está prevista a cremação cerca das 18h30h.

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This