O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

| 5 Jul 20

A questão do abuso de poder enquadra-se em todas as situações relacionais da vida humana em que, por ausência de limites e de mecanismos de controlo, se exerce e se é vítima de violência, aparentemente sem apelo para quem é violentado e sem consequências para quem pratica o abuso.

Esta é uma verdade empírica que foi muito bem sintetizada no século XIX pelo católico Lord Acton: “O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente.”

A Igreja Católica, como é evidente em vários campos, está longe de estar imune a esta realidade. Pela sua própria natureza hierárquica e de tutela de uma verdade revelada, não pode importar facilmente os mecanismos comuns de limitação do poder.

Entre eles, os mais clássicos são a rotatividade (eletiva) e a separação de poderes, que cria um balanceamento muito saudável entre quem legisla, quem executa e quem julga.

Mesmo não podendo reproduzir integralmente, ao nível da sua cúpula, estes antídotos da desgraça de tantos, a Igreja Católica pode e deve instituir transversalmente mecanismos transparentes de prestação de contas que contemplem a colegialidade. “Não é bom que o homem esteja só” (Génesis 2, 18), também no exercício do poder.

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Por outro lado, há que instituir globalmente mecanismos de transparência, para dentro e para fora. “A transparência é rigorosamente essencial para se sair da bolha em que se vive, muitas vezes em esquemas nada virtuosos que se repetem na história por falta de uma visão maior.”

A comparação universal dos modos de vida dá lições enormes a quem se desafia a aprendê-las, abrindo-se aos ventos do Espírito, que sopra onde quer.

Foi e é assim em todos os tempos, também no de Cristo. Na belíssima parábola do Bom Samaritano, desassombradamente Jesus aponta como modelo de caridade um samaritano impuro, numa situação em que os servidores do Templo e da Lei são expostos pela sua incapacidade de amar no concreto (Lucas 10, 25-37).

Faz-nos mal pensarmos que somos os últimos redutos de uma moralidade imutável e que não há mais por onde evoluir.

A perfetibilidade do género humano, felizmente, mostra-nos exatamente o contrário e mal seria se, fechados no nosso pequeno mundo, deixássemos de querer ver o caminho de virtude que se passa à nossa volta e com o qual podemos tornar-nos melhores, no único sentido que importa: mais perfeitos da caridade, a exemplo de Cristo.

 

Dina Matos Ferreira é consultora e docente universitária

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This